Filipinas ou o capítulo do pôr do sol que não brinca em serviço

Como faz tempo que não posto vou colocar uma foto bonita para começar

Olha só, são eles mesmo, o grupo de corajosos leitores que decidiram dar mais uma chance para esse endereço virtual após um longo e tenebroso hiato. Gosto como vocês enfrentam a vida de frente sem deixar as amarguras tomarem conta da alma. Se fosse eu já estaria com minhas roupas de baixo estatelado no sofá curtindo a última bobagem qualquer na Netflix. Ainda bem que vocês gostam de ler. 

Esse é mais um post sobre as Filipinas e para quem não lembra, post sobre as Filipinas sempre começa com uma reclamação sobre transporte e deslocamento. Os mais memoriados vão lembrar que no último relato estávamos saindo de Cebu City até Maia, uma pequena cidade bem ao norte da ilha de Cebu. Bem, para fazer esse trajeto pegamos um (bom) ônibus local. O problema foi o trânsito infernal. Foram 5 horas para andar cerca de 130 km em estradinhas de qualidade duvidosa. Isso mesmo. Pelo menos tinha uma TV com filmes pirateados no busão, então fui curtindo um Mad Max tranquilo em meu canto. Ou quase, pois perto de nós sentou um israelense que não parava de puxar papo e, se vocês acompanham o blog , devem saber que nós não estávamos no clima para conhecer ninguém. Até gosto de pessoas, mas longe de mim. 

Chegamos em Maia no fim do dia e apesar do nosso destino final ser Malapascua, uma (outra) ilha que fica a cerca de uns 30 minutos de barco de onde estávamos, já não tinham mais balsas navegando devido ao horário. Resolvemos então seguir uma dica de nossos parceiros brasileiros, Ed e Enzo, que já tinham passado por aquele canto das Filipinas, e nos hospedamos em um dos pouquíssimos lugares possíveis em Maia, o Skip. Um hotelzinho escondido no fim de uma viela de terra/areia que parece não querer ser encontrado, pois nem site tem, mas que contrário às expectativas é um lugar agradável e organizado. Ficamos sozinhos no dormitório para oito pessoas, de tão isolado que estávamos por lá. Além de nós o hotel tinha como hóspedes apenas alguns europeus que me pareceram alemães, amigos do dono, o Skip (não sei se ele chama Skip mesmo, mas é como eu chamava ele). Lá foi onde tomamos um dos pouquíssimos banhos quentes que encontramos nas Filipinas e comemos bem, muito bem. Gostaria de falar em especial de um prato chamado “Bruce Lee Chicken”, que teoricamente segue uma receita do próprio Bruce Lee, pois o pai do Skip foi aluno do lendário ator/lutador (tinha até foto deles na parede). Além do prato ser muito bom, degustá-lo foi o mais próximo que eu já cheguei de “conhecer” o Bruce Lee, um dos meus ídolos. Eu gosto muito do Bruce Lee e acho que é o dever de todo ser humano assistir Enter the Dragon. Sim, um dos meus ídolos é um maluco que enfiava porrada nos outros em frente a uma câmera, desculpe. Pensando bem eu não sou a melhor pessoa para avaliar o “Bruce Lee Chicken”, pois um prato com esse nome poderia ser até coração humano com molho de alcaparras que eu acharia delicioso. Enfim, foram bons momentos no Skip e por causa da chuva alegremente estendemos nossa estadia para dois dias. Aproveitamos para comer bem, relaxar e arranjar umas brigas (uma das informações anteriores é falsa).

Após esses dias de puro relax partimos de Maia para o ponto alto da nossa viagem Filipina, a ilha de Malapascua, o lugar onde o pôr do sol nunca decepciona. 

Um dos portos de Malapascua

Saímos cedo do Skip e pegamos um ônibus local, bem mais barato que os tuktuks, até o porto, uma pontinha no extremo norte da ilha. Porto esse que era na verdade um amontoado de pedra, barcos e gente. Apesar da falta de preocupação com a segurança dos passageiros e a latente desorganização até que o local funcionava direitinho a sua bizarra maneira, como quase tudo no sudeste asiático.

Após um tempo mínimo de espera pegamos nossa balsa, junto com locais e outros turistas, até a pequena ilha que fica entre Cebu e Ormoc que também são ilhas, mas são ilhas grandes. Não se confunda. Malapascua é uma ilha pequena. Toda vez que faço um texto sobre as Filipinas eu canso de escrever “ilha”. 

Malapascua é um pequeno paraíso árido, com vegetação rasteira e muitas rochas. Tudo isso banhado por águas azul turquesa. 

Da uma sacada no lugar

A maior cidade, quer dizer, a maior concentração de gente fica na parte sul da ilha, que é cheia de hotéis, resorts e restaurantes. A parte norte é mais deserta e tem as melhores trilhas e praias. Demora mais ou menos meia hora de uma ponta à outra da ilha a pé. Sei que repito muito isso por aqui, mas amigos, que lugar incrível. Não estava muito cheio, as praias eram lindas, o clima tranquilo e ainda tinham bons lugares para comer e beber.

Outro ponto importante – estávamos energizados e com a sensação de liberdade em alta. 

Ficamos 6 dias por lá, por isso não vou detalhar o nosso itinerário senão gastarei a sua paciência e meus dedos descrevendo inúmeras horas em que passei imóvel sob o sol, refletindo se o barulho que vinha do meu estômago era fome ou algum tipo de indisposição. Não, não vou fazer isso com vocês. 

O que tenho para dizer e merece destaque é (e aqui vou correr o risco de ser redundante) Malapascua é fora do comum. Passamos a maioria dos nossos dias na praia bem ao norte chamada de… na verdade acho que ela chama North Beach mesmo. Baita lugar lindo. Areia branquinha, água transparente (parecia de filme), pouquíssimas pessoas e um clima relaxado. Ficamos muito tempo lendo e jogando cartas à beira daquele lindo mar. Inclusive venho aqui dizer que tranca é um jogo injusto e criado com o exclusivo intuito de me irritar, pois perdi QUASE todas as partidas para a Marina. Digo “quase” pois ganhei a partida mais importante, a que valia tudo. Me recuso a comentar sobre os supostos chiliques que dei durante os jogos, inclusive se a Marina falar disso saiba que é mentira. 

Para chegar à praia do norte nós tínhamos que andar um pouco ou usar o meio de locomoção oficial da ilha, o mototáxi clandestino. Alguns moradores locais tem moto e, por alguns trocados, estão dispostos a te levar na garupa para qualquer lugar. E era isso que acontecia. E o melhor, como somos pão duros usávamos apenas um “mototáxi” para nós dois, então íamos até o nosso pequeno paraíso em um sanduíche do amor formado por mim, Marina e um filipino sortudo. Tempos gostosos demais. 

E um último ponto sobre esse cantinho abençoado de Malapascua. Ao lado da ilha fica uma vila, então ali podíamos ver os moradores aproveitando a praia, o que é algo meio único no sudeste asiático (vimos mais isso nas Filipinas). Normalmente os pontos turísticos são sempre povoados apenas por turistas gringos.

ruínas de um resort abandonado perto da praia norte

Basicamente todos os nossos dias em Malapascua foram gastos procurando algum lugar pra comer nas praias do sul e aproveitando o norte para relaxar. Ficamos em dois hotéis, pois fizemos reservas “picadas”. No primeiro e mais caro nosso quarto parecia um cativeiro. Era todo feito de bambu, pequeno, quente, sem banheiro e com uma quantidade absurda de areia no chão. Eu estava esperando o grupo Tigre da polícia civil arrombar a porta a qualquer momento achando que tinha uma situação com reféns acontecendo ali. Nosso segundo hotel era bem mais barato e gostosinho, mas eu não tenho nada de engraçado pra falar sobre ele, então mil perdões. 

Uma coisa peculiar sobre a ilha é que as crianças locais treinam cantar para turistas, mais especificamente a música tema do Titanic, esperado algum tipo de gorjeta, claro. Até aí tudo bem, o problema é que elas surgiam do nada, surgidas da areia em momentos inesperados. Certa vez estava eu lá curtindo o clima de uma pequena baía perto de uns restaurantes e do nada surgiram 4 crianças e começaram a cantar. Fiquei desesperado porque, bem porque eu sou eu, tenho problemas em chamar atenção e não sabia o que fazer, já que meu único pertence no momento era o shorts que eu estava usando, pois a Marina tinha ido comprar alguma coisa. Tentei avisar a molecada, mas eles continuaram a música e, ao acabar, ficaram bravos com as míseras moedas que eu achei no bolso. A vida é injusta.

A noite passeamos pela vila e descobrimos as crianças treinando a cantoria delas (com a mesma música, claro) em um karaokê local, a Marina até entrou na onda, cantando junto da janela do estabelecimento. 

Pôr do sol visto da trilha do farol (rimou)

Fora relaxar e comer, andamos muito por lá. Fizemos uma trilha rápida, conhecemos as vilazinhas da ilha e eu fiquei sem chinelo. E por que essa informação é importante? Oras, pois meu chinelo resolveu morrer no primeiro dia por lá, mas como sou brasileiro (e pão duro), me neguei a comprar um chinelo local que era bem ruim e resolvi andar descalço até chegar na Austrália, onde um amigo vindo do Brasil iria me trazer um novo par de Havaianas. O problema é que passamos por trilhas com pedras afiadas, locais com cacos de vidros e mais todo tipo de chão acidentado, e a Marina ficava bem brava que eu estava descalço, principalmente porque eu andava devagar. Mas até aí tudo bem, afinal meu pé é calejado, certo? Não. Eu pensava que era, mas a vida tá aí pra desmentir as verdades que contamos para nós mesmos. Uma noite saindo de um restaurante dei uma topada num degrau maldito, mas continuei andando, pois achei que nada tinha acontecido. Isso até sentir meu dedo um pouco molhado. Olhei pra baixo e ele estava inteiro vermelho, tinha conseguido arrancar um belo bife do meu dedão. E o melhor (ou pior), como lá o chão era 90% areia meu pé já estava a milanesa. Isso foi um saco , pois com medo de infeccionar a ferida eu andava igual o batoré da “Praça é Nossa” ou tinha que usar o pequeno chinelo da Marina, o que a deixava brava e me xingando a cada cinco minutos. Era melhor ter perdido o dedo.

Comecei esse texto falando sobre o pôr do sol em Malapascua e agora preciso me aprofundar no assunto, mas o problema é que não tem muito o que falar (ou eu não sei o que dizer), só que todo dia lá é um fim de tarde mais espetacular que o outro. É a combinação sublime daquele céu que fica inteiro rosa alaranjado com uma bola de fogo perfeita que se põe no mar. Todos os dias foram sensacionais, não dá pra falar “o pôr do sol do segundo dia foi mais caidinho”. Não. Confie em mim ou viaje até Malapascua e veja você mesmo. O mais legal é que sempre estávamos em lugares diferentes durante esse momento mágico do dia: em uma praia de pescadores locais, no meio de uma trilha perto de um farol, na incrível praia norte, na legal mas nem tão incrível assim praia sul, no restaurante italiano que tinha uma pizza barata e boa de dividir e em Kalanggaman. Kalanggaman? O que é isso?

Vila de pescadores

Kalanggaman é uma ilhota mágica que fica perto de Malapascua e com certeza é um dos lugares mais bonitos que conhecemos na viagem. Mas como já escrevi demais e ainda tem muito para falar sobre nosso acampamento a base de salgadinhos radiativos por lá vou dividir esse post em 2, fique esperto e não deixe de perder. 

Beijos Quentes

Um comentário em “Filipinas ou o capítulo do pôr do sol que não brinca em serviço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s