Filipinas e a preguiça em Port Barton

Olá, guerreiros e guerreiras à deriva no mar cósmico.

Venho mais uma vez como um buraco negro sugando tudo que existe para o vácuo existencial, inclusive a sua energia profissional. Deixe os compromissos de lado, coloque o celular no mudo, mande o chefe calar a boca e curta mais um relato da viagem. 

Da última vez contei sobre a jornada sem fim para chegar até as Filipinas, mais precisamente para Port Barton. Continuo deste ponto.

Port Barton é puro relax

Port Barton foi um lugar de descanso. Uma praia bem da gostosinha, não necessariamente deslumbrante, mas vizinha de locais legais e com um clima muito agradável. Uma vila simples, sem grandes atrações e sem grandes estruturas. Não é um lugar cheio, tem um clima relaxado, bons bares, restaurantes bacanas, areias confortáveis e convidativas em dias preguiçosos. Se tivéssemos pegado 4 dias de sol por lá teria sido perfeito, mas na verdade foram 2 dias e meio de chuva e tempo ruim, e o resto de deslumbramento do astro rei. O nosso ínicio lá foi complicado, pois foi quando o tempo ruim reinou e o humor da dupla estava inconstante, para dizer o mínimo. Além do cansaço físico veio uma onda de cansaço psicológico acompanhada de questionamentos sobre a viagem. Fato que rolou principalmente com a Má. Mas passou e logo ela começou a se sentir melhor.

Coincidentemente foi quando o tempo abriu e pudemos finalmente curtir um dia preguiça nota 9 nas Filipinas. Dia esse que foi coroado com uma macarrão show de bola do nosso restaurante favorito da vila, o Gorgonzola (foi o único que frequentamos, pois a Má gosta de repetir lugares). Nesse dia comemos massa, mas lá é um lugar famoso por ter uma pizza estupidamente grande. Uma coisa que parece meme de internet, mas que tá ali acontecendo na sua frente e você só se sente grato por presenciar. Não sei se o dono errou as medidas do forno a lenha na hora de construir e agora tem que fazer pizzas enormes para compensar ou algo do tipo, sei que é grande, é bom e existe. Enfim, se um dia estiver por Port Barton vá ao Gorgonzola. 

Olha o tamanho disso – quase sem recheio porque somos mão-de-vaca

Foi em Port Barton que conhecemos uma dupla de irmãos brasileiros, o Ed e o Enzo, os dois muito gente boa. Ali nas areias relaxantes e no clima ébrio da vila nasceu uma parceria incrível, afinal os dois foram nossos companheiros por quase todo o resto das andanças pelas ilhas do Pacífico.

Foram tempos de pouca esforço, apesar de até termos ido andando para uma praia vizinha. Não era nada demais. Voltamos. E pegamos chuva. Mas enfim, como eu dizia antes de perder o fio da meada: Port Barton foi um lugar para se afundar na preguiça e abraçar o clima zen que alguns locais das Filipinas podem oferecer. Caso eu soubesse que outras ilhas/praias seriam tão mais cheias teria ficado muito mais tempo no nosso paraíso regado a reggae, cerveja quente e pizzas descomunais. Minha dica para os viajantes é: aproveite Port Barton. Quer dizer, se você quiser relaxar né, pois se quiser muito agito aí você se vira e pesquisa um lugar melhor. 

Uma casinha perdida no canto da praia

No nosso último dia por lá demos uma explorada na praia e compramos coco de duas menininhas que aparentavam morar em um casebre na ponta menos turística da vila. Também meio que participamos de uma festa de aniversário local de um avô de 60 anos que rodava numa carcaça de aparência de uns 90. Fomos convidados para a celebração apenas porque estávamos andando pela areia e a família, empenhada em um churrasco com peixe pescado na hora, foi com a nossa cara. Devem ter gostado do semblante simpático da Marina, porque eu tenho jeito de bad boy.

Acho que Port Barton está bem resumida por aqui. O que mais teve de significativo foi isso, a superação dos obstáculos mentais e o descanso em um lugar estranhamente charmoso. 

Um dia bom nas Filipinas

Depois disso pegamos o transporte para El Nido, nosso próximo destino em Palawan (esse é o nome da ilha em que estávamos). Mas calma lá, não foi um transporte qualquer, não amigos. Quem me dera.

Foi a Van da Morte.

Uma jornada inesquecível em uma singela máquina de tortura sobre quatro rodas. Entre curvas fechadas e aceleradas insanas do condutor, nada mais fizemos do que tentarmos sobreviver sem esparramar parte das nossas tripas pelo veículo. Quer dizer, a Marina falhou na missão e deixou metade do peso dela em vômito pro dono do automóvel. Ela regurgitou tudo em um saquinho frágil que quase não aguentou o árduo trabalho de conter aquela massa nojenta, porque de novo, foi muita coisa. Quando as luzes da van se acenderam, em uma das paradas, e eu vi o tamanho do “serviço” da minha esposa repousando ainda quente em seu colo não pude conter um riso nervoso. Aquele riso de quem sabe que se a sacola plástica vermelha não desse conta do recado ia ter vômito pra tudo quanto é lado. Felizmente nessa mesma parada nossa heroína de estômago frágil se desfez do pacote maldito e seguimos cambaleantes até a rodoviária de El Nido. Chegamos depois de três horas, semi-vivos, mas chegamos. As estradas e os motoristas do sudeste asiático são uma aventura à parte.

El Nido é uma cidade estranha, parece apenas uma pontinha de concreto perto de uma praia com algumas ramificações em outras direções, como um vírus se espalhando. Nada do charme ou “vibe gostosinha” tão presente nas cidades litorâneas, mas com uma horda de turistas. Lá é um local que está ficando muito popular entre viajantes. As grandes belezas estão em lugares próximos, já que a cidade fica quase no extremo norte da ilha de Palawan, e é perto de diversas outras ilhotas paradisíacas.

O clima único das praias Filipinas

\PARAAAAAAAAAAA PARAAAAAAA PARAAA – Kleber, João

Mas El Nido  e nossas aventuras pelas estradas Filipinas são temas do próximo post. Aguarde, leitor ansioso.

Beijos quentes

Publicidade

Filipinas ou o capítulo da maratona de transportes

Olá, bravos leitores.

Venho mais uma vez com histórias da porção oriental de nosso humilde planeta, de terras antigas com costumes misteriosos, para preencher o vazio de suas caminhadas online. Na verdade conheço meus leitores e sei que a vida os abarrota de tarefas, pois são pessoas importantes e trabalhadoras, por isso desculpe por mais essa distração de seus verdadeiros objetivos. Os mais prudentes já classificaram em suas mentes esse blog como lixo virtual e estão longe das garras do demônio da procrastinação. Para os infelizes que ainda passam os olhos por essas linhas, chegou mais um relato.

Uma das coisas que mais vimos ao chegar nas Filipinas – transportes!

E esse demorou. Talvez um dos maiores intervalos de tempo desde que abri esse canal de comunicação com o mundo. E o pior é que nem tenho um bom motivo para não ter entrado em contato antes, apenas fui atacado pela boa e velha preguiça. 

Quando saímos do Camboja eu já imaginava  que estávamos prestes a enfrentar uma jornada para chegar ao nosso destino nas Filipinas e, meu Deus, como eu estava certo. Usar o termo epopeia não seria exagero (na verdade seria um uso completamente errado da palavra, mas dá o tom dramático correto), pois me senti como um antigo herói grego atravessando mares desconhecidos e enfrentando perigos diversos em prol de uma grande causa. Só que no nosso caso não teve nenhum perigo a ser enfrentado e nossa travessia marítima se deu pelos ares, um método de locomoção um pouco mais rápido do que a rapaziada grega estava acostumada. A grande causa em questão era nosso descanso sob coqueiros em uma praia de areias brancas e água cristalina. 

Porém chega de floreios, vou descrever aqui todos os passos dessa nossa aventura pelos transportes asiáticos.

Busão leito bem honesto no Camboja

Saímos na noite de 20 janeiro de Siem Reap. Pegamos um ônibus leito e às 5 horas da manhã do dia 21 estávamos em Phnom Penh, capital do Camboja. Nos dirigimos até o aeroporto e esperamos até às 14 para nosso voo. Calma que é agora que a coisa começa a ficar interessante. O avião saiu no horário e chegou na escala, Kuala Lumpur, às 18 horas. Esperamos por lá (comendo um McDonalds, porque somos filhos de Deus) até o embarque, às 20h. Aí foram mais quase 4 horas até Manila. Chegamos nas Filipinas perto da meia noite do dia 22. Você está confuso com tantos números e datas? Calma que tem mais. Dormimos, ou quer dizer, tentamos dormir, no aeroporto para economizar uns trocados. Ainda tínhamos que enfrentar mais um voo, mas ele só aconteceria às 17h do dia 22 (era de madrugada). Ou seja, muito tempo pra matar no incrível hub aéreo de Manila.

Nossa cama no aeroporto

Depois de muito rodar pelos terminais em busca de um lugar minimamente decente para dormir, encontramos uma espécie de chiqueirinho para passageiros rejeitados e perdidos. O campo de refugiados do local. O canto da turma de longa espera. Ali podíamos deitar em qualquer lugar (cadeiras duras ou chão) e dormir. Já eram 4 da manhã, por isso acatamos o chão sem o menor embaraço. Esticamos uma toalha e lá fomos nós para o abraço mais desajeitado e incômodo que Morfeu já me deu. Acordei lá pelas 8 horas da manhã com um barulho estranho e percebi que todos nossos colegas de chiqueiro tinham se mudado para um outro canto. A equipe de limpeza estava em ação ali do nosso lado e provavelmente não conseguiram nos acordar. Nós mudamos, naquele ritmo zumbi de quem não conseguia dormir bem há quase 48 horas, só para perceber que não deveríamos ter saído do lugar, pois aí a turma resolveu limpar o canto que tínhamos acabado de escolher. Voltamos para nossa região e dessa vez nos ajeitamos em cadeiras. A Má conseguiu pegar no sono e eu fiquei lendo. Depois disso achei que as coisas ficariam mais calmas, mas depois de umas duas horas percebi que estavam preparando uma missa (?) ali no nosso querido local. Isso mesmo, uma missa no aeroporto, e ainda convidaram a Marina para falar no púlpito. Era hora de dar tchau, sair da nossa bolha de proteção e finalmente desbravar os mistérios da rodoviária glorificada. Já era quase meio-dia então fomos comer, fazer check in e esperar o avião que partiria no período da tarde. Depois das horas mais arrastadas da minha vida finalmente embarcamos na última perna aérea da jornada e 1 hora depois chegamos em Puerto Princesa, que era, bem, um pouco longe ainda do nosso destino final. Como chegamos tarde arranjamos um hotel meia boca e capotamos. Logo cedo, na manhã do dia 23, partimos do terminal rodoviário da cidade, que mais parecia uma feira a céu aberto, e 3 horas de van depois, aí sim, aí sim chegamos em Port Barton, onde curtiríamos uma praia pelos próximos quatro maravilhosos dias sem traslados ou deslocamentos. Quando finalmente cai duro na cama do nosso quarto só conseguia escutar um remix estranho do tema da vitória do Ayrton Senna com Halleluya tocando em loop na minha cabeça. 

Missa(?) no aeroporto

Ufa. Cansou escrever isso tudo. Quase 3 dias para chegar de um lugar a outro. Claro que as Filipinas serem um país composto por mais ilhas do que gente não ajudou muito nessa história. 

Mais uma vez reflito: como era paciente o povo que saía em uma banheira de madeira pelo mundo, só para chegar em algum lugar uns bons 20 meses depois. Por isso que os navegadores e colonizadores cagavam tudo quando achavam terras novas, imagina o tanto de energia que esse povo não acumulava durante a viagem. Energia mal direcionada dá nisso. Quem sabe uma yoga ou um tai chi chuan no navio não tivessem deixado essa galera mais relaxada. Muito me surpreende que um marinheiro mais sagaz não tenha chegado no Bartolomeu Dias, Colombo ou Pedro Álvares e dado a letra “o capitão, o pessoal já tá meio ensandecido de ficar muito tempo aqui, por que o senhor não puxa um alongamento ali no convés só para dar uma descontraída?”.

O mundo poderia ser outro caso isso tivesse acontecido. 

Bom, tem só um detalhe de toda essa narrativa migratória que eu mantive escondido sob o manto escuro e frio da vergonha, uma peça vital de informação que demonstrará que não apenas o destino e os meios de transporte asiáticos foram os culpados pela nossa demora para chegar até Port Barton, pois nós também tivemos nossa parcela de culpa. Para entender como isso aconteceu é necessário voltar alguns meses atrás, para quando estávamos na Tailândia, mais precisamente em uma noite em que chegamos embriagados no quarto após uma noite de diversão de qualidade. Foi nessa madrugada, lá pelas 3 da manhã, quando estávamos encharcados de álcool e com poder de raciocínio muito do impedido que resolvemos ser uma boa hora para comprar as passagens da nossa então futura ida para as Filipinas. O resultado disso foi que ao invés de comprarmos um voo para às 5 da manhã eu, Rafael, comprei um voo para às 5 da tarde, um erro que nos deixou mais umas 12 horinhas no aeroporto. Tranquilo. Acontece. Estou com a consciência limpa. 

Só para deixar o post mais poético

E sim, esse capítulo do blog foi apenas sobre o nosso deslocamento insano entre Camboja e Filipinas. Se ele foi cansativo de ler  imagine como foi na vida real. 

Prometo que o próximo relato será mais interessante. Ou não.

Beijos quentes