Filipinas e o capítulo em que nada muito interessante acontece

Olá, corajosos e corajosas.


Espero que tenham todos sobrevividos a mais uma semana nesse mar tempestuoso chamado vida que enfrentamos em uma canoa frágil e prestes a afundar. Espero que os tubarões da realidade não tenham abocanhado nenhum de vocês. Caso isso tenha acontecido, tenho esperança que você encontre conforto nos braços de uma pessoa amada e/ou em um copo de bebida. Mas, se nada disso funcionou, aí sim eu recomendo você ler esse blog para tentar se distrair. Mas tenha certeza que não tem nada de melhor para fazer antes. 

Andando pelas Filipinas dá para encontrar uns fortes perdidos

Esse relato continua exatamente de onde o anterior parou, no momento que, ainda na ilha de Cebu, nos despedíamos (junto com nossos companheiros Ed e Enzo) de Moalboal para ir em direção a Bohol. Que é… isso mesmo, outra ilha. Filipinas parece um pedaço de terra que foi estilhaçado a pisadas por um ser gigantesco. Nada é conectado, tudo é cortado por distâncias pequenas, porém irritantes, de água salgada. Dava saudades de um país continental como o Brasil. 

Chegar em Bohol, como chegar em qualquer lugar nas Filipinas, foi uma tarefa cansativa. Pegamos um ônibus apertado até Oslob (cerca de duas horas de viagem), embarcamos em uma balsa em um mar agitado e enfrentamos mais duas horas de pessoas passando mal ao nosso lado. Quase fui vítima de uma senhora asiática que invocou suas tripas ali mesmo. E aí teve mais um tuktuk, claro, quando finalmente mudamos de ilha. Entre tempo de transporte e tempo de espera foi-se um dia inteiro nessa jornada maluca. Um exercício cansativo e que nos deixou, com o perdão da palavra, com o saco na lua.

Chocolate Hills em Bohol

Apesar de termos ficado quatro noites em Bohol, quase não fizemos nada por lá, e nem acho que tem tanto assim o que fazer (o que provavelmente é uma afirmação errônea de quem não aproveitou muito bem o lugar, se for para lá pesquise melhor invés de confiar em mim). Ficamos perto de Alona Beach, região que parece prestes a virar um paraíso de resorts, principalmente para turistas coreanos. Não sei a razão disso, pois não achei as atrações tão espetaculares quanto as encontradas em outras ilhas. Claro, são lugares bonitos, não estou dizendo que são feios como a praia da Enseada pós festa de réveillon, mas como estávamos vindo de verdadeiros paraísos o “bonito” ficou um pouco sem graça. 

Para ser justo, nosso cansaço mental, já mencionado no post anterior, nos acompanhou até Bohol, e aliado ao seu melhor amigo, o cansaço físico, nos transformou em uma pilha de trapos humanos. Estávamos em estado de ressaca perpétua. Era tanta preguiça que sair do quarto do hotel era tão cansativo quanto uma maratona. Sim, eu sei, é muita frescura para quem estava viajando o mundo, mas acontece, fazer o que. 

Claro, não foram dias completamente inúteis. Saímos da cama (com esforço), conhecemos, comemos, respiramos, comemos e também comemos mais um pouco. 

Dentre essas atividades o maior destaque foi um tour pelo interior da ilha, em que passamos por diversos pontos diferentes ao longo do dia. Adorei conhecer o Tarsius, um bicho nativo de uma parte específica do sudeste asiático que é totalmente único. Ele tem olhos grandes como de mangás (quadrinho japonês), dedinhos pequenos e um rabo duro e asqueroso. Parece um esquilo que deu errado. E tem mais, se você fizer muito barulho ele comete suicídio batendo a cabeça sem parar contra o tronco de árvores. Pensa em um bicho que precisa de mais tratamento psicológico que a sua prima que acabou de anunciar para a família toda que só “se alimenta de luz” . É o Tarsius.

Tarsius

Outro ponto de Bohol que queríamos conhecer eram as famosas Chocolate Hills, cartão postal da ilha. Uma série de colinas arredondadas, de formato e tamanho similares, que formam uma paisagem magnífica. Vimos o pôr do sol lá e foi bacana, mas acho que todo mundo presente achou mais legal do que eu. Talvez eu esteja cada vez mais velho e ranzinza, o que é bem provável. Gosto de pensar que meu “animal espiritual” é um senhor de 75 anos preso em um ciclo sem fim na fila do INSS.

Também passamos pelo Rio Loboc, o mais famoso da ilha, que tem uma bela água cor de esmeralda. Mas foi só, passamos por cima dele em uma ponte e depois mal o vi de novo.

O rio Loboc

Enfim, Bohol foi praticamente isso. Quer dizer, teve mais um passeio de certo destaque, um passeio tristíssimo em que o objetivo era ver vagalumes que ficam em árvores à beira do rio, obviamente durante a noite. O passeio tinha potencial, supostamente seria um espetáculo lindo e onírico, mas o lugar era longe, uns chineses do nosso grupo atrasaram o tour e chegando lá vimos que era melhor eu ter subido na árvore com uma lanterna presa às nádegas do que o “show” que os vagalumes deram. Faria mais luz e com certeza seria um entretenimento de melhor qualidade. Não sei se pegamos um dia ruim ou se é sempre assim, mas não deu pra ver nada, só ficamos rondando com o barco no escuro enquanto éramos agraciados por um acalentador cheiro de diesel. Foi horrível.

E por fim retornamos à Cebu. Nos despedimos, agora sim, dos nossos divertidos companheiros brasileiros e voltamos a ser apenas eu e a Má na viagem. Que sentimento gostoso.

Novamente, nada contra outras pessoas, mas foi revigorante voltarmos ao modo “natural” da nossa jornada. Eu e Marina contra o mundo. Mais livres para escolher, para ir e vir e, principalmente, para errar. 

Pegamos uma balsa para a horrenda Cebu City logo às 6 da manhã, pois nosso dia seria longo. Precisávamos fazer uma porção de coisas que no fim descobrimos serem inúteis, ou seja, logo cometemos um ato clássico da dupla: desperdiçar muito tempo e algum dinheiro em um lugar tosco. Nós realmente estávamos de volta!  

Aliás vou até detalhar essa nossa peripécia, que é bem vergonhosa, já adianto. Quando entramos nas Filipinas olhamos o carimbo de nossos passaportes e achamos que só teríamos 30 dias no país. Baita injustiça, já que brasileiros podem ficar 59 dias sem visto nessa terra de ilhas abençoadas. E o pior, nós ficaríamos 31 dias ao todo por lá e ficamos com medo de algum agente da imigração encrencar conosco por apenas 1 dia de excesso, por isso decidimos passar em um escritório da imigração filipina, em Cebu, para resolver essa patavina. Bom, após pegar a balsa achamos um escritório e nos deslocamos do porto até ele em um dia cinza e chuvoso, esperamos o escritório abrir e fomos quase os primeiros a serem atendidos para… para… bem, para o funcionário que nos atendeu falar em menos de 1 minuto que nossa situação estava OK. 

Como assim OK, meu chapa? Nós tínhamos olhado diversas vezes aqueles passaportes e tínhamos certeza do problema. Era só observar que nosso tempo máximo de estadia estava marcado para 22 de Março e…. E foi aí que nosso mundo ruiu e nos tocamos que ainda estávamos em Fevereiro e que sairíamos em 23 de Fevereiro do país. O oficial da imigração tinha nos dado 59 dias de estadia, mas por alguma birutice coletiva nós dois deletamos um mês inteiro de nossas mentes e já achávamos que estávamos em Março, o que atrapalhou a “complexa” conta de subtração que fizemos para calcular nosso tempo de estadia. Foi vergonhoso. Foi irritante. Único ponto positivo foi não ter que enfrentar nenhum trâmite burocrático, mas “só”.

Uma foto bonita para vocês esquecerem nossas burradas

Fora que o funcionário do escritório ainda nos deu um olhar que era um misto de dó com preocupação, meio que duvidando das nossas capacidades cognitivas. Pior que eu nem posso culpar ele. 

Só nos restava comemorar (ou lamentar) e continuar com o itinerário do dia.

Depois dessa epopeia da burrice pegamos um ônibus de umas 5 horas até Maia, extremo norte da ilha de Cebu, onde aí sim iríamos pegar uma balsa até Malapascua, uma pitoresca ilha entre Cebu e Leyte, nosso último destino nas Filipinas. 

Segurem-se pois os relatos das Filipinas estão acabando. Depois de Malapascua, a terra do pôr do sol que nunca decepciona, já chega a Austrália. 

Até a próxima e, claro, beijos quentes.

Filipinas ou a fênix da decepção ou nosso tempo em Coron e Moalboal

Post atrasado tem que abrir com foto bonita de Moalboal

Olá, turma.

Não, ainda não fiz como os mais sábios que desistem de tudo pois sabem que nem adianta tentar. Apenas atrasei uns bons dias a atualização deste espaço virtual porque fui capturado pelo rodamoinho lamacento que é a vida. Contas, trabalho, apostas no jogo do bicho, o tipo de coisa que toma o tempo do cidadão brasileiro. Mas agora estou de volta, pronto para decepcionar vocês e me decepcionar também, com um post curto apenas para aquecer os motores deste calhambeque enferrujado movido a bobagens. 

No texto passado contei sobre nossas desventuras no alto mar filipino. Foram dias de sol, água e higiene pessoal debilitada. Ou seja, valeu a pena

Depois que a expedição com a TAO terminou desembarcamos em Coron, outra ilha que faz parte do país. Uma ilha média que fica cercada por ilhotas menores, pequenos paraísos próximos. Coisa de outro mundo mesmo. Filipinas é um país lindo, dos mais lindos que já vi na vida, mas o espetáculo que presenciamos ao fazer um passeio por Coron ganha de quase tudo que vimos nesse tesouro do pacífico. 

Aliás Coron é o nome da cidade, não sei se o nome da ilha, talvez seja. O caso é que é uma cidade bem da simpática. Mais acessível e menos lotada que El Nido, pelo menos no pouco tempo que ficamos por lá. 

Sair da nossa vida marítima foi bom, finalmente tomamos um banho decente, comemos pizza e, no dia seguinte, nosso único inteiro lá, fizemos um passeio privado (ainda com nossa gangue de brasileiros) para uma série de praias além do canal de Coron, local onde venta muito e o mar fica mais arredio. Não foi fácil fazer a travessia, na ida ficamos um pouco tensos pois até a tripulação do nosso barquinho estava nervosa, quando vi até o capitão colocando colete salva-vidas eu tive certeza de que iríamos afundar, afinal um velho lobo do mar filipino não deveria se assustar com nada. Deu tudo certo. Depois, na volta, navegamos enfrentando ondas grandes que castigaram o barco e nos molharam muito, mas apenas rimos da situação. Coisa de brasileiro tonto mesmo, pois depois encontrei europeus que fizeram o mesmo passeio e estavam horrorizados com as condições. Já que é para morrer, melhor morrer se divertindo.

E como já adiantei ali em cima no texto, as praias que conhecemos nesse passeio são de outro planeta. Mesmo após a TAO, que elevou o sarrafo de “beleza praiana” nas nossas vidas, posso dizer que essas ilhas foram alguns dos lugares mais belos que já vi. Outra coisa que fez a nossa quase morte valer a pena. 

Se alguém quiser dar um Google, pesquise por  Bulog Dos. Uma pintura turquesa e amarela no meio do oceano arredio. Com águas mornas e calmas e muita vida em volta, é, sinceramente, um dos mais incríveis espetáculos visuais que esses cansados olhos já presenciaram. E olha que eu já vi meu tio Glauber dançar na festa do Havaí de 2002 vestido de Carmem Miranda. É um  lugar para amarrar uma rede, ler um livro, tomar uma cerveja e ser feliz. 

E essa não foi a única praia de cair o queixo que visitamos, passamos por mais uma belezura chamada Malcapuya, outro espetáculo da natureza que estava vazio quando chegamos e que após um breve mergulho na água foi tomada por hordas ensandecidas de turistas. Tudo bem, mesmo assim aproveitamos demais o dia.

Marina em um banco de areia pra lá de bonito

E nosso tempo em Coron foi esse, uma noite de pizza, um dia de passeio e umas cervejas para desbaratinar a mente no entardecer. Depois já tínhamos compromisso marcado em outros locais filipinos, mas me arrependo demais de não ter passado mais tempo em um lugar tão incrível e com um clima tão gostoso. 

De Coron fomos, de avião, para Cebu, outra ilha grande nas Filipinas. Ficamos um dia em Cebu City, que é um dos lugares mais desagradáveis que já conheci (e olha que eu conheço Salto), e depois partimos (junto com nossos amigos brasileiros) para a parte sudoeste da ilha, em direção a Moalboal. Isso em um ônibus de 4 horas mais apertado que a casa da sua tia acumuladora que não consegue parar de comprar produtos Polishop. 

Chegamos e achamos um McDonalds. E lá se foi o resto da tarde, jogando cartas e comendo frituras. Nada como aproveitar bem um lugar lindo como as Filipinas.

Olha a cor da água da cachoeira

Moalboal não tem muito o que fazer. Quer dizer,  tem as famosas cachoeiras Kawasan, o mergulho com as sardinhas, umas praias locais (uma bem bonita) e o passeio que envolve pegar um ônibus de duas horas até Oslob para mergulhar entre um milhão de pessoas e ver um tubarão-baleia semi-domesticado com uma eterna expressão de socorro nos olhos.

Dessas opções só fomos até a cachoeira, lugar incrível e lindo, me surpreendeu pois achei que seria mais cheia de gente e menos espetacular. Ela tinha vários andares, água azul turquesa e ainda fiz mais uns cliff jumps lá, dessa vez de 11 e 14 metros. Legal pra caramba. Acho que daqui a pouco alguém já começa a me chamar de “Homem-Aranha brasileiro”, quem sabe.

Moalboal foi ainda o lugar onde nossa turma brasileira cresceu exponencialmente. Encontramos amigos que já tínhamos visto na Tailândia, conhecemos gente nova e arrastamos o Ed e o Enzo para a galera. Foi uma bela de uma farofada lá na cachoeira. Como é bom fazer uma muvuca com nossos conterrâneos. Como eu disse, fora conhecer as Kawasan Falls esse não foi um ponto de muitas emoções, mas só de estar com pessoas bacanas valeu a pena. 

Brasileirada se locomovendo

Último ponto de destaque de Moalboal é que por lá alugamos uma motinho bem da fuleira, que nem chave tinha. Para andar só com ligação direta. Mas como foi bom ficar livre e poder explorar a região em um veículo digno de algum filme do Mad Max, foi mais um capítulo na minha recente história a lá Sons of Anarchy. 

Nossa motinho guerreira deu problema

E foi isso.

Esse foi um capítulo que cobriu muitos dias incríveis em que nós não estávamos com um humor tão incrível assim. Talvez até normal após quase 7 meses no caos da Ásia (gosto muito, mas cansa) e muitos dias com outros viajantes. É bem legal achar um grupo, é mesmo, mas eu já estava começando a sentir falta do nosso esquema mais ágil e privado em dupla – eu e Marina, os patetas, contra o mundo. 

Última fotinho para lembrar como o país é bonito

Nosso tempo nas Filipinas estava acabando, mas depois visitamos alguns lugares sobre qual vale escrever uma palavra ou duas, por isso tem mais texto pela frente. 

Beijos quentes

Filipinas ou o capítulo da exploração marítima (TAO)

O tipo de lugar em que dormimos nas Filipinas

Sejam bem-vindos meus queridos companheiros de sofrimento. Colegas de assento nesse ônibus desenfreado que é a vida. Enquanto nossa parada final não chega deixo vocês com mais um amontoado de palavras para entorpecer a alma e, com muita sorte, trazer um sorriso para esses belos rostos.

Terminei o último texto quando chegamos em El Nido, uma cidade bem turística ao norte da ilha de Palawan. Supostamente um lugar incrível, um dos mais bonitos do mundo e etc… Acho que exploramos a região de “forma errada”, pois não achei El Nido tudo isso. Calma lá, claro que é um lugar lindo, mas nosso parâmetro para coisas bonitas já estava bem alto (e ainda aumentaria depois de El Nido), mas não me surpreendi tanto e desconfio que a culpa disso caí no ombro das hordas de turistas que assombram o lugar. Para ser justo, tivemos um único dia bem gostoso por lá – foi quando alugamos uma scooter e deslizamos por estradinhas à beira-mar até praias afastadas. Estar na estrada em um dia de sol enquanto desbravando vilas locais e passando por trilhas de terra/areia foi incrível. Um daqueles momentos da viagem de uma pulsante sensação de liberdade. Talvez a perpetuação do espírito “motoqueiro” que surgiu em mim no Vietnã. Claro, vale lembrar que tudo isso foi feito a menos de 80 km/h em uma motinho com a potência de um secador de cabelo, mas até o Motoqueiro Fantasma começou de baixo, então está valendo. 

Vai, pode rir, mas que é legal explorar uns países do sudeste asiático de motinho, é sim. 

Nuli Beach

Aliás nesse dia visitamos três praias diferentes. Na primeira, Nuli Beach, populada por surfistas, tive um encontro com um filipino que surgiu como um fantasma de umas pedras com uma arma (que parecia um arpão) na mão. Foi uma verdadeira aparição, como se um fantasma do universo de Waterworld estivesse se comunicando comigo. Ele se teletransportou para um lado da praia que só tinha eu (o lugar estava bem vazio), fez o movimento universal de “joia”em minha direção e desapareceu novamente. Certeza que foi algum Deus local dando seu aval para minha nova fase motoqueira. Obrigado, nobre espírito. 

Em uma das outras praias que visitamos, Nacpan, a Marina tomou um caldo incrível que está registrado em vídeo, recomendo conferir o Instagram do @sejogaai. Essa era uma praia mais cheia, mais “da modinha”, com diversos turistas sendo servidos em seus guarda-sóis a todo momento por Jarbas filipinos desesperados por uns dólares. Tinha potencial para ser o local mais bonito que visitamos no dia, mas o excesso de europeus estragou um pouco a mágica do lugar. Mesmo assim valeu a pena a visita, principalmente para ver a Marina quase ser levada por Netuno (não que eu gostaria que ela fosse embora para as profundezas, pelo amor de deus, é que foi engraçado mesmo). 

E na última praia visitada, a mais perto da cidade e do nosso hotel, curtimos um pôr do sol maravilhoso. Olha, não foi nada mal para um segunda-feira. Oras, como eu sei que era segunda-feira? Porque eu me lembro claramente de olhar, com o vento na cara, o sol já cansado no horizonte enquanto passávamos por uma estrada lotada de coqueiros e pensar “coitado de quem nunca começou uma semana assim”.

Pôr do sol na praia que esqueci o nome

No nosso outro dia em El Nido fizemos um dos famosos tours que tem por lá. Eles dividem as atrações por tours chamados de A,B,C e D. Sei lá se tem o tour E. Sei que fizemos o tour C, um dos mais recomendados, e foi bem mais ou menos. Visitamos lugares espetaculares, mas que estavam sempre cheios. Não dava pra admirar a paisagem com 376363 turistas por todos os lados. Nesse dia vi mais turista que mar. Longe de mim dizer que foi um dia ruim, mas de novo, perto do que já tínhamos passado (e ainda passaríamos), não foi espetacular. 

Bangalôs da TAO

E nesse mesmo dia tivemos nosso encontro introdutório para a TAO. 

Mas o que é TAO? Uma unidade internacional de espionagem? Uma seita secreta de surfistas motoqueiros? Um festival de música focado apenas na marimba? 

Não. Nada disso. Calma, eu explico.

TAO Experience é uma expedição. Ou um “mega passeio”. Algo nesses moldes. O que acontece é: essa empresa, a TAO, faz um tour de barco entre Palawan e Coron (grandes ilhas Filipinas) de 5 dias. Nesse meio tempo essa expedição para em diversas ilhotas pelo caminho e os participantes conhecem e dormem em lugares paradisíacos e “desertos”. Resumindo, é um baita negócio legal. E a nossa expedição partiria no dia seguinte, mas antes precisávamos participar desse encontro para acertar detalhes pendentes, conhecer os outros membros e falar com a tripulação. É tudo muito bem organizado e explicado. Vale a pena.

O grupo do nosso barco era bem diverso. Cerca de 20 pessoas de várias idades e países diferentes. Alguns tiozões holandeses, jovens australianos, umas canadenses, uns senhores ingleses e, claro, os brasileiros. Nós éramos seis, eu, a Marina e o Edgar e o Enzo, que já sabíamos que encontraríamos lá, e de lambuja conhecemos mais dois, a Nat e o Pedro.  E brasileiro tem aquele negócio: é cheio das panelinhas. Nós, cansados de interagir só com gringos, abraçamos o “grupinho” com felicidade. Não que não conversássemos com outras pessoas, longe disso, mas é bom dar uma papeada em português de vez em quando.

Naufrágio

A expedição em si foi surreal, vou resumir um pouco toda a experiência. Foi uma sensação incrível de desbravar ilhas Filipinas, fazer snorkels inesquecíveis, conhecer praias de água cristalina e areia branca, fazer cliff jumps de 10 metros, nadar com navios afundados da segunda guerra e dormir (quase) sob o luar em paraísos perdidos. Foram tantos locais bonitos que ficamos até anestesiados. Sério, é triste isso, mas até praias lindas podem virar rotina e o espetacular virar normal. Talvez isso tenha sido um indicador que nossas vidas estavam legais demais e o “foda” estava sendo a média de nossas experiências. Ou talvez fosse um indicador que nós já estávamos mortos por dentro e nem o mais belo canto do nosso planeta poderia nos emocionar. Talvez eu seja mais compatível com a segunda opção, mas a Marina não tem essa alma negra, então não sei qual a resposta correta.

Pôr do sol em uma ilha deserta

No fim a TAO é uma experiência rústica, mas sem ter são rústica. Você passa perrengues como dormir em cabaninhas de bambu ao relento, tomar banho de canequinha, ficar o dia no barco, estar sempre molhado e ter pouca roupa disponível. Mas, ao mesmo tempo, tem toda uma tripulação trabalhando para você, base camps com o mínimo de estrutura possível e comida e bebidas a quase toda hora (pelo menos bebidas). Vale a pena. Vale ainda mais se acontecer de você passar seu aniversário em uma praia surreal e com um naufrágio japonês ali perto, esperando para ser visitado. Foi o que aconteceu comigo e foi foda, mas não sei se é tão foda quanto aquele churrasco que termina com o choro de um velho amigo e o vômito de outro. Amizades realmente importam, veja só.

Deixo aqui a dúvida no ar e algum outro caro companheiro que passar o aniversário nas Filipinas pode responder de uma vez por todas o que é melhor: ilha perdida ou churrasco com Crystal?

Todos os brasileiros, menos eu, passaram mal antes ou durante a expedição (a Má passou logo no primeiro dia, mas melhorou), então nosso grupo estava sempre cambaleante durante curtição. Salientei esse ponto apenas reforçar que não sou chamado de “Wolverine brasileiro” à toa. Juro, muitas pessoas me chamam assim.

Puxei esse assunto relacionado à comida e as nossas sensibilidades gastro-intestinais pois esse foi um tópico que, principalmente durante a TAO, foi razão de um pico de ufanismo e saudades do Brasil. Acho que o excesso de peixe e vegetais, fora certo desgaste normal da viagem, me fizeram sentir saudades de qualquer comida do Brasil. Churrasco, coxinha, requeijão, brigadeiro, pão na chapa. Até aquele bife duro do quilo mais barato perto do trabalho, tudo deu saudades. Aliás, acho que você, senhor privilegiado por poder comer um arroz com feijão e farofa a hora que quiser, deveria valorizar mais a comida brasileira no geral. Durante meus tempos de reflexão marítima tentei tecer uma teoria do porquê nossa culinária é a melhor do mundo, mas percebi que não tenho argumentos suficientes para provar com fatos o que eu sei que é verdade dentro do meu coração. Meu único argumento é: confia em mim que eu sei do que estou falando. Comida brasileira é foda.

E digo mais, podem me oferecer qualquer café da manhã gringo do mundo, sei que tem muito leitor aqui que é fã de um bacon com ovos ou um “english breakfast”, mas vocês me desculpem, nada é melhor que o velho pão na chapa e o misto da padaria, daqueles que já carregam o gosto de tudo que passou na chapa durante a semana. Isso mais um Nescau gelado ou um pingado é imbatível. Estou aberto a embates públicos com qualquer um que queira me refutar. Embates físicos e/ou orais, que fique claro

Outro ponto onde o ufanismo apertou o calo durante nossa expedição foi em relação a comunicação com europeus no geral.

Peguei um certo ranço dos gringos durante esse período, sempre se maravilhando por tudo, com uma ingenuidade e humor um pouco “bobos”. Sei que isso é tolice e provavelmente um reflexo de como precisávamos de um descanso, afinal conseguir se maravilhar é algo legal e que deve ser valorizado. Mas, como estávamos com nosso humor mais sombrio, preferimos o cinismo e a inigualável capacidade brasileira de criticar tudo. Juro que isso está curado agora.

Galera da TAO!

E, para completar as observações sobre a TAO, ficam os dois últimos destaques: o lechon mal cozinhado que quase nos matou e Brett, o explorer. O lechon nada mais era que um porco no rolete que a tripulação resolveu fazer como surpresa pros membros da expedição, mas deixaram apenas duas horas em uma brasa baixa e o bicho estava completamente cru. Foi bem no último dia e nosso desejo por carne foi apenas iludido por esse leitão maldito. Quanta decepção. Brett, por sua vez, era um australiano ímpar com um sotaque mais ímpar ainda. Um homem de meia idade, corpulento e meio gordinho, que se vestia como um explorador. Ele gostava de se envolver nas atividades da tripulação (tipo ajudar eles a cozinhar, o que é bem legal da parte dele) e ficava de forma bizarra sempre pelos cantos, nunca realmente interagia com o resto do pessoal. Na noite que fizemos uma fogueira, por exemplo, estava lá um grupo trocando ideia perto do fogo numa boa, do nada uma luz se acendeu na escuridão, todos nos assustamos com uma intervenção tão impactante vinda das sombras. Era o Brett, sentado sozinho. Ele resolveu ligar sua lanterna, ir até o fogo, revirar uns pauzinhos para atiçar as chamas e aí o que? Invés de ficar com a galera conversando ele voltou pro seu canto escuro, sentou e apagou as luzes. Foi dramático e foi lindo, quase como o Batman sendo abraçado pelas trevas. Brett, seu doce príncipe, nunca mude. 

Nossa fiel embarcação durante esses dias

Foram 5 dias inesquecíveis com a TAO. A aventura de uma vida, mesmo. Meu único arrependimento é saber que fizemos uma coisa tão incrível com um humor não tão incrível assim. Estávamos um pouco cansados e abalados por experiências recentes, com a mente a mil por hora e a alma um pouco envenenada. Mesmo assim foi incrível, mas eu explico melhor essa nossa condição “estranha” no próximo post.

Beijos Quentes

Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 1

Pôr do sol nos campos da vila

Do calor, da sujeira e da poeira eis que surge mais um episódio de alegria em suas vidas. Sim, amigos, está começando mais um capítulo do blog mais exclusivo do Brasil

Esse relato é sobre a experiência mais impactante que tivemos no ano, quem sabe na vida. Falando em ano, como está o seu até agora? Sei que no mínimo está sendo agitado, pois o mundo parece uma bagunça no geral. Mas não aquela baguncinha agradável, aquela baguncinha que começa como um churrasco despretensioso e termina com um nível muito além do recomendado de Velho Barreiro consumido, “Coração Sertanejo” no som e um revival da banheira do Gugu na piscina. Não. As coisas estão mais pro estilo “o tio voltou bêbado de novo do forró e está violento” de bagunça. Nada agradável. 

Será que algum lugar do mundo está legal no momento? Quer dizer, eu  passei por vários lugares legais, não tenho do que reclamar, mas eu não moro neles e sei que a maioria (senão todos) tem sérios problemas socioeconômicos. Vira e mexe me sinto culpado por estar visitando e me divertindo em um país com qual não concordo com políticas ou pior, está ou esteve envolvido em alguma atrocidade. Mas se eu fosse barrar lugares da nossa lista de viagem por isso quase não sobraria pra onde ir. Por exemplo, não fomos pra Myanmar por causa do massacre recente de muçulmanos, mas fechamos os olhos pra várias outras coisas – nada como uma dose diária de hipocrisia. Acho que esse tema rende um post em si, posso continuar outro dia.

Mas vamos falar de coisas mais leves,  como a guerra no Camboja e uma população quase que totalmente dizimada.

Calma, brincadeira, teremos pontos de alívio cômico nesse capítulo.

Caso vocês não lembrem o último capítulo terminou conosco saindo do Vietnã após a festança glacial em Ha Long Bay e indo pro Camboja, em direção ao nosso trabalho voluntário.

Eu estava nervoso, vou confessar. Pra variar criei uma pressão desnecessária sobre o fato, me preocupando se realmente conseguiria ensinar e ajudar essas crianças (ia lá dar aula de inglês). Além disso era uma situação muito fora da minha zona de conforto, teria que ter um nível de envolvimento com outros que quem me conhece sabe que não é meu forte. Enfim, fomos encarar.

A rua principal do vilarejo

Já vou adiantar aqui que foi uma experiência maravilhosa, daquelas de mudar a vida mesmo. Um soco de realidade. Eu sei (acho) que todo mundo do grupo restrito de leitores do blog é instruído e tem noção das diferenças sociais que existem no mundo, dos nosso privilégios e facilidades. Eu também sabia disso tudo e achava que conhecia da vida. Mas estar lá é diferente, é a materialização de um discurso interno que até o momento era só isso mesmo, um discurso. A porra da pirâmide de Maslow despencando na sua cabeça pra te fazer ver como os níveis inferiores são pesados e importantes. Água, comida, higiene. Ao aprender o tema na faculdade isso aí nunca foi preocupação. 

Desculpe se no momento meu discurso flutua pro lado do “iluminadão do voluntariado”, mas eu nunca tinha participado de ações tão intensas assim. Já tinha ajudado a cuidar de crianças no natal em uma escola no centro de São Paulo, ajudado a organizar mantimentos para Mariana e feito aquela ocasional doação de fim de ano para as crianças da creche Mãezinha, em Itu (sim, esse lugar existe). Ações rápidas e de pouco envolvimento. Sei que você, lendo isso, pode ser bem mais experiente que eu nesse quesito, e nesse momento eles devem estar lendo e pensando “no shit, Sherlock”. Juro que o momento iluminadão vai acabar. 

Enfim, foi bom e foi diferente. Fica a reflexão que no atual momento eu devo ter feito mais pelo Camboja do que jamais fiz pelo meu país, algo que quero mudar no futuro. 

Garotada e um amigo nos campos

Claro, alguns podem argumentar que a minha mera presença radiante nas ruas de São Paulo contribuiu pra elevar a moral dos trabalhadores brasileiros ao longo dos anos, mas eu não sei se foi pra tanto. Caso você não tenha notado o momento iluminadão já acabou e agora vou voltar pro relato.

Chegamos em Siem Reap e já tinha um motorista do projeto nos esperando. Mal pisamos no Camboja e já estávamos em direção ao voluntariado, onde ficaríamos duas semanas. A escola, ou centro, em que trabalhamos fica a uns 40 kms da cidade, numa vilazinha rural.   As estradas não são uma maravilha e em dado momento viram de terra, por isso mesmo um carro bom leva uns 40 ou 50 minutos pra chegar lá. 

Já era noite quando fomos recebidos por Rady, o idealizador do projeto, e algumas crianças que nos esperavam para dar um oi. O primeiro contato com elas já deu a tônica de como seriam os próximos dias. Bagunça, muitos apertões e abraços. Elas amam o toque, não sei se por carência emocional ou por serem um povo afetivo, desconfio que mais pelo primeiro quesito. Eu não sou a pessoa mais carinhosa que já pisou na terra, e mesmo sabendo onde estava indo e porque estava indo isso me causou estranheza. Esse excesso de contato que a molecada necessitava. Inclusive às vezes enchia bem o saco, para ser sincero, mas acostuma e, inclusive, amolece o coração.

Como estava tudo escuro não deu pra ver muita coisa, só que a escola operava em uma estrutura bem simples, com duas casas de bambu para as crianças mais carentes da vila dormirem, uma cozinha quase a céu aberto, um chuveiro e um toalete (depois comento sobre a qualidade deles). Algumas casinhas de madeira serviam como classes e uma outra casa maior, também de madeira, era um grande quarto pros voluntários, no caso nós eramos os únicos lá no momento. Logo fomos dormir. Ou tentar. A ansiedade dentro de mim era quase opressora.

Casinhas usadas pelas crianças mais carentes – sala de aula era atrás delas

O dia seguinte era segunda-feira, mas feriado, uma data comemorando o fim da guerra civil que assolou o país, por isso não teve aula, mas fomos com uma caravana de crianças conhecer a vila. Na verdade não tinha muito o que conhecer, o local é formado por algumas casas e plantações que beiram uma grande estrada de terra vermelha. Andamos com a molecada por quase toda essa estrada, passando por casas simples até uma rua pavimentada que é a marca não oficial do fim daquela comunidade. Visualmente o lugar me lembrou muito a savana africana. Plano, com horizonte longínquo, muita vegetação seca e amarela, plantações de arroz inativas e algumas árvores aqui e ali. Sem falar que tudo lá tem tons de laranja e vermelho, principalmente por causa da poeira que toma conta de tudo.  A poeira vermelha da estrada que gruda em tudo e em todos. Eu lembro da vila e imediatamente lembro dessa poeira, um lembrete incômodo da realidade do local, algo que te puxa de novo para uma realidade que não é nem um pouco melhor do que um sonho. Considerando que estávamos no Camboja, talvez o visual devesse ser mais de floresta tropical do que o que vimos, não sei se o cenário em questão foi construído pela interferência do homem ou aquela região em particular é assim

Rostos sorridentes na poeira

Sem falar que é bem quente, andar por ali onde não tem tanta oferta de sombras é muito cansativo. O calor é diferente do que senti na Tailândia, que era úmido como Manaus. Ali era seco. Enfim, calor gera suor, e suor, com a já supracitada poeira, gera uma pasta grudenta e irritante que é parte integral do “milanesa do Camboja”.

Estilo das casas locais

As casas da vila são, no geral, bem módicas, por falta de um termo melhor. Geralmente de madeira ou bambu e apenas com um cômodo onde todos dormem juntos, cozinham, etc… muitas delas são suspensas, quase como em palafitas, apesar de eles não serem uma população ribeirinha ou morarem em uma área de inundação. É simplesmente tradição, até porque o espaço que fica embaixo das casas é usado para relaxar, armazenar coisas e para lazer. Grande parte delas não tem eletricidade ou acesso a água, por isso muitas crianças gostam de ficar na escola, que tem uma infraestrutura melhor que a média da região. Aliás, água por ali é só de poço, encanamento e saneamento básico são um sonho distante. 

É um lugar bem pobre.

Nada de selva por aqui

Outra coisa que observei durante essa primeira andada pela vila e que confirmei nos outros dias: o povo por aqui adora camisetas de futebol. Camboja é um país que parece ter seguido os conselhos de moda do Rafael de 15 anos, que acreditava que camiseta de time, shorts de tactel e chinelo é o único visual possível. Aqui muita gente anda assim. Meninos, meninas, adultos, eu….  No começo achei que era paixão pelo esporte, mas comecei a tentar a puxar papo sobre o tema e ninguém entendia muito. Depois saquei que aquelas camisetas do Barcelona, Juventus e Real Madrid só estavam vagando pelas ruas porque deviam ser as mais baratas nas lojas. Se você ainda não entendeu, obviamente não eram camisetas oficiais. Mas importante dizer, eles adoram esporte por aqui, principalmente vôlei e futebol, mas não necessariamente conhecem esses times que citei.  

Depois que demos esse nosso passeio pela vila voltamos pra escola e ficamos brincando com as crianças até o almoço. Todas refeições eram bem simples e locais, o Rady mesmo que preparava tudo. Acho que ao longo dos dias comi carne de cobra e com certeza tomei uma sopa de formigas, mas normalmente o que comíamos eram vegetais e frango. Com arroz, claro. 

Parte da nossa turminha incrível

O período da tarde desse mesmo dia foi uma experiência meio traumática pra gente, pois o Rady saiu e nós ficamos tomando conta das crianças, só que sem ele lá (e talvez pela excitação de nosso primeiro dia) elas viraram uns capetas. Ficavam brincando com coisas como facas (??), se batiam, gritavam, fizeram guerra de talco e água, sujaram a escola inteira e em dada hora começaram a comer larvas da folha de bananeira. Nós ficamos igual baratas tontas tentando entender o que fazer e como controlar aquela horda de adoráveis delinquentes. No fim desse primeiro dia eu já estava cansado e bem do arrependido. Mas depois as coisas melhoraram. Nada como uma noite de sono quase em coma pra curar esse tipo de coisa.

Vou dividir o post em 2 partes, pois tem bastante coisa para contar. Agora que a vila e as crianças já foram apresentadas no próximo texto vou detalhar nossa rotina e as peripécias em que nos enfiamos – por exemplo, participamos, sem querer, de dois casamentos. Aguarde.

Beijos Quentes

Vietnã ou o tiozão em Ha Long Bay

Podem sorrir amigo(a)s internautas, voltei de um dos círculos do inferno para trazer a sua dose semanal de sombras e perrengues. Tenha em mãos seu veneno de preferência, isole-se do mundo por uns três minutos e acompanhe mais uma dose de decisões precipitadas e burrices corriqueiras.

Ha Long Bay é o bitcho

No último post descrevi como tocamos o terror de moto nas montanhas vietnamitas, mas infelizmente nossa aventura com aroma de gasolina e motor 100 cilindradas ali perto da China terminou e após mais uma jornada nauseante em estradas sinuosas, vans apertadas e em um ônibus leito que foi redecorado com vômito por um pobre garotinho local, chegamos em Hanói.

Já era quase ano novo e precisávamos estar na capital, pois fechamos, junto com uma amiga da Marina que estava de férias no Vietnã, um cruzeiro em Ha Long Bay, um dos destinos mais turísticos do país. É um lugar surreal, apesar de super visitado. Um verdadeiro labirinto formado por milhares de grandes rochedos de calcário que emergem do mar cor de jade e criam desenhos únicos na água junto com piscinas naturais, ilhas e cavernas misteriosas. São como restos de uma antiga cidade perdida que foi parcialmente inundada. Ruínas do fantástico. Escombros de um lugar que existe só na imaginação. Bom, deu para perceber que visualmente o lugar é incrível e que eu me empolguei na minha descrição.

Mas voltando ao relato – ainda em Hanói pegamos o ônibus da nossa excursão (sim, era uma excursão) e partimos pro cruzeiro. Cruzeiro esse que era um daqueles “barco festa”, com bastante comida boa e gente querendo farrear. Não necessariamente nossa clima, mas para comemorar o ano novo valeu a pena e foi divertido.

Nosso grupo era formado por jovens de todas partes do mundo que tinham como objetivo encher a cara. O ambiente todo cheirava a “festa de faculdade”, inclusive o guia designado para tocar nossa horda de selvagens em ponto de ebulição, o simpático Crazy K. Sim, o guia se autodenominava Crazy K, o que eu achei bizarro, afinal ele pegou um nome que ele usaria como apelido em algum jogo de videogame ou se ele fosse parte de uma gangue de rua e transportou para a “vida real”. Talvez eu esteja filosofando demais sobre a alcunha do nosso querido mestre de cerimônias, mas algo não parecia estar certo ao falar em voz alta “Crazy K”. Tente você aí na sua casa, fale “Crazy K” e veja se soa legal. Não soa. Eu chamava ele só de K, o que era falta de educação, porque ele não queria ser chamado assim, mas eu me recusava a entrar nessa bolha fantasiosa maluca que todos estavam compartilhando ali na costa do Vietnã. É complicado ser mais retraído que o professor Pasquale e mais cheio de noias que aquela sua tia viciada em vinho Chapinha e remédio tarja preta.

Crazy K dando seu show

Mas mesmo com toda essa dureza de espírito eu me diverti.

Só o tempo que estava horrível, frio demais (quase zero graus) e cinza. O barco ainda era quente e confortável, mas isso se limitava a seu interior. O cruzeiro dispunha de uma série de aparatos para atividades divertidas, como caiaques, boias, jacuzzis e etc… Mas o clima congelante atrapalhou o aproveitamento disso tudo. Atrapalhou, mas não impediu. Boa parte da turma fazia qualquer coisa para se divertir, então quando percebi que aqueles quase adolescentes malucos estavam nadando no mar gelado me juntei a turma e, tomado (por osmose) de uma adrenalina juvenil, resolvi fazer o que eles estavam fazendo, que era pular do segundo andar do barco (que era bem alto) na água fria. Subi, me preparei, olhei, vi que era bem mais alto do que esperava, tremi, cogitei voltar, mas não podia decepcionar minha jovem turma, por isso pulei. Pulei com medo, mas pulei. Não foi o pulo mais bonito do mundo, mas pulei. Até que gostei da experiência, confesso, gerou uma sensação boa que depois me deu gás para tentar outros “cliff jumps” pela viagem, mas claro que o tiozão atrapalhado aqui caiu meio torto na água e machucou o braço, coisa de velho querendo se enturmar. 

Enquanto a Marina brincava de Rose..
…eu me tremia todo antes do pulo

Mais triste que minha queda da embarcação foi o que eu vi quando voltei a bordo: a jacuzzi grande e sensual que ficava na parte baixa, quase no mar, estava lotada. Cheia. Entupida. De homens. E eu tenho quase certeza que 80% deles eram héteros e estavam apenas esperando algo de erótico rolar ali. Uma verdadeira sopa de testosterona, testículos, álcool e falta de dignidade. Obviamente nenhuma mulher do grupo quis entrar ali. 

Brasil e Índia

A noite de ano novo veio, passou e nós acordamos com uma leve ressaca e uma nova amizade com um divertido grupo de indianos. O segundo (e último) dia do passeio também foi arruinado pelo clima glacial, e olha, poderia ter sido incrível. Digo isso porque passamos o dia e a noite em um alojamento em uma mini-ilha particular no meio da loucura visual que é Ha Long Bay. Um lugar escondido, recluso, com direito a praias exclusivas, rede de vôlei, churrasqueira e até uma bolinha de futebol para os mais talentosos. Teria sido incrível com sol e calor, mas o universo nos mandou um céu com cor de TV sem sinal e ventos dignos da região mais hiperbórea da Suécia. Aproveitamos a praia com nossos casacos de neve, que compramos para usar no Nepal. Você sabe que um dia é triste quando nem a vontade de tomar cerveja aparece. Mas foi bom, mesmo não sendo incrível. 

A ilhazinha particular
E como curtimos ela

Depois disso o que nos restou foi voltar para Hanói. Até tínhamos planos de explorar mais algum outro ponto do país, mas resolvemos aproveitar bem a capital, comer umas coisas diferentes e economizar um pouco. Ficamos naquela efervescência maluca de motos, luzes e gente do mundo todo. Hanói é demais.

As estranhezas de Ha Long Bay

Tínhamos prazo para sair do país, pois precisávamos partir para o Camboja, onde fizemos trabalho voluntário e eu finalmente pude espalhar minha ideologia anarquista para pequenas mentes em formação (dei aula de inglês). Na verdade estava bem nervoso quanto a esse capítulo da nossa viagem, mas isso é assunto para um próximo post. 

Beijos quentes

Vietnã ou o capítulo do Excesso de Vinho de Arroz

Esse relato cobre eventos de 19/12/2018 a 25/12/2018

Isso aí é normal no Vietnã

Olá, moradores do grande limbo cósmico chamado planeta terra. Estamos no fim de mais um movimento de rotação do nosso planeta (ou começo, sei lá quando você vai ler esse post) e nada melhor para acalmar a alma do que ler sobre as desventuras e percalços de pessoas que foram se aventurar por essa grande esfera maluca. Sim, eu disse esfera. Ou melhor, geoide. Aqui é uma blog livre de terraplanistas, se você acredita que nosso planeta é achatado por favor feche seu computador e vá ser feliz dentro da sua imaginação perversa. Ou não, eu gosto de ter leitores. Fica aí, meu chapa. 

No último relato descrevi nosso preguiçoso tempo por Luang Prabang, a famosa CIDADE GOSTOSA. Um lugar lindo, calmo e bom para comer, a base da felicidade para qualquer casal adepto da inércia como nós. 

Como vocês podem imaginar foi difícil dar tchau para Luang Prabang, principalmente porque para ir embora de lá pegamos um avião que parecia saído do Caçadores da Arca Perdida e confesso que, pela primeira vez na vida, fiquei com medo de voar. Pelo menos a tarde estava linda, um pôr do sol estarrecedor acompanhou nossa decolagem e deixou todas montanhas em torno da cidade douradas, o último presente de Luang Prabang para nós. Um bom dia para presenciar uma pane nas hélices do avião, cair no coração da selva e ter que comer os passageiros mortos para sobreviver. Se fosse para acontecer uma desgraça, melhor que acontecesse em um cenário bonito. 

Felizmente isso não ocorreu e após o paradoxo tempo de 60 minutos chegamos em Hanoi, Vietnã. Para nossa surpresa o tempo estava mais “fresco” do que considero confortável, um prelúdio para o que estava por vir na nossa jornada. 

Hanoi é um caos apaixonante. Uma mistura louca de scooters, buzinas, carros, cafés e pessoas do mundo todo. Sempre em movimento e sempre com algo para ver. Acho que senti aqui o que esperava ter sentido em Bangkok, aquele clima “sujeira underground interessante”. Para começar nada diz melhor “bem vindo à Hanoi” do que quase ser atropelado por uma moto. O trânsito é intenso e maluco, as calçadas existem apenas para estacionar scooters e semáforos são meramente decorativos. Atravessar a rua aqui é o maior ato de fé que praticamos na viagem – você pisa no asfalto e de repente se vê cercado de vietnamitas motorizados por todos os lados, me senti como Simba fugindo dos antílopes, búfalos ou o que quer que fossem aquelas animais que participaram de maneira robótica no assassinato de Mufasa (RIP). Claro, depois de um tempo a loucura acostuma e aí não é preciso nem olhar pros lados para atravessar uma rua, porque você sabe que a turma vai desviar, o movimento do trânsito lá é quase como um fluxo orgânico que sabe sempre encontrar seu caminho. Apesar de ser mais seguro do que aparenta ainda classificaria “ser pedestre em Hanói” como esporte radical. O Vietnamita tem uma habilidade com a scooter que é digna de nota, praticamente são os mongóis do séculos 21, só que invés de fazerem tudo em cima de cavalos usam motores de até 110 cilindradas. Sei que em diversas partes da Ásia a motinho é o principal meio de locomoção, inclusive na Tailândia e Laos por onde já tínhamos passado, mas mesmo assim elejo o Vietnã como a terra suprema da imprudência e habilidade sobre duas rodas. Talvez apenas os indianos consigam competir com os vietnamitas.

Hanói é uma cidade grande, com muito cinza e um bairro turístico chamado Old Quarter que é um chamariz para almas noturnas a procura de diversão. Bares, boa comida, uma explosão de luzes neon e aquela sensação de que alguma coisa inusitada está sempre a espera dentro das portinhas apertadas dos inúmeros estabelecimentos duvidosos de entretenimento. Vimos algumas poucas heranças da guerra: o museu, a prisão e restos de equipamentos americano pelas ruas, como tanques e caças, mas não visitamos esses lugares (sem falar que o quebra-pau nem chegou tão ao norte assim).

A beleza peculiar de Hanói

Achei uma cidade interessante de se visitar a pé, inclusive achamos um lugar (sem querer) que depois descobrimos ser bem turístico, são os trilhos de uma linha de trem que corta o meio da cidade. Existem diversos bares e cafés ao longo deles, bem coisa de hipster. Também existem milhares de casas amontoadas uma em cima das outras, um acúmulo vertical de concreto que acompanha a linha. Passamos nosso fim de tarde por lá e a Marina deixou uma marca permanente no local, pois pisou em toda uma passagem recém cimentada por um velhinho que quase surtou quando viu ela sapateando em cima do trabalho dele recém terminado. Claro que isso foi sem querer, mas o senhor não quis nem saber e começou a gritar para nós dois que por puro instinto nos mandamos de lá. A Marina estreou o que ainda irá se tornar a famosa calçada da fama de Hanói.

A linha do trem 1
A linha do trem 2

Depois de uma curta estadia na cidade partimos para Sapa, uma cidade bem ao norte do Vietnã, na região montanhosa do país. Para chegar lá pegamos um busão “leito” que nunca tinha visto na vida, nele o assento já é uma espécie de cama, algo estranho, mas confortável (se você não for muito alto). Pegar ônibus, van ou qualquer outro transporte terrestre pelo país é uma aventura, principalmente na região das montanhas, que é dominada por estradinhas estreitas e sinuosas. Digo isso pois os vietnamitas preferem usar a buzina ao freio.Impossível manter a conta do tanto de barbaridade motorizada que vi por lá.

Depois de uma boa dose de desconforto, dor, uma dose de bílis na garganta e paisagens exuberantes chegamos em Sapa, uma espécie de Campos do Jordão vietnamita. Isso se Campos estivesse em eterno estado de construção e fosse dominada por chineses. Não me levem a mal, a cidade fica em um lugar muito bonito, uma região cheia de vales e desfiladeiros, e ela própria é charmosa. E também bem turística. Até que gostei de Sapa, embora o frio estivesse apertando, mas nosso objetivo lá era fazer um trekking pelos vales e montanhas nos arredores da cidade, coisa que começamos no dia seguinte.

Os caminhos de Sapa

Nosso passeio foi um trekking de 3 dias e 2 noites e fomos com uma guia local, moradora das inúmeras vilas que ficam espalhadas pela região. Estávamos no extremo noroeste do país, um lugar que abriga 5 tribos nativas diferentes (com costumes, roupas e idiomas diferentes) e passamos por vilas de várias delas pelo caminho, foi muito bacana. Pegamos um tour privado, mais caro, mas que seguia uma rota bem menos utilizada por agências turísticas e valeu a pena, senti que passamos por locais bem autênticos e como eu adoro andar, fazer trilha é uma das atividades que revive o velho “espírito de aventura” de que tanto gosto de sentir. Não sei explicar, mas parece que vagando por aí tenho a impressão de estar interagindo com a natureza e os ambientes que visitamos. Aliás, que cenários incríveis. Atravessamos terraços lamacentos de arroz, trilhas que rodeavam montanhas e desfiladeiras, florestas de bambus e vales que dormem à sombra do monte Fan Si Pan, a montanha mais alta da Indochina. Em um desses vales, no nosso segundo dia de caminhada, senti uma alegria e paz que há muito tempo não sentia, foi uma avalanche bucólica que me deixou leve e calmo. Foi um momento de quase parar no tempo, a realidade consistia apenas de  nós três e o sons da natureza deslizando por um corte em meio às montanhas do Vietnã. Desculpe o lapso poético aqui, prometo que nunca mais irá acontecer.

Esse vale era demais

Outra ponto que gostei muito do passeio foi que dormíamos em casas de locais e fazíamos refeições com eles. Os lugares eram simples, porém acolhedores, e a primeira noite foi memorável, pois o anfitrião da casa (que não falava uma palavra de inglês) me encheu de vinho de arroz, ou como eles chamam aqui, happy water. Foi divertido e um pouco tenso ter que virar muitos shots daquele negócio com um gosto bem mais ou menos, mas seria falta de educação recusar, ainda mais porque os anfitriões estavam recebendo um amigo. Mas deixa eu elucidar aqui, não é que foram 2 ou 3 shots. Nem 4 ou 5. Nem 6 ou 7. Foram mais de 10 shots (não lembro quantos exatamente) de um destilado potente. Olha, o pessoal teve sorte que eu não vomitei todo frango e rolinhos primavera que tinha comido, porque as chances eram altas. Consegui me segurar, não passei vergonha e apenas fiquei vermelho como meus companheiros de bebedeira. Passei no teste e agora já posso integrar qualquer exército revolucionário do norte do Vietnã. Enquanto isso a Marina conversou muito com nossa guia e a nossa anfitriã, as únicas que falavam inglês no local e ambas de tribos diferentes. Ela pode entender em primeira mão como os povos das montanhas se viram de tudo quanto é jeito para sobreviver e mandar os filhos para as escolas, mesmo quando não é temporada de colheita de arroz. Foi uma experiência profunda culturalmente e enquanto isso eu só estava me afogando em álcool e decisões ruins.

Rapaz….

Interessante que depois do jantar todo mundo senta perto do fogo usado para cozinhar, que faz vezes de lareira, e conversa um pouco. Nessa noite apenas eu e a Ma estávamos no homestay, por isso interagimos bastante com a família da casa, todos da tribo Red Dzao. Nossa guia (a querida Mu), por exemplo, é Hmong e mora apenas alguns quilômetros de distância de onde dormimos. 

E essa foi a tônica do trekking todo. Cenários incríveis, situações inusitadas (até por um velório passamos), contato local (aparentemente) autêntico e aquela mistura gostosa de frio e suor que deixa qualquer um que não está com as doses de Energil C em dia resfriado. Demos uma baita sorte pois fizemos a trilha antes do tempo virar um amontoado de nuvens cinzas, temperaturas perto de 0 e tristeza. 

Boa companhia

Voltamos pra Sapa no dia 23 e decidimos ficar duas noites na cidade pra relaxar um pouco e comemorar o natal. Não conseguimos, pois na véspera da festa do bom velinho ficamos conversando com a família por ZAP e quando saímos para comer tudo já estava fechado na cidade, menos uns poucos bares, por isso tomamos uma cerveja com valor exorbitante e jogamos truco. Um brinde às tradições natalinas.

Depois de Sapa decidimos continuar pelo norte do país, mas dessa vez fomos para uma região um pouco mais central e bem perto da fronteira com a China, a província de Ha Giang. Nossa viagem até lá foi conturbada, como são todas viagens em vans apertadas na Ásia, mas isso é assunto para o próximo post. Não perca nossa aventura de moto por penhascos vietnamitas.

Beijos quentes

Laos ou nosso Apocalypse Now particular

Esse relato cobre os eventos de 12/12/2018 a 18/12/2018

Olá amigos e amigas desse limbo chamado de existência. Do mesmo jeito que ninguém pediu para nascer e ser um escravo da rotina, também ninguém pediu por mais um capítulo desse blog purulento, mas mesmo assim cá estou com atualizações da minha desajeitada jornada. 

Os perigos do Mekong

Os intensos e fantásticos dias no retiro de meditação foram praticamente nossos últimos na Tailândia. Saímos de lá fortalecidos mentalmente, mas ao mesmo tempo duas figuras patéticas e moídas, ou seja, precisamos de um dia de descanso para não pensar em nada e se esparramar em uma cama. Ou seja, um dia de Netflix e comidas congeladas do Seven Eleven. Nada como lixo cultural e alimentício para resgatar a sanidade e boa forma de um ser humano. 

Praticamos essa sessão relaxamento em um hotel fuleira em frente a rodoviária de Chiang Mai. Foram apenas poucas horas de “spa”, menos de um dia, mas deu para recuperar um pouco a força vital necessária para seguir viagem. De lá pegamos um ônibus até Chiang Rai, ônibus esse que obviamente quebrou no caminho, e aí pegamos outro veículo, bem mais decrépito e muito mais interessante, até Chiang Kong, uma das cidades que são pontos de travessia para o Laos. 

Chegamos na fronteira de noite quando o movimento era quase nulo, fora nós apenas alguns laocianos que aparentemente tinham ido fazer compras na Tailândia passavam pela fronteira. A situação era tão tranquila que os guardas do posto de comando tailandês estavam ocupados com um furioso torneio de tênis de mesa. Alguns usavam até uniforme. A Tailândia é um país tão único que até a turma que cuida das travessias internacionais se diverte durante o trabalho (e não venha você me dizer que ficar em um posto de entrada e saída de pessoas é algo divertido). Esperamos algum tempo no escuro, meio sem saber o que ia acontecer, até um bólido surgir das sombras, nos cobrar uma pequena fortuna e nos levar por míseros 2 quilômetros até o posto de fronteira do Laos. Lá tivemos que acordar o rapaz encarregado dos vistos, algo que não o deixou muito feliz, mas mesmo assim ele nos concedeu entrada para seu maravilhoso país. Finalmente estávamos em Huay Xay, no Laos. 

Huay Xay fica a beira do Mekong, talvez o mais famoso rio do sudeste Asiático, e nosso plano era ir de barco até Luang Prabang, nosso único destino nessa pequena nação. 

Nosso transporte até Luang Prabang

Já era bem tarde quando chegamos à cidade e após uma experiência estranha em uma guest house que mais parecia um matadouro e que nos apresentou um quarto tão limpo quanto a consciência de Paulo Maluf finalmente achamos um hotelzinho acessível e bem perto do porto de onde saíam os long boats, aqueles barcos enormes e estreitos que cortam as águas lamacentas do rio. 

Acordamos prontos para nossa aventura aquática, ou como eu gosto de pensar, nosso Apocalypse Now particular. Sei que o filme se passa no Vietnã e no Camboja, mas o mais próximo que eu iria chegar de desbravar aquela parte do mundo em um barco seria ali no Laos, por isso fui atrás do meu Coronel Kurtz em Luang Prabang. A diferença é que nosso trajeto foi calmo e idílico, não uma jornada violenta em direção às insanidades da guerra. 

E que experiência gostosa esse passeio de barco. Foram dois dias e uma noite cruzando o Mekong e observando as pequenas vilas que ficam à margem do rio, os templos perdidos nas colinas e a deslumbrante e densa natureza do Laos. Que país verde e bonito. Apesar do transporte fluvial ser comum por aquelas partes do mundo o nosso barco estava ocupado quase que exclusivamente de turistas. Eram jovens e velhos dos mais variados estilos. Alguns matavam o tempo lendo, outros bebiam (cerveja quente), alguns jogavam e a maioria se irritava com a música alta de balada que o dono da embarcação insistia em colocar. Mal dava para escutar os próprios pensamentos

Dona Marina curtindo um vento na cara

Pernoitamos em uma cidade pequena, de apenas uma rua, mas que se fez agitada pela horda de viajantes que chegou pelo rio. Comemos em um restaurante tradicional simples, mas muito gostoso, e com o menu mais estilosos da história, todo feito a mão. Também ficamos em um dos hotéis mais baratos da viagem toda. Não lembro exatamente quanto foi, mas lembro que foi muito barato, por isso acredite em mim que o negócio foi barato. Foi e barato e pronto, ok? No dia seguinte, após mais algumas horas no rio, chegamos a Luang Prabang, onde ficamos apenas alguns dias antes de seguir para o Vietnã. Estava terminada a nossa experiência Apocalypse Now. Não achamos nenhum herói renegado bancando o semi-deus e não fomos atacados por nativos, mas pelo menos fizemos uma travessia em um rio asiático barrento e chegamos de forma estilosa no nosso destino. Talvez uma das últimas vezes que isso ainda possa acontecer, pois hidroelétricas financiadas pelo governo chinês podem mudar a rota do Mekong para sempre.

Uma cidade verde

Luang Prabang é uma das cidades mais gostosas que visitamos em toda a viagem. Um lugar de ritmo lento, charme colonial, comida boa e preços acessíveis. Cercada por colinas e muito verde, parece uma verdadeira jóia perdida no meio da floresta. É uma cidade linda, com certeza, mas vale lembrar que estou aqui dando a minha visão de turista que não passou muito tempo no lugar. Mesmo pelas nossas rápidas andanças visitamos bairros menos turísticos e bem menos privilegiados. Sei que o Laos não é um país com grandes condições de vida, aliás é um lugar que sofreu e sofre muito na mão de nações mais poderosas (é o país mais bombardeado da história). Em certas horas é estranho dizer que tal lugar é incrível e imperdível sem saber como é a verdadeira realidade local, o quanto o povo nativo sofre e o quanto a realidade do turismo é como uma frágil camada fantasiosa maquiando uma vida bem mais dura. Enfim, esse é um pensamento que surge e surgiu em quase todos os lugares que passamos, mas como não dá para mergulhar nessa escura piscina filosófica agora vale lembrar que mesmo com esse grande  “porém” em mente aproveitamos demais nosso tempo por lá. 

A vida por lá

O que mais fizemos em Luang Prabang foi comer e descansar.. Estávamos em ritmo lento, com a preguiça imperando, mas mesmo assim até que exploramos bastante pela cidade, apenas não fizemos grandes e emocionantes programas. Visitamos o pequeno, porém muito charmoso, mercado noturno, subimos a colina chamada de Monte Phousi para ver, junto com mais todos turistas presentes no Laos, o sol escorrer no horizonte entre o Mekong e as montanhas que rodeiam a cidade. A Marina foi presenciar a ronda das almas (que ela diz ter sido bem sem graça devido ao excesso de não locais entupindo a passagem dos monges) e fomos até as cachoeiras Kuang Si, um espetáculo hídrico em tons de turquesa.

As cachoeiras ficam um pouco afastadas de Luang Prabang, por isso tivemos que fechar um pacote com o hostel e pegar uma das inúmeras vanzinhas irresponsáveis que levam turistas pra lá e pra cá pela Ásia. Era um dia úmido e frio, talvez não muito propício para visitar uma atração com água, mas era nossa única oportunidade de ir lá. Para chegar até as quedas d’água é necessário fazer uma pequena trilha em que se passa por um santuário de ursos negros asiáticos resgatados de contrabandistas e caçadores. Foi um momento de felicidade e emoção, pois nunca tinha visto um urso na vida. Tudo bem que esse urso negro asiático é um pouco estranho esteticamente e não tão parecido com grandes ursos que vemos na televisão, como uma versão falsificada QUASE parecida com a obra original. Imagine que um estrangeiro nunca viu um brasileiro na vida e ao invés de conhecer a Gisele Bündchen acabe me conhecendo. Sou desengonçado e peculiar, mas ainda sou brasileiro, então está valendo. Enfim, o santuário me pareceu fazer um trabalho nobre e necessário, um pouco de vigilância e ordem em uma região em que isso não é a regra, especialmente relacionado ao ambiente.

Apenas uma parte de um complexo de quedas estonteante

A Kuang Si é incrível. São diversas quedas d’água de uma cor quase difícil de imaginar que existe. Um turquesa claro, fruto de minerais, que dá uma sensação etérea para o lugar. Mesmo com o frio não resistimos e tivemos que interagir com esse paraíso, por isso nadamos nas águas congelantes da cachoeira. Foi praticamente uma farofada brasileira, pois só nós e alguns outros amigos viajantes nos arriscamos no azul gelado, coisa do pessoal sem noção lá das bandas da América do Sul. Valeu a pena conhecer esse espetáculo da natureza, mesmo que o dia não tenha sido dos melhores. Imagino as primeiras pessoas que descobriram essa cachoeira e puderam aproveitá-la no silêncio e na harmonia com a natureza que uma atração dessas merece, uma experiência surreal. Nós tivemos que conhecer o lugar junto de mais um bom número de pessoas espaçosas e barulhentas. Pode-se notar que eu não estava com muita paciência para outros seres humanos nessa parte da viagem. 

Difícil dar tchau para um lugar desses

E essa foi basicamente nossa estadia em Luang Prabang e no Laos. Tivemos que espremer essa visita entre Tailândia e Vietnã (o próximo destino), pois acabamos ficando mais tempo do que planejávamos em certos lugares e tínhamos prazo para entrar no Camboja para fazer nosso trabalho voluntário. Mesmo em pouco tempo foi um lugar que nos deixou uma ótima impressão e que queremos muito visitar de novo. Montanhas verdejantes do Laos, me aguardem. 

Beijos Quentes