Tailândia ou Medo e Delírio em Chiang Mai

Esse relato cobre os eventos de 27/11/2018 a 11/12/2018

“… and if you gaze long into the abyss, the abyss also gazes into you”

um alemão de bigode engraçado

Olá companheiros de caminhadas estranhas, volto da minha sombria jornada pelos cantos escuros da mente para a agraciá-los com este que será um “bottle episode”, ou para os que não estão acostumados com o jargão televisivo, será um episódio com budget menor que se passa quase que inteiro em apenas um lugar. Mas não se enganem, isso não quer dizer que esse será um relato inferior. Pelo menos espero que não, ainda não o escrevi pode ser que termine uma porcaria. Veremos. 

Em nosso último contato descrevi tudo que aconteceu até nossa última noite em Chiang Mai. O que aconteceu foi uma sequência simples de acontecimentos: apenas dormi, acordei, dormi de novo, perdi hora e fomos correndo pegar o ônibus local até o retiro de meditação. O monastério fica, teoricamente, em Chiang Mai, mas afastado do centro da cidade, cerca de uma hora de transporte público.

Mas calma lá. Como assim retiro? Meditar? Eu explico. O nosso grande objetivo ao nos dirigirmos para o norte da Tailândia era chegar até esse centro de meditação que nos foi indicado por um grande amigo. A ideia era mergulhar em um curso básico de 15 dias, seria uma experiência totalmente diferente para nós dois, pois ninguém do casal praticava meditação e muito menos sabíamos muito sobre Vipassana, a técnica que iríamos aprender. Foi uma das experiências mais aleatórias e pouco planejadas da viagem, e foi animal. E díficil. Quiçá a coisa mais difícil que fizemos. 

Nossos amigos monges

Chegamos alegres e vistosos como turistas devem parecer quando chegam para uma experiência de meditação, mal sabíamos onde estávamos nos metendo. 

Não quero passar a ideia errada, como já adiantei acima, foi sensacional e uma das coisas mais legais que fiz até hoje. 

Para os que não me conhecem direito preciso dizer que espiritualidade não é meu forte, mas tinha curiosidade pela prática e todos benefícios desse “controle da mente” (sei que não é o melhor termo, desculpem). Digamos que, para mim, essa jornada tinha muito mais de Doutor Estranho do que de Siddhartha. 

Bom, logo chegamos e já recebemos nossa introdução ao local. O retiro fica dentro do complexo de um monastério super antigo e um local sagrado para a região, por isso tínhamos que seguir à risca as regras dos monges. Ou seja, isso incluía seguir alguns códigos e mandamentos budistas, como dormir apenas 6 horas por dia (das 10h até às 4h), não comer nenhum sólido após meio dia (almoço era às 11h), não matar (nada, não só gente, mas também qualquer inseto, bicho, ácaro e o caramba), sem toque ou relações sexuais e por aí vai. Também não podíamos consumir nenhum tipo de entretenimento, como ler, escutar música, assistir Netflix e etc… essa era uma regra específica para quem estava em período de curso, pois os monges andavam pra lá e pra cá com o celular, aposto que devem ser todos otakus. Os professores do retiro também. Outra regra válida apenas para esse período de 15 dias era manter o máximo de silêncio possível, não era proibido falar, mas quase todo mundo ali estava em período de meditação e ninguém queria desfocar. Isso incluía não falar com a pequena Marina, minha bela cônjuge. 

Eu posso ter lembrado de algumas “regras” e esquecido de outras, mas um bom resumo é: podia meditar. O resto não podia fazer. 

E como meditamos. 

A dupla – Certeza que a Marina estava tirando um cochilo

Foi o maior “zero a cem” da minha vida, pois nunca tinha praticado de verdade. Você chega e já começa com “leves” 10 horas de meditação por dia. 5 horas de meditação andando e 5 horas de meditação sentado.  Você deve completar essas 10 horas em pequenos “rounds” de meditação, que começam com 10 minutos em pé, 10 minutos sentado e 20 minutos de descanso. A cada dia a prática é aumentada em 5 minutos para cada tipo de meditação, ou seja, no décimo dia você já estávamos fazendo 1 hora por “estilo” e totalizando um round de 2 horas. A porcaria do tempo de descanso nunca aumentou. 

Claro, a coisa não é tão rígida assim, e se eles percebem que você está dando seu melhor (e realmente levando a sério) tudo bem afrouxar o tempo da prática em alguns momentos. Mas eu sou eu, caxias que só, e quis fazer tudo certinho como o indicado. Quase morri. Acho que não ser tão duro com esse tipo de auto cobrança foi um dos meus aprendizados por lá.

Era tanta prática que não sobrava tempo para mais nada no dia, além de almoçar e tomar café da manhã. Nem dava para sentir muita fome ou desejar algum tipo de entretenimento. Claro, isso vem à tona, mas foi bem mais fraco do que eu esperava. 

Uma vez por dia eu encontrava a minha guia do retiro e trocava uma ideia. Era um momento bacana, pois apesar de todo mundo ter uma jornada diferente o guia sempre sabia mais ou menos em que estágio você estava do programa. Essa era também a maior interação que eu tinha com qualquer pessoa, tirando a foto do calendário com quem eu conversava às vezes no meu quarto. Sim, tinha um calendário com a foto de um monge importante lá e eu troquei muita ideia com ele, rapaz interessantíssimo. Agora pensando bem era melhor mesmo conversar com um senhor tailandês imaginário do que com a minha guia, afinal ao fim de cada bate papo ela aumentava meu tempo de meditação. 

“A Rafael mas como era a prática em si?” Calma lá leitor afoito, estou chegando nisso. Antes quero descrever meu quarto que compartilhei de forma injusta (ao meu ver), com formigas e mosquitos.

Eu fiquei no dormitório dos monges. Ou melhor, não era um dormitório, cada um tinha uma “casinha” individual. Tudo bem pequeno e colado. Uma espécie de conjunto habitacional budista. Era legal pois eu acordava com o mesmo gongo que os monges, assistia eles indo ao refeitório, andei com eles ao nascer e pôr do sol, vi pessoas oferecendo comida em troca de preces e o melhor, escutei todas funções corporais possíveis que um monge pode ter. Não são diferentes das dos outros humanos e eles não fazem questão nenhuma de esconder isso. Aliás tinha um monge que falava ao celular às 2 da manhã quase toda madrugada, devia ser meditação guiada por zap. 

Outro ponto importante sobre minha casinha era que ela era dominada por insetos que eu não podia matar, ou seja, qualquer tentativa minha de ter comida no quarto era frustrada por formigas. Mas aproveito para confessar que sem querer assassinei algumas dessas pequenas trabalhadoras ao comer um sucrilhos que estava empesteado delas. Como foi sem querer espero o perdão de Buda. Desde o primeiro dia tinha também um mosquito no meu quarto, acabei chamando-o de Jorge e convivi com ele até o fim do meu período lá. Até que o Jorge era bacana, não me picou muito.

Fora isso meu espaço ainda se reservava ao direito de não ter água quente e descarga. Mas, apesar de tudo, era limpinho e aconchegante (na medida do possível). 

O nosso canto (meu e do Jorge)

Enquanto eu vivia nessas condições a Marina ficou em uma casa do centro de meditação (não do Monastério) com varanda, ar condicionado, água quente e cozinha própria. Quem dizer que não existe divisão de classes dentro do complexo do mosteiro não sabe o que está falando. 

Último ponto descritivo que quero tirar do peito – todo mundo precisava andar de branco por lá, o que por horas me fazia pensar que eu estava em uma seita, apenas esperando o momento em que todos iriam tomar um chá especial para ascender aos céus de forma mais rápida. Deus me livre participar de um suicídio em massa na Tailândia, quero algo chique e que seja televisionado, no mínimo tem que ser nos Estados Unidos. 

Bom, agora que expliquei o contexto em que estávamos inseridos estou pronto para falar da meditação. A prática em si é muito simples, mas incrivelmente difícil de ser aplicada. O budismo de lá é do estilo Vipassana, que significa “ver as coisas como elas realmente são”. O objetivo maior desse estilo de meditação é estar no momento presente, ou como eles dizem em “atenção plena” (mindfullness). Nada de ficar perdido entre o passado e o futuro, como eu costumo/costumava fazer muito. 

Para atingir esse objetivo, de estar sempre no momento presente, você deve “notar” tudo que acontece com você. Estar consciente de todos os movimentos do seu corpo e da sua mente. “Notar” é simplesmente ter conhecimento de que algum fenômeno ocorreu, como um pensamento, um barulho, etc…. então a meditação não é daquele estilo “esvazie sua mente” nem nada assim, na verdade os dois estilos, sentado e andando, são exercícios para você sincronizar corpo e mente (o jeito mais fácil de voltar para o presente) e “notar” tudo o que acontece enquanto você os faz. Calma, vou dar um exemplo. Os exercícios vão aumentando em dificuldade, mas o estilo “andando” começa apenas com dois movimentos, você deve sincronizar seus passos com os pensamentos “direita vai aqui, esquerda vai aqui”. Simples né? E aí você faz isso por alguns minutos. Só que se ouvir um som durante essa prática você deve parar e “notar” repetindo na sua cabeça “ouvindo ouvindo ouvindo”. Se lembrar do fogão que esqueceu ligado durante o exercício você deve parar e pensar “pensando pensando pensando”. Se você imaginar todo mundo no hall de meditação pelado durante o exercício deve parar e pensar “pervertido pervertido pervertido” e depois “analisando analisando analisando”, pois as notações não devem ter caráter judicativo, elas apenas são observações do que você está sentindo/pensando/fazendo no momento. 

Parece besta e no começo é mesmo, mas você começa a perceber como essas “notações” impedem sua mente de viajar e te trazem de volta pra ação. Toda vez que eu ouvia um barulho, por exemplo, e não notava, era como se eu abrisse uma porta na minha mente e um monte de coisa saía de lá, e aí eu começava a viajar. O conceito básico é esse, o que acontece é que os exercícios ficam mais complexos e o tempo de meditação aumenta – 10 horas ou mais disso por dia. As notações são sempre feitas 3 vezes, não lembro porque. 

O hall de meditação onde a festa acontecia

Só que para esse processo começar a funcionar de forma “correta” é necessário passar por várias fases. É uma espécie de terapia encapsulada em 15 dias, afinal às vezes eu percebia que tinha pensado algo bizarro, depois me indagava por que pensei aquilo, e aí o buraco do coelho não tinha fim. São 10 horas por dia analisando suas próprias notações. Eu me odiei, me amei, odiei o mundo, fiquei irritado, senti saudades. Foi foda. As conversas com o guia são importantes pois ele vai indicando que algumas coisas são normais e também tentando te ensinar de leve alguns conceitos do budismo (nada forçado). Por exemplo, as notações são apenas observações, você não deve lutar contra o que está notando. Ao perceber isso é muito mais fácil se conhecer, se aceitar e deixar passar certos sentimentos ou pensamentos. Gostei desses papos e ensinamentos pois achei eles bem pé no chão, não foi algo dogmático como se espera de uma religião, mas sim como um conselho de um velho bêbado que fica no canto do boteco e que resolve conversar bem naquela noite em que você sabia que não deveria ter saído pois estava frio demais. Conselhos estranhos, mas que fazem sentido. 

Não virei budista nem nada, até porque pelo pouco tempo que ficamos lá o contato com o lado espiritual foi bem raso, mas gostei de realmente entender conceitos como: não temos 100% de controle de tudo, a impermanência das coisas e a insatisfação eterna em nossos coraçõezinhos (que existe principalmente no meu). 

Pelo menos dava para andar até um lago próximo e ver esse pôr do sol

Não vou falar mais sobre o processo porque realmente é uma coisa bem pessoal e posso estragar um pouco a experiência alheia caso algum dia alguém que lê isso aqui resolva se aventurar nos terrenos não mapeadas da mente humana. 

Porém vou falar que no começo, principalmente durante a meditação sentada (em que você fecha os olhos), rolam umas viagens muito loucas. Muito loucas mesmo. É diferente de imaginar ou sonhar, é mais real e bizarramente aleatório. Depois sua mente vai ficando mais “domada” e essas imagens não aparecem tanto, mas no começo teve de tudo na minha cabeça perturbada: cenas de filme comigo no meio, jogo de futebol com dinossauros, Nicolas Cage peixe com uma fantasia estilo Glub Glub, um japonês companheiro de prática saindo de um alface e mais milhares de coisas. Minha “visão” favorita foi quando do nada a Marina apareceu na minha cabeça fazendo um joia e usando um bigode falso, tipo aqueles exagerados de disfarce de filme. Mas garanto, tiveram coisas bem mais surreais.  No começo eu não anotava/escrevia nada (em teoria não pode), então perdi/esqueci muita coisa, mas quando vi que minha única anotação em 5 dias era “Doutor Estranho mais estranho ainda”, resolvi tomar vergonha na cara a registrar alguns fatos e viagens, anotações rápidas mesmo, para não infringir demais as regras. Também fiz uma lista dos filmes que invadiram minha cabeça de alguma forma, segue uma parte não alterada do compêndio original para vocês terem uma ideia da aleatoriedade (lembrando – são as anotações originais e não editadas):

Space Jam eh o melhor filme de esportes de todos os tempos – elaborar

Guerreiros do tempo (aquele do jean reno), tesouro nacional (nunca assisti). 

Breaking bad (meditando de cueca)

Bruxa de Blair

Deadpool 2

Quem vai ficar com mary

Drink no inferno

Julie e julia

Doug funnie

Esqueceram de mim 2

Mandy

Inception

Hellboy 

Clube dos Cinco

Cybercops

Terminator

Brooklyn 99

Incriveis 1 e 2 

About time

Fear and loathing in las vegas

Minority report

Kurosawa

Também passei algumas vergonhas, claro. A melhor foi ter dado aquele oi pra uma pessoa que estava saudando o Buda (achei que ela estava interagindo comigo). Certo dia, após comer uma coisa extremamente apimentada no refeitório peguei a garrafinha de água da Marina, que eu achei que estava com água, e dei um baita gole apenas para descobrir que o que tinha dentro era chá quente. Meus lábios quase se desintegraram, a dor consumiu minha alma e eu nem podia falar nada, pois todo mundo comia quieto igual defunto, parecia mais um necrotério do que um refeitório. Também teve a vez que ri com gosto de uma senhora que peidou alto no hall de meditação. Coisa boba, mas que provoca a risada de qualquer ser humano. 

Tem mais um milhão de coisas que gostaria de compartilhar. Mais coisas sobre a rotina do local, pequenas regrinhas da prática, histórias engraçadas do dia a dia, viagens, doideras, etc… mas para isso eu teria que fazer um outro blog só focado nesses 15 dias de prática.

Minha transformação após o retiro

Foi um período intenso, de disciplina e certo sacrifício, mas que valeu a pena. A experiência foi incrível e eu realmente acredito nos ganhos que todo esse “exercício mental” me trouxe. Acho que apenas entender a própria mente e o próprio corpo melhor já é um baita resultado. Por exemplo, sou muito noiado, daquele tipo de pessoa que fica lembrando de coisas até doer o estômago de tanto que eu fico me remoendo. Já acho mais fácil “me libertar” desse sentimento e conseguir voltar a focar em algo que realmente importa. Para lidar com concentração, ansiedade, paranóia, impaciência, angústia e etc… A prática serve para lidar com tudo isso. Mas é como se fosse um esporte mental né, precisa de prática. Também acho que é algo que “precisa pegar no tranco”, um período de isolamento para dar uma limpada em todos estímulos que nossas mentes recebem hoje em dia é, ao meu ver, necessário.

Inclusive a primeira vez que eu voltei pra cidade, ainda durante o retiro (fui comprar mantimentos no mercadinho), me senti naquelas cenas de filme em que o índio chega na cidade grande pela primeira vez, sabe? Barulho, imagem, cheiros, tudo se misturou numa explosão sensorial esquizofrênica. 

Depois de terminada essa jornada que quase nos matou pegamos um ônibus até a fronteira com o Laos para iniciar nossa travessia de barco pelo rio Mekong, mas isso é tema de um próximo post.

Beijos Quentes

Tailândia ou Chiang Mai e as lanternas do apocalipse

Esse relato cobre os eventos de 20/11/2018 a 27/11/2018.

Olá, companheiros da tormenta. Enquanto o relógio da perdição não bate meia-noite agracio vocês com mais um capítulo de nossa jornada um pouco torta.

Saímos do calor úmido e perverso de Bangcoc para encontrarmos paragens mais frescas bem ao norte da Tailândia, em Chiang Mai.

Chiang Mai, apesar de afastada da parte sul do país (onde ficam as incríveis praias e ilhas) e de ser até mesmo longe da capital, é um daqueles lugares que fazem parte de quase todos roteiros de quem visita a Tailândia. Não é por menos, a cidade, a maior da região norte, tem uma história incrível (já foi capital de um reino antigo) e é considerada uma das mais sagradas da Tailândia. O centro histórico, que ainda esbanja as ruínas da muralha que cercava o seu canal, abriga mais de 200 templos, um mais bonito que o outro.

Ruínas em Chiang Mai

Sabíamos que Chiang Mai era um lugar especial, mesmo sendo “popular”, só não sabíamos que cairíamos de paraquedas na cidade durante o seu festival mais famoso, o Yi Peng, o festival das lanternas. Olha, tem que ser muito perdido para chegar lá sem nem se tocar sobre o tal festival, tem gente que programa toda uma viagem baseada apenas nessa celebração, mas bem, nós somos as pessoas que ficaram perdidas e sem dinheiro em um parque chinês e literalmente esquecemos que o mês de fevereiro existia nas Filipinas (causo ainda a ser contado por aqui), por isso tudo é possível. Nós só queríamos conhecer a cidade e ir para o nosso retiro de meditação, que ficava ali pela região.

Nos demos conta que o festival estava para acontecer ainda em Bangcoc, quando tentamos comprar uma passagem de trem alguns dias antes de partir e o jovem do guichê praticamente riu das nossas caras. Estava tudo lotado. No fim achamos um ônibus de última hora e fomos, junto com todos turistas presentes na Tailândia naquele momento, até Chiang Mai.

Pensa em uma cidade que estava cheia. Pensou? Era Chiang Mai quando estávamos por lá. Tinha estrangeiro saindo até do bueiro. Mesmo assim aproveitamos bastante a nossa quase uma semana por lá. Que cidade gostosa. Acho que esse é o melhor jeito de descrever Chiang Mai – é um lugar gostoso. Como um amigo disse, parece cidade de praia sem praia. Ou uma cidade do interior de São Paulo com bastante estrutura. Não é a toa que lá é, como descobrimos depois, um paraíso de nômades digitais.

Um dos muitos templos

Deu para aproveitar bastante o centro antigo, andamos pra lá e pra cá vendo templos e tomando Thai Tea sob um sol bem intenso, mas muito mais tolerável do que enfrentamos em Bangcoc. Foi incrível ver a vida acontecendo ao lado de ruínas sagradas e grandes locais de adoração. Também aproveitamos muito às noites, encontramos um querido casal de amigos moradores da cidade (conhecemos eles em PhiPhi) que nos apresentou a vasta colônia brasileira que habita Chiang Mai. Tem gente trabalhando online, gente trabalhando em hostel, gente fazendo freelance e gente se virando como dá. Acho que brasileiro gosta tanto de Chiang Mai quanto de Phiphi. O importante é que conhecemos um pessoal bacana e tomamos umas cervejas geladas.

Além deles também encontramos outros viajantes brasileiros, mais especificamente representantes guerreiros do segmento de “famílias viajantes”, os incríveis @gemeosnamochila e @pelomundocomolucas. Compartilhamos um delicioso almoço em que considerei a possibilidade de nunca ser pai. Brincadeira, pessoal. Brincadeira. Eles são sim uma baita inspiração para nós.

Primeiro dia de festival

Claro, o festival aconteceu enquanto estávamos lá, inclusive começou no dia em que chegamos (ele dura alguns dias). A cidade estava linda, toda enfeitada com lanternas e ornamentos, o que só aumentou o charme do lugar. A abertura da cerimônia foi interessante, uma espécie de desfile de rua com danças típicas (pelo menos o que conseguimos ver). Apesar do índice desumano de gringos por metro quadrado toda a performance foi realizada por locais, o que sempre deixa tudo mais interessante. Os dias seguintes de festival foram marcados pelas oferendas e pedidos feitos em forma de lanternas e krathongs (barquinhos). O momento de soltura das lanternas é visualmente incrível, uma cena muito marcante da nossa viagem. Quando saímos do nosso hotel, à noite, e parte das lanternas já estavam no ar parecia que novas constelações estavam surgindo a cada segundo no escuro firmamento. Porém quando chegamos perto dos tradicionais locais de onde partem esses balões tailandeses a sensação foi outra. Invés de estrelas estáticas o que vimos foi muito movimento, uma coisa quase orgânica, como milhares de água-vivas nadando em um mar azul escuro, todas indo em uma só direção. Foi um espetáculo hipnotizante, mas causa uma certa estranheza ver mais estrangeiros participando dele do que locais. Sim, tinham muitos tailandeses nos rituais, mas mesmo assim a quantidade de “intrusos” na cerimônia era considerável. Confesso que não sei o que pensar sobre o tema. É interessante participar e se envolver com a cultura local, com certeza, mas quando será que a massificação do turismo de algo assim acaba cruzando a linha do aceitável? Aliás, existe essa linha? Só sei que muita gente que estava ali soltando lanternas não apresentava um grande envolvimento emocional e religioso com a cerimônia. Oras, até nós soltamos. Tudo bem que foi de um local mais reservado, com ajuda dos monges de um templo, mas mesmo assim não vou ser hipócrita e dizer que estava muito envolvido com a performance toda. Fui apenas mais um turista curioso que quis seguir a onda. E não vou nem falar dos polêmicos riscos ambientais das lanternas – uns dizem que não existe, pois elas são biodegradáveis, outros dizem que elas poluem rios e podem causar acidentes. Eu sei que curti o feito no momento, mas não faria de novo. Aliás não é difícil acreditar que essas lanternas possam causar queimadas e acidentes, só quando passeamos pelo rio vi umas 4 barraquinhas de comida que quase foram incineradas. E olha que ainda tinham uns gringos lá que se arrotassem no balão iriam causar uma explosão, a turma estava calibrada no álcool. Para se ter uma ideia em um dos mercados noturnos testemunhamos um jovem chinês exercitar o antigo ritual de vomitar até a alma, uma prática global.

Lanternas

Enfim, foi bonito, foi polêmico, foi interessante e graças a deus que acabou, porque tinha gente demais.

Logo após o termino do festival já deu para notar como a cidade esvaziou e tudo ficou um pouco mais calmo. Fizemos um passeio inesquecível para um dos templos mais famosos de lá, o Doi Suthep, que fica em uma montanha bem ao lado da cidade. Acordamos mais cedo do que qualquer ser humano deveria acordar, pegamos um tuktuk colina acima e assistimos a um nascer do sol inesquecível. Descemos a montanha por uma antiga trilha usada por monges e ainda paramos em um outro templo escondido pela mata e esquecido pela maioria dos turistas. Ao fim da caminhada voltamos de bicicleta para nosso hotel. Nesse mesmo dia fomos ao cinema, descobrimos que lá o filme demora meia-hora para começar e é necessário saudar o rei da Tailândia antes da película, o melhor é que ele garante que um vídeo sobre sua vida, digno de aniversário de 15 anos, passe antes de todas sessões. Só sendo rei mesmo para aprontar uma dessas e não ser zoado.

E, melhor que curtir um cinema relaxante foi a parte final do nosso dia, quando fomos à casa de um casal sensacional de amigos (aqueles que moravam em Chiang Mai e já comentei acima) e eles nos receberam com um jantar brasileiro: feijão, arroz, frango e farofa. Maravilhoso.

Cerveja e amizade (Re e Leo)

Isso foi logo antes do nosso retiro de meditação e agora tenho plena certeza que entupir todas as entranhas com feijão e farofa é o melhor ritual de preparação para qualquer prática espiritual. Pelo menos você enfrenta qualquer desafio feliz. É bem nutrido.

Fora isso o que fizemos foi curtir a cidade e dar uma passada “rápida” em Chiang Rai, outro local que muitos turistas visitam. Caso você queira conhecer Chiang Rai faça com calma e em mais de um dia, nos fizemos um passeio bate-volta e foi muito corrido. Não curtimos.

Nascer do sol no Doi Suthep

E foi assim que chegamos e aproveitamos, quase sem saber, uma das épocas mais intensas de Chiang Mai, um lugar delicioso e que merece ser visitado. Mas a estrada nos chamava, por isso demos tchau para o Léo e para Re, nossos amigos, e partimos para uma jornada dentro de nossas mentes em um retiro Vipassana. Esse é o tema do próximo post.

Beijos Quentes