Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 2

Nossa galerinha

Do rio mais lamacento e da pradaria mais poeirenta surge, como um bálsamo para dias difíceis, mais um capítulo deste blog sobre o Camboja. Pode respirar aliviado(a), limpar a lágrima que escorreu nesse rostinho lindo e comece a ler. 

No post anterior falei sobre como era a vila, a escola em que ficávamos e o potencial de destruição dos nosso “alunos”. Agora vou falar mais sobre nosso dia a dia lá. Para os que perderam a parte 1, clique aqui.

Nossa rotina era mais ou menos a seguinte: acordávamos umas 7 da matina, tomávamos café e das 8 às 10 dávamos aula pra turma da manhã. Essa era a molecada mais carente, os que dormiam lá pois a situação em casa era extrema (pais alcoólatras, falta de comida, falta de água, etc…). Eles não iam para a escola pública da vila e se ficassem em casa teriam que trabalhar. Eram um pouco mais “atrasados” que o resto das crianças em inglês e bem distraídos, mas no fim acabamos nos apegando muito a eles, afinal estavam sempre lá com a gente (para o bem e para o mal). 

Parte da turma “da manhã”

Depois disso tínhamos um tempo de brincadeira e almoçávamos (as crianças também, o Rady alimenta as que ficam por lá). Depois, das 2 às 4, começava a turma da tarde, uma classe bem mais cheia, formada por toda criançada que chegava da aula na escola pública. Normalmente essa classe fluía melhor, apesar de ter mais bagunça. Meu Deus, como é difícil ensinar. E como é difícil ensinar sem ter uma língua base em comum. Passar conceitos é quase impossível. Às vezes o Rady nos ajudava, mas normalmente nossas aulas eram pautadas em vocabulário, coisas que conseguíamos transmitir com desenhos e mímicas. Certa vez tentei mostrar o mapa-múndi para elas e parecia que eu estava falando da teoria da relatividade. Quando tentamos ensinar os conceitos de “hoje, ontem e amanhã” também. Ser professor é saber lidar com a frustração. Aliás é muito legal quando você vê uma criança aprendendo algo que ela tinha dificuldade de assimilar, mas eu não tenho a paciência nem a nobreza para passar muitas vezes por esse processo, eu curtia os que pegavam tudo mais rápido. Um salve para os verdadeiros professores do mundo.

Depois dessa aula tinha mais um momento de brincadeira, normalmente eu jogava bola com as crianças, ou melhor, jogava a versão kamikaze de futebol que elas praticam. Até em mim elas davam carrinho e porrada, pensem em um jogo com raça.

A porrada comia solta nesses jogos de fim de tarde

Mesmo que tentássemos ficar tranquilos e, por exemplo, ler um pouco, não dava. A molecada estava sempre animada e eles precisavam de muita atenção. Aparecer com o celular em público era o mesmo que aparecer pintado de ouro e com duas bolas de sorvete na cabeça – o pessoal voava em cima.

Após a última bagunça do dia era banho e cama.

Mas calma lá, e o banho? Bom, até tinha um chuveiro, mas a pressão da água era a mesma do xixi do meu avô quando ele tinha 87 anos. Não dava nem pra molhar o cabelo. O que restava era usar uma torneira secundária e se virar no banho de canequinha. O toalete também não tinha descarga, claro. Era tudo na base do baldinho. As crianças eram bem encardidas, com problemas de pele e piolho, mas adoravam tomar banho, mesmo que não o fizessem “direito” (elas só se molhavam), pois em casa elas não tinham água assim. Nunca pensei que um chuveiro pudesse simbolizar tanto distanciamento social. Certo dia compramos suprimentos de higiene para todos, ensinamos a escovar os dentes e demos um banho bem dado na turma, com shampoo e tudo. Eles adoraram. 

Aparato novo em mãos

Enfim, a semana seguia mais ou menos assim, com nossas aulas um pouco desajeitadas no começo, mas depois em um bom ritmo. Eu era meio maníaco e queria deixar tudo preparado, mas depois saquei que além das aulas estávamos lá por outros motivos também, e nem sempre a classe iria prestar atenção ou entender completamente a matéria.

O tempo todo seguiu mais ou menos como o descrito, muita atenção para as crianças, um pouco de falta de paciência em dados momentos, nenhum ou pouco espaço privado e uma tremenda raiva de ter perdido tempo com a porra de uma série chamada Mansão Hill ou algo assim. 

Fizemos uma vaquinha para a escola, que foi um sucesso (garantiu um poço novo de água e um terreno para plantio)  e um baita esforço de criação de conteúdo da Má. Aliás ela que fez tudo dar certo. Parabéns pra ela e muito obrigado pra quem ajudou de alguma forma! A Marina também pegou piolho das crianças, informação importante. 

No fim aprendi a lidar melhor com a carência da meninada e já abraçava todos sem parecer um robô de outro planeta. Mais uma conquista dessa experiência. 

As crianças agradecendo a quem doou

Fora aulas, brincadeiras, jogos de bola e etc… ainda fomos convidados pra dois casamentos, cada um em uma semana. Aliás de Novembro a Março é temporada de casamentos no Camboja, pois depois todo mundo tem que trabalhar nas plantações de arroz. O primeiro casório não foi notável, ficamos pouco e depois fomos tomar uma com a família do Rady em uma espécie de piquenique em um terreno em frente de onde ele morou quando criança. Essa parte foi gostosa, tomamos umas cervejas com uns cambojanos e não entendi nada da conversa deles. Também não parava de chegar gente, era pessoa saindo do mato, pessoa chegando de moto, de bicicleta, etc… uma noite interessante. Foi lá que nos ensinaram que toda vez que alguém vai beber é necessário brindar. Toda vez. TODA. É legal no começo, mas depois enche o saco. Não sei se isso é costume mesmo ou eles estavam zoando com a gente.

Eu fui de calça de trilha e tênis no casamento. E eu ainda me arrumei para esse

O segundo casamento aconteceu no vizinho da escola. Foi aí que descobrimos que as festas duram mais de um dia aqui, e que o som da cerimônia começa 5 da manhã, uma beleza. E a vila pode ser a mais pobre do mundo, mas aqui eles não economizam em som não. São umas 15 caixas gigantes empilhadas uma em cima da outra, como uma montanha de decibéis e ódio. E eles não deixam o volume moderado, é aquele volume tão alto que estoura tudo. Ninguém tá nem aí pra qualidade, o negócio é propagar o som pelo mundo. Música de festa, música de cerimônia, discurso dos sacerdotes, tudo passa por essas caixas da destruição. Foram dois dias seguidos com música no último volume desde a madrugada. Pelo menos aproveitamos mais esse casamento. Vi de perto a bagunça que é a festa. Realmente um evento comunitário, com a vila toda se juntando, comendo, crianças correndo, bichos passeando no meio de tudo, poeira, etc… um caos dos mais divertidos. Inclusive sequestraram a Marina pra colocá-la em um vestido e maquiagem tradicionais. O problema é que enquanto ela estava nesse processo um molequinho muito pentelho (nunca tinha visto antes) grudou em mim. Toda paciência que tive com os alunos não tive com ele e quase joguei o figura no fosso (errado demais, eu sei. Desculpe criança pentelha). Essa festa ainda aconteceu na nossa última noite lá, então os alunos pediram pra dançar com a gente. Foi uma cena engraçada (para não dizer outra coisa), baita technera rolando, um monte de criança correndo e se jogando na terra e eu e a Marina no meio. Isso em um casamento numa vila Khmer no meio do Camboja rural. A vida pode ser lindamente aleatória às vezes.

Marina trabalhada no tradicional e eu…bem..melhor deixar pra lá
Bagunça na rave casamento

Fora nossa vida no campo ficamos uns 4 dias em Siem Reap, uma cidade bem gostosa e barata pra se embriagar. Achei chopp por 2 reais. 

As ruínas são demais 1

Claro que visitamos o Angkor Wat e outros templos do complexo de ruínas. Uma experiência inesquecível para quem gosta desse tipo de coisa. Templos budistas e hindus “mais antigos que o Brasil”. Muitos sendo devorados pela natureza. Visual incrível e ainda mais legal se você é familiar com Uncharted, Tomb Raider e Indiana Jones. Fomos dois dias para o complexo, um de bicicleta (quase morremos com o calor) e outro de moto. Recomendo fortemente. Se você não tem muita noção do que estou falando dê um Google.

As ruínas são demais 2

Nosso dias por lá também foram marcados pelo encontro com um casal de amigos, o pessoal do @gemeosnamlchila. Família incrível que viaja na maior parceria. São mais incríveis ainda pois acharam no mercado local uma peça gigante de mozzarella, e meus amigos, vocês não sabem como um queijo bom faz falta depois de muito tempo de Ásia, mesmo que um “simples” mozzarella. 

Molecada vai deixar saudades

Recomendo que vejam os destaques do Instagram da Marina (@sejogaai) para entender melhor sobre nosso tempo no voluntariado, a história do Rady e até do Camboja no geral. 

Boa semana, não assassinem quem não mereça.

Beijos quentes.

4 comentários em “Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 2

  1. Adorei o tributo aos professores. Não tinha visto a Marina embrulhada pra presente… Linda!
    Quanto ao par… :))

  2. Perfeito! excelente texto do meu escritor preferido. Fico relendo e cada vez fico mais encantada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s