Bulgária, o país verde e esquecido – Parte 2

Um rôle pelos lagos glaciais de Rila

Bulgária, o país verde e esquecido – Parte 2

Olá patronos do nonsense e da vergonha alheia. Esse é mais um capítulo das aventuras pela Bulgária, a parte 2 do post anterior.

Só para relembrar – tínhamos alugado um carro e estávamos prestes a explorar cada canto do país. Ou melhor, cada canto que nosso prazo de 4 dias restantes lá permitisse. 

O primeiro objetivo era ir até umas cachoeiras e cavernas na região norte, em Lovech. Mas conseguimos errar o caminho mesmo usando mapas e GPS e fomos parar em um hotelzinho perto de Troyan, a mais de 30 quilômetros de distância do nosso destino – não tenho ideia de como isso aconteceu, mas mais uma vez acho um milagre não termos perdido ao menos um membro nessa viagem. Enfim, como na maioria das vezes, foi bom se perder, pois demos um passeio muito interessante – desbravamos diversos vilarejos com nosso carrinho, todos com um visual que eu classificaria como  “leste europeu de filme”. Casinhas velhas e rústicas, ruínas de grandes empreendimentos industriais esquecidos e a natureza tomando conta de tudo, o verde dominando o lugar e as pessoas. Se você der um Google em “interior leste europeu” vão aparecer fotos dos lugares por onde passamos. Ainda bem que os dias estavam lindos e o sol ardendo no céu, senão o cenário poderia ser bem deprimente, daqueles que fazem parte de películas B de terror em que viajantes vão parar em uma cidadezinha esquecida em que uma babushka qualquer coloca uma maldição neles e os locais andam com foices prontas para decapitar cabeças.

Uma vilazinha no meio do nada

O melhor de tudo foi que acabamos em um hotelzinho muito simpático e com uma dona mais simpática ainda, a Greta, e olha que ela nem tentou decapitar a gente. Inglês era a mesma coisa que nada para ela, mas nos entendemos por gestos e pelo intermédio providencial de um búlgaro-americano que estava de férias lá. A região era linda e acabamos fazendo uma trilha seguindo o cume de montanhas que começam a cordilheira dos balcãs. Um lugar bonito, verde e calmo. Fazer essa trilha foi quase um experimento zen – não era complicada, o caminho estava tomado por pequenas flores e o cenário de montanhas e pradarias acalmava mais que aquela dose de Maracugina com uma pitada de vodka pela manhã. Como é bom interagir e estar na natureza, ainda mais com vistas tão relaxantes quanto o mar de colinas verdes que víamos pelo caminho. No fim foi bom termos errado o nosso destino, conhecemos uma bela trilha, fomos até um esquisito, porém imponente, monumento no topo de uma montanha e visitamos uma vilazinha bem charmosa para jantar. 

Nosso rôle pelas encostas de morros verdes e floridos

Depois de dois dias no “lugar errado, mas certo” nos dirigimos ao sul de Sófia, para a famosa Rila. Na verdade, não fomos para a cidade de Rila, mas sim para Sapareva Banya, uma cidade (ou vila) que fica bem perto de uma das entradas do Rila National Park, onde fizemos o popular hike dos 7 lagos de Rila. Eu escrevi muito Rila nesse último parágrafo, desculpe.

No começo da trilha de Rila

Esse foi um trekking bem especial, algo memorável para fechar nossa estadia agradável mas não tão emblemática assim na Bulgária. Foram umas 5 ou 6 horas andando (não sei quantos kms percorremos. Eu sabia, mas esqueci. Desculpe, sou humano) no topo de montanhas que também fazem parte dos Balcãs. Para chegar lá em cima é necessário montar em um elevador daqueles de estação de esqui, em que você vai ao ar livre e com as perninhas balançando, tão confiável quanto meu tio Alcides com uma garrafa de Pitu na mão. Depois disso existem vários percursos a serem feitos, mas todos passam pelos tais 7 lagos que são formações glaciais ali na beirada do céu. O visual do lugar todo é de fazer o coração bater mais rápido, feroz e calmo ao mesmo tempo. Acho incrível como montanhas que parecem tão estéreis e solitárias vistas lá de baixo possuem tanta vida e complexidade nas suas encostas. Um mundo de verde, de animais e até corpos d’água. Um ecossistema único em um lugar quase isolado. Uma visão que vale a pena. Bom, para mim qualquer programa que envolva andar no meio do mato vale a pena, ainda mais quando é necessário algum tipo de esforço para ter as visões mais gratificantes. Muito melhor dar tudo de si em um exercício sabendo que no fim vamos ser presenteados com uma pintura da natureza ao invés do rosto sorridente de algum personal trainer mais simpático do que deveria te falando que você “mandou bem”. 

Pelos caminhos de Rola

Nossa aventura ali pelos lados de Rila foi praticamente isso. Quer dizer, descobrimos que Sapareva Banya tinha uma bela de uma pizzaria e lá, andando pelas ruas, nos deparamos com um costume peculiar dos locais: todos colocam, em frente às casas, pôsteres de familiares que morreram. Com foto e tudo. Alguns já tinham batido as botas há anos e o pôster continuava lá pregado na rua para todo mundo ver. E as fotos dos falecidos não eram das melhores, eu se fosse da cidade já faria, antes de partir, uma curadoria bacana das minhas top 5 fotos para serem inseridas nesse mórbido monumento, não gostaria de passar vergonha depois do rigor mortis. Minha preferência seria uma foto de sunga ou regata, ou quem sabe usando os dois ao mesmo tempo. Talvez eu deva dar umas ideias para esses tais búlgaros.

Um pouco mais alto – ainda em Rila

Para ser sincero eu acho que as fotos e cartazes eram dos mortos das famílias, mas não tenho certeza, pois não pesquisei direito o assunto, por isso gostaria muito que o leitor mais ávido pela verdade fizesse a devida investigação e compartilhasse com o mundo. De qualquer jeito era um negócio estranho. 

Lugarzinho estranho

Depois disso restou voltar para a capital, errar o caminho na hora de devolver o carro (porque a Marina deixou um McDonalds como destino no GPS), ir para a rodoviária (mais uma) e pegar mais um ônibus, dessa vez para a Grécia. Foram dez dias na Bulgária, um lugar gostoso, que pode ser explorado melhor e me parece ter mais para oferecer, o único problema é lembrar que ele existe. 

Após essa pausa idílica e preguiçosa, era hora de retomar um ritmo mais intenso na viagem, principalmente porque a sogrinha estava chegando para nos visitar. Esse é o assunto dos próximos posts.

Beijos Quentes

Bulgária, o país verde e esquecido – Parte 1

Sófia pode ser estranha.

Olá, seguidores do caminho torto e apaixonados pela escuridão. Enfrentamos mais um dia em nossa etapa sem muito sentido aqui nesta bolha azul que insistimos em deixar cinza. Já que propósito é algo tão abstrato quanto nossa própria existência, por que não gastar um pouco de nossas finitas respiradas com a leitura de um post desnecessariamente longo? 

Depois de passarmos pela já costumeiramente trabalhosa troca de país, nós nos vimos em uma praça ensolarada na cidade de Burgas, Bulgária. Bulgária? Bulgária. Sim, esse país renegado aos cantos mais escuros da nossa mente, daqueles que até o professor de geografia esquece que existe. A Bulgária não é inexplorada ou longe o suficiente para ser exótica, a Bulgária não foi palco de guerras tão sanguinárias como seus vizinhos (ainda bem), a Bulgária não é um iminente destino de verão Europeu (mesmo com as praias do mar negro), a Bulgária não é lembrada como um berço histórico do planeta (apesar de ter sido parte de grandes impérios antigos), a Bulgária não tem uma cultura tão diferente assim do ocidente (não estou dizendo que não seja uma cultura única)… Enfim, a Bulgária, por uma série de fatores, é sempre relegada ao elenco coadjuvante da novela territorial na mente dos viajantes, sejam eles de longo prazo ou não. É um país que lembramos que existe só quando ganha ouro no halterofilismo nas Olimpíadas ou quando abrimos um mapa da Europa e olhamos COM CUIDADO, principalmente quando estamos na Turquia ou na Grécia e precisamos nos mover por aí. Talvez os mais agraciados com memória lembrem de Bulgária durante uma partida de STOP, mas é isso, ninguém mais lembra da Bulgária, só os búlgaros. E não estou dizendo que o país é menos importante por isso, claro que não, estou apenas descrevendo como funciona a mente humana. Pode chamar isso de preconceito, falta de cultura, o que for, mas não venha me dizer você, leitor, que lembra constantemente da Bulgária e que o lugar é o número 1 na sua lista de países para conhecer. Esse blog não é local para mentirosos. 

Esse post não tem muita foto mesmo.

E quer saber? Melhor assim, eu invejo a Bulgária. É bom ser esquecido e deixado em paz pelo resto do mundo. 

Fomos parar nessa massa de terra destinada ao oblívio porque estávamos na Turquia e iríamos para a Grécia em alguns dias encontrar a mãe da Marina, por isso nada mais natural que parar um tempo em um país tão perto do nosso destino. 

Viemos de Istambul naquela maratona que já descrevi, mas um ponto positivo de vir de ônibus é poder curtir as mudanças de cenário. Incrível como cada metro mais perto da Bulgária significava mais verde no cenário praticamente marrom e amarelo daquela espécie de cerrado turco. A Bulgária é verde, é cheia de vegetação viva, exuberante, não de árvores retorcidas e arbustos. A Bulgária é terra de bosques de respeito. 

Chegamos e ficamos apenas algumas horas em Burgas esperando nosso ônibus até Sófia e confesso que gostei de cara da Bulgária. O povo, apesar de parecer fechado, foi simpático e prestativo, mesmo os que não falavam inglês. Escutar as pessoas falando “dã”e ver o alfabeto cirílico em todo canto cutucou com força o monstrinho dormente da nostalgia e lembrei com carinho do começo da nossa viagem, quase um ano atrás, na Rússia. Será que o ciclo estava se fechando? Enfim, Burgas tem uma rodoviária bem capenga e a cidade não parece ruim, mas também não tem nada demais. Os prédios que vimos eram antigos e lembravam bem um lugar que um dia já foi parte da União Soviética, mas segundo nosso motorista de táxi Burgas é o melhor lugar do país, então quem sou eu para discordar.

 

Catedral de Alexandre Nevsky

De lá fomos para a capital, Sófia, que vou ser sincero, não conhecemos tão bem assim. Parece ser uma cidade muito gostosa e boa para relaxar, pois tem cultura, belas construções, parques ocupados da maneira certa (isso é, de pessoas curtindo eles) e ainda assim é acessível e pequena o suficiente para não abrigar grandes multidões e ser abastecida por apenas duas linhas de metrô. Sófia me pareceu uma versão menor e mais calma de cidades como Praga e Budapeste, mas não posso afirmar isso com certeza porque nunca visitei essas outras, por isso cabe a você decidir se vai acreditar nessa minha comparação manca ou não. Tudo isso que descrevi anteriormente vi em apenas dois grandes passeios que demos por lá, porque ficamos a maior parte da nossa estadia de seis dias na cidade enfurnados em um Airbnb que era um portal para uma dimensão de preguiça e conforto. Sério, o apartamento era demais e nossa rotina lá foi bem gostosa, mais ou menos um remember do que fizemos na Austrália. Cozinhamos, nos exercitamos (de leve, ninguém é de ferro) e colocamos a vida em ordem. Até um jogo no videogame eu fechei. Quando não envolve vender a alma em jornadas excruciantes por uns trocados para pagar boletos até que essa tal de rotina não é tão ruim. Sim, vocês sabem e eu já falei aqui antes, é bom voltar a ter alguns padrões na vida, ninguém aguenta ser viajante desenfreado 100% do tempo, nem o Indiana Jones, que vira e mexe voltava para seu emprego de professor. 

Depois do nosso tempo de esbórnia ociosa alugamos um carro para desbravar o país, o que não é difícil porque ele não é muito grande. 

Mas para esse post não ficar excruciante dividi o texto em duas pequenas partes.

Beijos Quentes