Vietnã ou os Hells Angels de Ha Giang

Já vou abrir com uma foto do caminho entre Dong Van e Meo Vac porque esse post tem muita imagem

Olá, amantes do fracasso. Mais uma vez dou as boas-vindas para aqueles que sabem que basta existir para que alguma coisa dê errado. Bom, mais errado que esse blog não há, por isso aproveite estes momentos raros em que você se depara com algo mais decrépito que as decisões que você tomou ao longo dessa vida.  

No último post estávamos em SaPa, no noroeste do Vietnã, onde fizemos uma trilha incrível e eu ingeri mais álcool do que estava planejando. No dia seguinte a um dos natais mais estranhos de todos os tempos continuamos nossa viagem, ainda pelo lado “de cima” do país, até Ha Giang.

Claro que andar pra lá e pra cá em terreno montanhoso nunca é fácil e isso é mais complicado ainda no sudeste asiático. Enfrentamos mais uma jornada de algumas boas horas (quase 5) em uma van apertada e com um motorista que jamais passaria no exame psicotécnico no Brasil. Foi chacoalhão de lá pra cá e de cá pra lá a viagem inteira, tudo em um veículo em que o limite máximo de pessoas foi devidamente desrespeitado. Imagine uma lata de sardinhas. Agora imagine essa lata sendo jogada pra cima e pra baixo e pros lados e pra trás por um criança birrenta que gosta de ouvir música vietnamita. Foi mais ou menos assim nossa viagem. Pelo menos resistimos bravamente e ninguém vomitou. 

Uma das inúmeras “vans da morte” descritas nesse post

O engraçado é que as vans por aqui não são apenas transporte, mas fazem também o papel de correio. Mais de uma vez, enquanto passávamos por algumas vilas, o motorista parava para receber um pacote que ele deixaria em outra vilazinha mais pra frente. E claro que essa de receber e transportar mercadorias diversas só deixou o ambiente agradável da van ainda mais apertado. Imagine uma lata de sardinhas sendo jogada pra lá e pra cá. Agora imagine essa lata sendo aberta, alguém colocando objetos diversos dentro e fechando novamente (sem tirar nenhuma sardinha). Foi gostoso. 

Após essa epopeia motorizada chegamos à Ha Giang (a cidade, que tem o mesmo nome da província). Passamos apenas uma noite lá, pois o crème de la crème da região é fazer algo chamado loop, que consiste em pegar as estradas que sobem as montanhas até quase a fronteira com a China, conhecer as vilas pelo caminho, voltar para Ha Giang e curtir o cenário no caminho. Realmente é um lugar lindo e que me surpreendeu. Achei que SaPa já tinha me deixado acostumado com as belezas dos vales e colinas do Vietnã, mas Ha Giang é diferente. Mais selvagem, verde, menos turística e com montanhas que desrespeitam qualquer tentativa de padronização da natureza – são grandes espinhos saindo da terra em ângulos impossíveis, colossos de rocha escura que nos fazem sentir pequenos e impotentes. A região toda é uma grande cicatriz na pele do planeta. Normalmente quem faz o loop aluga uma moto e fica de 3 a 4 dias explorando as estradas e parando nas vilas que se espalham pelas montanhas. Não foi nosso caso, pegamos uma época de muita chuva e neblina e não rolou a segurança para montar em uma motocicleta e rasgar estradas pelos penhascos (estradas essas de boas condições, mas estreitas e cheias de curvas). No fim subimos até a vila mais ao norte da região, Dong Van, de transporte público. Foi ruim. Foi mais um trajeto em que quase largamos nossas tripas pelo assoalho fedido da van, mas também foi bom ter evitado a aventura sobre duas rodas pois a estrada se mostrou um pouco traiçoeira e infestada de motoristas imprudentes. 

A vista do forte francês de Dong Van

Apesar da náusea causada pelo amigo motorista, o caminho foi lindo e peculiar. Dong Van também  um lugar muito interessante, com praticamente uma rua principal a vila é cheia de hostels e cafés, embora quase não tivesse turistas lá (acho que visitamos muito fora de temporada). Muitos dos visitantes que encontramos eram do próprio Vietnã, e é sempre legal conhecer um local que não é só pra “gringo ver”. A vila fica em um platô no alto do emaranhado de rochas que domina a região, e esse platô é também cercado pelos espinhos geológicos que já descrevi. Um pequeno vale verde e vivo  entre um deserto marrom escuro. No alto de uma das montanhas que vigia a vila ficam as ruínas de um antigo forte francês, um passeio rápido e interessante que fizemos logo no dia em que chegamos. Vale a pena visitar Dong Van, o lugar é demais. 

Hells Angels

Ficamos três dias nas alturas vietnamitas e no segundo dia alugamos scooters por algumas horas para ir até Meo Vac, uma vila próxima, e voltar. Nos disseram que esse era o trajeto mais embasbacante do loop e aproveitamos um dia de sol para conferir. O trecho que rodamos tem pouco mais de 20 km (para ir e depois mais 20 km para voltar), mas apesar da distância quase inexistente demoramos mais de 4 horas para completar a jornada, desconfio que as paradas para tirar fotos do cenário singular foram a causa dessa demora. Claro que quando subíamos nas motos o asfalto gritava, parecíamos dois membros expatriados dos Hells Angels dedicados a tocar o terror em solos asiáticos. Curvas perigosas feitas de forma imprudente, brigas pelo caminho, bebedeira e muita velocidade. Claro que tudo isso só aconteceu na minha cabeça, pois nossas motinhos não passavam de 40 km/h nem com ajuda divina e nós, bem, acho que nós não somos tão radicais quanto eu imagino. 

Saca só como a estrada serpenteia a montanha
O belo rio que nos acompanhou por boa parte do trajeto

Mesmo assim foi um dos dias mais divertidos da nossa viagem, apesar do frio. Subimos montanhas, andamos na beira de precipícios, acompanhamos um rio cor de jade que domina o vale entre as duas vilas, nos enfiamos em plantações e demos tchau para muitos vietnamitas. Deu vontade de voltar alguma outra vez pro Vietnã, comprar uma moto (melhor que uma scooter) e conhecer o país de norte a sul, desta vez levando a sério o estilo de vida motoqueiro.

Os mistérios do vale

No dia seguinte a nossa aventura regada a gasolina fizemos uma trilha (a pé) de uns 14 km rodeando a montanha em que a vila de Dong Van fica. Durante nossa caminhada o tempo fechou e o céu escuro deu ares de que uma tempestade de proporções bíblicas estava por vir. A temperatura, que já não estava lá essas coisas, caiu muito, chegando quase perto de 0 graus (aliás foi um frio totalmente inesperado para nós, que esperávamos pegar um tempo desses apenas no Nepal). Com a chuva veio a neblina e o nosso trekking fico com um clima fantasmagórico. Apesar de atrapalhar a contemplação do cenário (era muito neblina, só enxergávamos apenas uns 3 metros a frente), isso deixou o dia mais divertido e com tons de filme de terror. Eu não me surpreenderia se a qualquer momento um exército de homenzinhos verdes tentassem nos abduzir ou uma horda zumbi aparecesse correndo entre as árvores. Importante notar que eu estaria preparado lidar com qualquer um desses cenários, por isso estava tranquilo.

Marina e o cenário nebuloso

Foi um trajeto sereno, tranquilo, em que o único barulho eram as gotas caindo na vegetação da montanha e meus gritos de desespero toda vez que eu quase escorregava na lama que dominou o chão. Passamos por alguns povoados simples, mas a trilha foi quase toda nossa, muito provavelmente porque ninguém é besta o suficiente para sair com o tempo pouco convidativo que imperava no céu. Em dado momento, no auge da neblina, encontramos uma senhora passeando calmamente entre sua plantação, segurando uma foice com a mesma tranquilidade que meu tio Tobias segura uma Itaipava. Se ela não tivesse uma aparência tão amigável confesso que ficaria com medo. 

Vontade de abraçar… exceto pela foice

Bem no fim do caminho a neblina finalmente se dissipou e fomos presenteados com uma visão incrível do vale de Dong Van, ainda semi-imerso em brumas e cercado pelos mais variados tons de verde, todos acentuados pela chuva que tinha cessado. Foi o auge desse nosso passeio frio e bucólico, que martelou mais uma vez em nossas mentes a importância da simplicidade e de um bom casaco.

O verde após a chuva
Dando tchau para a neblina

Nesse dia ainda caímos, sem querer, em uma festa de aniversário local com direito a cantoria e mais vinho de arroz. Estavámos lá bem tranquilos no nosso restaurante favorito da cidade, que é propriedade do dono de alguns hostels da vila, quando percebemos uma movimentação estranha na mesa ao lado. O dono e sua família estavam comemorando o aniversário de sua esposa com vários convidados, uma comitiva animada que logo ficou ainda mais animada devido ao álcool. No fim nos chamaram (e também outros turistas) para festa, que tinha karaokê de YouTube e bebida liberada. Tivemos que cantar “Ai se eu te pego” levemente embriagados enquanto a aniversariante, já devidamente enebriada, se derretia de amores pela nossa performance. Coisa de quem gosta de representar bem o Brasil no exterior. Isso porque no nosso tempo em Dong Van também pegamos a celebração adiantada de ano novo deles (isso foi uma outra noite), uma apresentação de diversos cantores amadores na praça central da cidade. Foi uma noite fria, animada e de pouco talento. Quem disser que não existe agitação nas montanhas do Vietnã não sabe do que está falando.

Mais um pequeno passeio em uma van da morte (com a estrada toda tomada pela neblina) e estávamos novamente em Ha Giang. Foi assim que acabou nossa estadia na região norte do país e para voltar para Hanói enfrentamos uma maratona de vans apertadas, ônibus intermunicipais imprudentes e uma série de enjoos e náuseas. Ufa. 

Um encontro inusitado durante a trilha

Retornamos para a capital quase no ano novo, pois durante as festividades iríamos conhecer as belas (e lotadas) águas de Ha Long Bay. Mas esse é o assunto do próximo post. 

Beijos Quentes