Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 2

Nossa galerinha

Do rio mais lamacento e da pradaria mais poeirenta surge, como um bálsamo para dias difíceis, mais um capítulo deste blog sobre o Camboja. Pode respirar aliviado(a), limpar a lágrima que escorreu nesse rostinho lindo e comece a ler. 

No post anterior falei sobre como era a vila, a escola em que ficávamos e o potencial de destruição dos nosso “alunos”. Agora vou falar mais sobre nosso dia a dia lá. Para os que perderam a parte 1, clique aqui.

Nossa rotina era mais ou menos a seguinte: acordávamos umas 7 da matina, tomávamos café e das 8 às 10 dávamos aula pra turma da manhã. Essa era a molecada mais carente, os que dormiam lá pois a situação em casa era extrema (pais alcoólatras, falta de comida, falta de água, etc…). Eles não iam para a escola pública da vila e se ficassem em casa teriam que trabalhar. Eram um pouco mais “atrasados” que o resto das crianças em inglês e bem distraídos, mas no fim acabamos nos apegando muito a eles, afinal estavam sempre lá com a gente (para o bem e para o mal). 

Parte da turma “da manhã”

Depois disso tínhamos um tempo de brincadeira e almoçávamos (as crianças também, o Rady alimenta as que ficam por lá). Depois, das 2 às 4, começava a turma da tarde, uma classe bem mais cheia, formada por toda criançada que chegava da aula na escola pública. Normalmente essa classe fluía melhor, apesar de ter mais bagunça. Meu Deus, como é difícil ensinar. E como é difícil ensinar sem ter uma língua base em comum. Passar conceitos é quase impossível. Às vezes o Rady nos ajudava, mas normalmente nossas aulas eram pautadas em vocabulário, coisas que conseguíamos transmitir com desenhos e mímicas. Certa vez tentei mostrar o mapa-múndi para elas e parecia que eu estava falando da teoria da relatividade. Quando tentamos ensinar os conceitos de “hoje, ontem e amanhã” também. Ser professor é saber lidar com a frustração. Aliás é muito legal quando você vê uma criança aprendendo algo que ela tinha dificuldade de assimilar, mas eu não tenho a paciência nem a nobreza para passar muitas vezes por esse processo, eu curtia os que pegavam tudo mais rápido. Um salve para os verdadeiros professores do mundo.

Depois dessa aula tinha mais um momento de brincadeira, normalmente eu jogava bola com as crianças, ou melhor, jogava a versão kamikaze de futebol que elas praticam. Até em mim elas davam carrinho e porrada, pensem em um jogo com raça.

A porrada comia solta nesses jogos de fim de tarde

Mesmo que tentássemos ficar tranquilos e, por exemplo, ler um pouco, não dava. A molecada estava sempre animada e eles precisavam de muita atenção. Aparecer com o celular em público era o mesmo que aparecer pintado de ouro e com duas bolas de sorvete na cabeça – o pessoal voava em cima.

Após a última bagunça do dia era banho e cama.

Mas calma lá, e o banho? Bom, até tinha um chuveiro, mas a pressão da água era a mesma do xixi do meu avô quando ele tinha 87 anos. Não dava nem pra molhar o cabelo. O que restava era usar uma torneira secundária e se virar no banho de canequinha. O toalete também não tinha descarga, claro. Era tudo na base do baldinho. As crianças eram bem encardidas, com problemas de pele e piolho, mas adoravam tomar banho, mesmo que não o fizessem “direito” (elas só se molhavam), pois em casa elas não tinham água assim. Nunca pensei que um chuveiro pudesse simbolizar tanto distanciamento social. Certo dia compramos suprimentos de higiene para todos, ensinamos a escovar os dentes e demos um banho bem dado na turma, com shampoo e tudo. Eles adoraram. 

Aparato novo em mãos

Enfim, a semana seguia mais ou menos assim, com nossas aulas um pouco desajeitadas no começo, mas depois em um bom ritmo. Eu era meio maníaco e queria deixar tudo preparado, mas depois saquei que além das aulas estávamos lá por outros motivos também, e nem sempre a classe iria prestar atenção ou entender completamente a matéria.

O tempo todo seguiu mais ou menos como o descrito, muita atenção para as crianças, um pouco de falta de paciência em dados momentos, nenhum ou pouco espaço privado e uma tremenda raiva de ter perdido tempo com a porra de uma série chamada Mansão Hill ou algo assim. 

Fizemos uma vaquinha para a escola, que foi um sucesso (garantiu um poço novo de água e um terreno para plantio)  e um baita esforço de criação de conteúdo da Má. Aliás ela que fez tudo dar certo. Parabéns pra ela e muito obrigado pra quem ajudou de alguma forma! A Marina também pegou piolho das crianças, informação importante. 

No fim aprendi a lidar melhor com a carência da meninada e já abraçava todos sem parecer um robô de outro planeta. Mais uma conquista dessa experiência. 

As crianças agradecendo a quem doou

Fora aulas, brincadeiras, jogos de bola e etc… ainda fomos convidados pra dois casamentos, cada um em uma semana. Aliás de Novembro a Março é temporada de casamentos no Camboja, pois depois todo mundo tem que trabalhar nas plantações de arroz. O primeiro casório não foi notável, ficamos pouco e depois fomos tomar uma com a família do Rady em uma espécie de piquenique em um terreno em frente de onde ele morou quando criança. Essa parte foi gostosa, tomamos umas cervejas com uns cambojanos e não entendi nada da conversa deles. Também não parava de chegar gente, era pessoa saindo do mato, pessoa chegando de moto, de bicicleta, etc… uma noite interessante. Foi lá que nos ensinaram que toda vez que alguém vai beber é necessário brindar. Toda vez. TODA. É legal no começo, mas depois enche o saco. Não sei se isso é costume mesmo ou eles estavam zoando com a gente.

Eu fui de calça de trilha e tênis no casamento. E eu ainda me arrumei para esse

O segundo casamento aconteceu no vizinho da escola. Foi aí que descobrimos que as festas duram mais de um dia aqui, e que o som da cerimônia começa 5 da manhã, uma beleza. E a vila pode ser a mais pobre do mundo, mas aqui eles não economizam em som não. São umas 15 caixas gigantes empilhadas uma em cima da outra, como uma montanha de decibéis e ódio. E eles não deixam o volume moderado, é aquele volume tão alto que estoura tudo. Ninguém tá nem aí pra qualidade, o negócio é propagar o som pelo mundo. Música de festa, música de cerimônia, discurso dos sacerdotes, tudo passa por essas caixas da destruição. Foram dois dias seguidos com música no último volume desde a madrugada. Pelo menos aproveitamos mais esse casamento. Vi de perto a bagunça que é a festa. Realmente um evento comunitário, com a vila toda se juntando, comendo, crianças correndo, bichos passeando no meio de tudo, poeira, etc… um caos dos mais divertidos. Inclusive sequestraram a Marina pra colocá-la em um vestido e maquiagem tradicionais. O problema é que enquanto ela estava nesse processo um molequinho muito pentelho (nunca tinha visto antes) grudou em mim. Toda paciência que tive com os alunos não tive com ele e quase joguei o figura no fosso (errado demais, eu sei. Desculpe criança pentelha). Essa festa ainda aconteceu na nossa última noite lá, então os alunos pediram pra dançar com a gente. Foi uma cena engraçada (para não dizer outra coisa), baita technera rolando, um monte de criança correndo e se jogando na terra e eu e a Marina no meio. Isso em um casamento numa vila Khmer no meio do Camboja rural. A vida pode ser lindamente aleatória às vezes.

Marina trabalhada no tradicional e eu…bem..melhor deixar pra lá
Bagunça na rave casamento

Fora nossa vida no campo ficamos uns 4 dias em Siem Reap, uma cidade bem gostosa e barata pra se embriagar. Achei chopp por 2 reais. 

As ruínas são demais 1

Claro que visitamos o Angkor Wat e outros templos do complexo de ruínas. Uma experiência inesquecível para quem gosta desse tipo de coisa. Templos budistas e hindus “mais antigos que o Brasil”. Muitos sendo devorados pela natureza. Visual incrível e ainda mais legal se você é familiar com Uncharted, Tomb Raider e Indiana Jones. Fomos dois dias para o complexo, um de bicicleta (quase morremos com o calor) e outro de moto. Recomendo fortemente. Se você não tem muita noção do que estou falando dê um Google.

As ruínas são demais 2

Nosso dias por lá também foram marcados pelo encontro com um casal de amigos, o pessoal do @gemeosnamlchila. Família incrível que viaja na maior parceria. São mais incríveis ainda pois acharam no mercado local uma peça gigante de mozzarella, e meus amigos, vocês não sabem como um queijo bom faz falta depois de muito tempo de Ásia, mesmo que um “simples” mozzarella. 

Molecada vai deixar saudades

Recomendo que vejam os destaques do Instagram da Marina (@sejogaai) para entender melhor sobre nosso tempo no voluntariado, a história do Rady e até do Camboja no geral. 

Boa semana, não assassinem quem não mereça.

Beijos quentes.

Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 1

Pôr do sol nos campos da vila

Do calor, da sujeira e da poeira eis que surge mais um episódio de alegria em suas vidas. Sim, amigos, está começando mais um capítulo do blog mais exclusivo do Brasil

Esse relato é sobre a experiência mais impactante que tivemos no ano, quem sabe na vida. Falando em ano, como está o seu até agora? Sei que no mínimo está sendo agitado, pois o mundo parece uma bagunça no geral. Mas não aquela baguncinha agradável, aquela baguncinha que começa como um churrasco despretensioso e termina com um nível muito além do recomendado de Velho Barreiro consumido, “Coração Sertanejo” no som e um revival da banheira do Gugu na piscina. Não. As coisas estão mais pro estilo “o tio voltou bêbado de novo do forró e está violento” de bagunça. Nada agradável. 

Será que algum lugar do mundo está legal no momento? Quer dizer, eu  passei por vários lugares legais, não tenho do que reclamar, mas eu não moro neles e sei que a maioria (senão todos) tem sérios problemas socioeconômicos. Vira e mexe me sinto culpado por estar visitando e me divertindo em um país com qual não concordo com políticas ou pior, está ou esteve envolvido em alguma atrocidade. Mas se eu fosse barrar lugares da nossa lista de viagem por isso quase não sobraria pra onde ir. Por exemplo, não fomos pra Myanmar por causa do massacre recente de muçulmanos, mas fechamos os olhos pra várias outras coisas – nada como uma dose diária de hipocrisia. Acho que esse tema rende um post em si, posso continuar outro dia.

Mas vamos falar de coisas mais leves,  como a guerra no Camboja e uma população quase que totalmente dizimada.

Calma, brincadeira, teremos pontos de alívio cômico nesse capítulo.

Caso vocês não lembrem o último capítulo terminou conosco saindo do Vietnã após a festança glacial em Ha Long Bay e indo pro Camboja, em direção ao nosso trabalho voluntário.

Eu estava nervoso, vou confessar. Pra variar criei uma pressão desnecessária sobre o fato, me preocupando se realmente conseguiria ensinar e ajudar essas crianças (ia lá dar aula de inglês). Além disso era uma situação muito fora da minha zona de conforto, teria que ter um nível de envolvimento com outros que quem me conhece sabe que não é meu forte. Enfim, fomos encarar.

A rua principal do vilarejo

Já vou adiantar aqui que foi uma experiência maravilhosa, daquelas de mudar a vida mesmo. Um soco de realidade. Eu sei (acho) que todo mundo do grupo restrito de leitores do blog é instruído e tem noção das diferenças sociais que existem no mundo, dos nosso privilégios e facilidades. Eu também sabia disso tudo e achava que conhecia da vida. Mas estar lá é diferente, é a materialização de um discurso interno que até o momento era só isso mesmo, um discurso. A porra da pirâmide de Maslow despencando na sua cabeça pra te fazer ver como os níveis inferiores são pesados e importantes. Água, comida, higiene. Ao aprender o tema na faculdade isso aí nunca foi preocupação. 

Desculpe se no momento meu discurso flutua pro lado do “iluminadão do voluntariado”, mas eu nunca tinha participado de ações tão intensas assim. Já tinha ajudado a cuidar de crianças no natal em uma escola no centro de São Paulo, ajudado a organizar mantimentos para Mariana e feito aquela ocasional doação de fim de ano para as crianças da creche Mãezinha, em Itu (sim, esse lugar existe). Ações rápidas e de pouco envolvimento. Sei que você, lendo isso, pode ser bem mais experiente que eu nesse quesito, e nesse momento eles devem estar lendo e pensando “no shit, Sherlock”. Juro que o momento iluminadão vai acabar. 

Enfim, foi bom e foi diferente. Fica a reflexão que no atual momento eu devo ter feito mais pelo Camboja do que jamais fiz pelo meu país, algo que quero mudar no futuro. 

Garotada e um amigo nos campos

Claro, alguns podem argumentar que a minha mera presença radiante nas ruas de São Paulo contribuiu pra elevar a moral dos trabalhadores brasileiros ao longo dos anos, mas eu não sei se foi pra tanto. Caso você não tenha notado o momento iluminadão já acabou e agora vou voltar pro relato.

Chegamos em Siem Reap e já tinha um motorista do projeto nos esperando. Mal pisamos no Camboja e já estávamos em direção ao voluntariado, onde ficaríamos duas semanas. A escola, ou centro, em que trabalhamos fica a uns 40 kms da cidade, numa vilazinha rural.   As estradas não são uma maravilha e em dado momento viram de terra, por isso mesmo um carro bom leva uns 40 ou 50 minutos pra chegar lá. 

Já era noite quando fomos recebidos por Rady, o idealizador do projeto, e algumas crianças que nos esperavam para dar um oi. O primeiro contato com elas já deu a tônica de como seriam os próximos dias. Bagunça, muitos apertões e abraços. Elas amam o toque, não sei se por carência emocional ou por serem um povo afetivo, desconfio que mais pelo primeiro quesito. Eu não sou a pessoa mais carinhosa que já pisou na terra, e mesmo sabendo onde estava indo e porque estava indo isso me causou estranheza. Esse excesso de contato que a molecada necessitava. Inclusive às vezes enchia bem o saco, para ser sincero, mas acostuma e, inclusive, amolece o coração.

Como estava tudo escuro não deu pra ver muita coisa, só que a escola operava em uma estrutura bem simples, com duas casas de bambu para as crianças mais carentes da vila dormirem, uma cozinha quase a céu aberto, um chuveiro e um toalete (depois comento sobre a qualidade deles). Algumas casinhas de madeira serviam como classes e uma outra casa maior, também de madeira, era um grande quarto pros voluntários, no caso nós eramos os únicos lá no momento. Logo fomos dormir. Ou tentar. A ansiedade dentro de mim era quase opressora.

Casinhas usadas pelas crianças mais carentes – sala de aula era atrás delas

O dia seguinte era segunda-feira, mas feriado, uma data comemorando o fim da guerra civil que assolou o país, por isso não teve aula, mas fomos com uma caravana de crianças conhecer a vila. Na verdade não tinha muito o que conhecer, o local é formado por algumas casas e plantações que beiram uma grande estrada de terra vermelha. Andamos com a molecada por quase toda essa estrada, passando por casas simples até uma rua pavimentada que é a marca não oficial do fim daquela comunidade. Visualmente o lugar me lembrou muito a savana africana. Plano, com horizonte longínquo, muita vegetação seca e amarela, plantações de arroz inativas e algumas árvores aqui e ali. Sem falar que tudo lá tem tons de laranja e vermelho, principalmente por causa da poeira que toma conta de tudo.  A poeira vermelha da estrada que gruda em tudo e em todos. Eu lembro da vila e imediatamente lembro dessa poeira, um lembrete incômodo da realidade do local, algo que te puxa de novo para uma realidade que não é nem um pouco melhor do que um sonho. Considerando que estávamos no Camboja, talvez o visual devesse ser mais de floresta tropical do que o que vimos, não sei se o cenário em questão foi construído pela interferência do homem ou aquela região em particular é assim

Rostos sorridentes na poeira

Sem falar que é bem quente, andar por ali onde não tem tanta oferta de sombras é muito cansativo. O calor é diferente do que senti na Tailândia, que era úmido como Manaus. Ali era seco. Enfim, calor gera suor, e suor, com a já supracitada poeira, gera uma pasta grudenta e irritante que é parte integral do “milanesa do Camboja”.

Estilo das casas locais

As casas da vila são, no geral, bem módicas, por falta de um termo melhor. Geralmente de madeira ou bambu e apenas com um cômodo onde todos dormem juntos, cozinham, etc… muitas delas são suspensas, quase como em palafitas, apesar de eles não serem uma população ribeirinha ou morarem em uma área de inundação. É simplesmente tradição, até porque o espaço que fica embaixo das casas é usado para relaxar, armazenar coisas e para lazer. Grande parte delas não tem eletricidade ou acesso a água, por isso muitas crianças gostam de ficar na escola, que tem uma infraestrutura melhor que a média da região. Aliás, água por ali é só de poço, encanamento e saneamento básico são um sonho distante. 

É um lugar bem pobre.

Nada de selva por aqui

Outra coisa que observei durante essa primeira andada pela vila e que confirmei nos outros dias: o povo por aqui adora camisetas de futebol. Camboja é um país que parece ter seguido os conselhos de moda do Rafael de 15 anos, que acreditava que camiseta de time, shorts de tactel e chinelo é o único visual possível. Aqui muita gente anda assim. Meninos, meninas, adultos, eu….  No começo achei que era paixão pelo esporte, mas comecei a tentar a puxar papo sobre o tema e ninguém entendia muito. Depois saquei que aquelas camisetas do Barcelona, Juventus e Real Madrid só estavam vagando pelas ruas porque deviam ser as mais baratas nas lojas. Se você ainda não entendeu, obviamente não eram camisetas oficiais. Mas importante dizer, eles adoram esporte por aqui, principalmente vôlei e futebol, mas não necessariamente conhecem esses times que citei.  

Depois que demos esse nosso passeio pela vila voltamos pra escola e ficamos brincando com as crianças até o almoço. Todas refeições eram bem simples e locais, o Rady mesmo que preparava tudo. Acho que ao longo dos dias comi carne de cobra e com certeza tomei uma sopa de formigas, mas normalmente o que comíamos eram vegetais e frango. Com arroz, claro. 

Parte da nossa turminha incrível

O período da tarde desse mesmo dia foi uma experiência meio traumática pra gente, pois o Rady saiu e nós ficamos tomando conta das crianças, só que sem ele lá (e talvez pela excitação de nosso primeiro dia) elas viraram uns capetas. Ficavam brincando com coisas como facas (??), se batiam, gritavam, fizeram guerra de talco e água, sujaram a escola inteira e em dada hora começaram a comer larvas da folha de bananeira. Nós ficamos igual baratas tontas tentando entender o que fazer e como controlar aquela horda de adoráveis delinquentes. No fim desse primeiro dia eu já estava cansado e bem do arrependido. Mas depois as coisas melhoraram. Nada como uma noite de sono quase em coma pra curar esse tipo de coisa.

Vou dividir o post em 2 partes, pois tem bastante coisa para contar. Agora que a vila e as crianças já foram apresentadas no próximo texto vou detalhar nossa rotina e as peripécias em que nos enfiamos – por exemplo, participamos, sem querer, de dois casamentos. Aguarde.

Beijos Quentes