Vietnã ou o tiozão em Ha Long Bay

Podem sorrir amigo(a)s internautas, voltei de um dos círculos do inferno para trazer a sua dose semanal de sombras e perrengues. Tenha em mãos seu veneno de preferência, isole-se do mundo por uns três minutos e acompanhe mais uma dose de decisões precipitadas e burrices corriqueiras.

Ha Long Bay é o bitcho

No último post descrevi como tocamos o terror de moto nas montanhas vietnamitas, mas infelizmente nossa aventura com aroma de gasolina e motor 100 cilindradas ali perto da China terminou e após mais uma jornada nauseante em estradas sinuosas, vans apertadas e em um ônibus leito que foi redecorado com vômito por um pobre garotinho local, chegamos em Hanói.

Já era quase ano novo e precisávamos estar na capital, pois fechamos, junto com uma amiga da Marina que estava de férias no Vietnã, um cruzeiro em Ha Long Bay, um dos destinos mais turísticos do país. É um lugar surreal, apesar de super visitado. Um verdadeiro labirinto formado por milhares de grandes rochedos de calcário que emergem do mar cor de jade e criam desenhos únicos na água junto com piscinas naturais, ilhas e cavernas misteriosas. São como restos de uma antiga cidade perdida que foi parcialmente inundada. Ruínas do fantástico. Escombros de um lugar que existe só na imaginação. Bom, deu para perceber que visualmente o lugar é incrível e que eu me empolguei na minha descrição.

Mas voltando ao relato – ainda em Hanói pegamos o ônibus da nossa excursão (sim, era uma excursão) e partimos pro cruzeiro. Cruzeiro esse que era um daqueles “barco festa”, com bastante comida boa e gente querendo farrear. Não necessariamente nossa clima, mas para comemorar o ano novo valeu a pena e foi divertido.

Nosso grupo era formado por jovens de todas partes do mundo que tinham como objetivo encher a cara. O ambiente todo cheirava a “festa de faculdade”, inclusive o guia designado para tocar nossa horda de selvagens em ponto de ebulição, o simpático Crazy K. Sim, o guia se autodenominava Crazy K, o que eu achei bizarro, afinal ele pegou um nome que ele usaria como apelido em algum jogo de videogame ou se ele fosse parte de uma gangue de rua e transportou para a “vida real”. Talvez eu esteja filosofando demais sobre a alcunha do nosso querido mestre de cerimônias, mas algo não parecia estar certo ao falar em voz alta “Crazy K”. Tente você aí na sua casa, fale “Crazy K” e veja se soa legal. Não soa. Eu chamava ele só de K, o que era falta de educação, porque ele não queria ser chamado assim, mas eu me recusava a entrar nessa bolha fantasiosa maluca que todos estavam compartilhando ali na costa do Vietnã. É complicado ser mais retraído que o professor Pasquale e mais cheio de noias que aquela sua tia viciada em vinho Chapinha e remédio tarja preta.

Crazy K dando seu show

Mas mesmo com toda essa dureza de espírito eu me diverti.

Só o tempo que estava horrível, frio demais (quase zero graus) e cinza. O barco ainda era quente e confortável, mas isso se limitava a seu interior. O cruzeiro dispunha de uma série de aparatos para atividades divertidas, como caiaques, boias, jacuzzis e etc… Mas o clima congelante atrapalhou o aproveitamento disso tudo. Atrapalhou, mas não impediu. Boa parte da turma fazia qualquer coisa para se divertir, então quando percebi que aqueles quase adolescentes malucos estavam nadando no mar gelado me juntei a turma e, tomado (por osmose) de uma adrenalina juvenil, resolvi fazer o que eles estavam fazendo, que era pular do segundo andar do barco (que era bem alto) na água fria. Subi, me preparei, olhei, vi que era bem mais alto do que esperava, tremi, cogitei voltar, mas não podia decepcionar minha jovem turma, por isso pulei. Pulei com medo, mas pulei. Não foi o pulo mais bonito do mundo, mas pulei. Até que gostei da experiência, confesso, gerou uma sensação boa que depois me deu gás para tentar outros “cliff jumps” pela viagem, mas claro que o tiozão atrapalhado aqui caiu meio torto na água e machucou o braço, coisa de velho querendo se enturmar. 

Enquanto a Marina brincava de Rose..
…eu me tremia todo antes do pulo

Mais triste que minha queda da embarcação foi o que eu vi quando voltei a bordo: a jacuzzi grande e sensual que ficava na parte baixa, quase no mar, estava lotada. Cheia. Entupida. De homens. E eu tenho quase certeza que 80% deles eram héteros e estavam apenas esperando algo de erótico rolar ali. Uma verdadeira sopa de testosterona, testículos, álcool e falta de dignidade. Obviamente nenhuma mulher do grupo quis entrar ali. 

Brasil e Índia

A noite de ano novo veio, passou e nós acordamos com uma leve ressaca e uma nova amizade com um divertido grupo de indianos. O segundo (e último) dia do passeio também foi arruinado pelo clima glacial, e olha, poderia ter sido incrível. Digo isso porque passamos o dia e a noite em um alojamento em uma mini-ilha particular no meio da loucura visual que é Ha Long Bay. Um lugar escondido, recluso, com direito a praias exclusivas, rede de vôlei, churrasqueira e até uma bolinha de futebol para os mais talentosos. Teria sido incrível com sol e calor, mas o universo nos mandou um céu com cor de TV sem sinal e ventos dignos da região mais hiperbórea da Suécia. Aproveitamos a praia com nossos casacos de neve, que compramos para usar no Nepal. Você sabe que um dia é triste quando nem a vontade de tomar cerveja aparece. Mas foi bom, mesmo não sendo incrível. 

A ilhazinha particular
E como curtimos ela

Depois disso o que nos restou foi voltar para Hanói. Até tínhamos planos de explorar mais algum outro ponto do país, mas resolvemos aproveitar bem a capital, comer umas coisas diferentes e economizar um pouco. Ficamos naquela efervescência maluca de motos, luzes e gente do mundo todo. Hanói é demais.

As estranhezas de Ha Long Bay

Tínhamos prazo para sair do país, pois precisávamos partir para o Camboja, onde fizemos trabalho voluntário e eu finalmente pude espalhar minha ideologia anarquista para pequenas mentes em formação (dei aula de inglês). Na verdade estava bem nervoso quanto a esse capítulo da nossa viagem, mas isso é assunto para um próximo post. 

Beijos quentes

Um comentário em “Vietnã ou o tiozão em Ha Long Bay

  1. Hahahahaha… como não rir: Adrenalina Juvenil, Sopa de testosterona… e minha linda “Rose” brisando no convés… amando tudo!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s