Filipinas ou o capítulo da exploração marítima (TAO)

O tipo de lugar em que dormimos nas Filipinas

Sejam bem-vindos meus queridos companheiros de sofrimento. Colegas de assento nesse ônibus desenfreado que é a vida. Enquanto nossa parada final não chega deixo vocês com mais um amontoado de palavras para entorpecer a alma e, com muita sorte, trazer um sorriso para esses belos rostos.

Terminei o último texto quando chegamos em El Nido, uma cidade bem turística ao norte da ilha de Palawan. Supostamente um lugar incrível, um dos mais bonitos do mundo e etc… Acho que exploramos a região de “forma errada”, pois não achei El Nido tudo isso. Calma lá, claro que é um lugar lindo, mas nosso parâmetro para coisas bonitas já estava bem alto (e ainda aumentaria depois de El Nido), mas não me surpreendi tanto e desconfio que a culpa disso caí no ombro das hordas de turistas que assombram o lugar. Para ser justo, tivemos um único dia bem gostoso por lá – foi quando alugamos uma scooter e deslizamos por estradinhas à beira-mar até praias afastadas. Estar na estrada em um dia de sol enquanto desbravando vilas locais e passando por trilhas de terra/areia foi incrível. Um daqueles momentos da viagem de uma pulsante sensação de liberdade. Talvez a perpetuação do espírito “motoqueiro” que surgiu em mim no Vietnã. Claro, vale lembrar que tudo isso foi feito a menos de 80 km/h em uma motinho com a potência de um secador de cabelo, mas até o Motoqueiro Fantasma começou de baixo, então está valendo. 

Vai, pode rir, mas que é legal explorar uns países do sudeste asiático de motinho, é sim. 

Nuli Beach

Aliás nesse dia visitamos três praias diferentes. Na primeira, Nuli Beach, populada por surfistas, tive um encontro com um filipino que surgiu como um fantasma de umas pedras com uma arma (que parecia um arpão) na mão. Foi uma verdadeira aparição, como se um fantasma do universo de Waterworld estivesse se comunicando comigo. Ele se teletransportou para um lado da praia que só tinha eu (o lugar estava bem vazio), fez o movimento universal de “joia”em minha direção e desapareceu novamente. Certeza que foi algum Deus local dando seu aval para minha nova fase motoqueira. Obrigado, nobre espírito. 

Em uma das outras praias que visitamos, Nacpan, a Marina tomou um caldo incrível que está registrado em vídeo, recomendo conferir o Instagram do @sejogaai. Essa era uma praia mais cheia, mais “da modinha”, com diversos turistas sendo servidos em seus guarda-sóis a todo momento por Jarbas filipinos desesperados por uns dólares. Tinha potencial para ser o local mais bonito que visitamos no dia, mas o excesso de europeus estragou um pouco a mágica do lugar. Mesmo assim valeu a pena a visita, principalmente para ver a Marina quase ser levada por Netuno (não que eu gostaria que ela fosse embora para as profundezas, pelo amor de deus, é que foi engraçado mesmo). 

E na última praia visitada, a mais perto da cidade e do nosso hotel, curtimos um pôr do sol maravilhoso. Olha, não foi nada mal para um segunda-feira. Oras, como eu sei que era segunda-feira? Porque eu me lembro claramente de olhar, com o vento na cara, o sol já cansado no horizonte enquanto passávamos por uma estrada lotada de coqueiros e pensar “coitado de quem nunca começou uma semana assim”.

Pôr do sol na praia que esqueci o nome

No nosso outro dia em El Nido fizemos um dos famosos tours que tem por lá. Eles dividem as atrações por tours chamados de A,B,C e D. Sei lá se tem o tour E. Sei que fizemos o tour C, um dos mais recomendados, e foi bem mais ou menos. Visitamos lugares espetaculares, mas que estavam sempre cheios. Não dava pra admirar a paisagem com 376363 turistas por todos os lados. Nesse dia vi mais turista que mar. Longe de mim dizer que foi um dia ruim, mas de novo, perto do que já tínhamos passado (e ainda passaríamos), não foi espetacular. 

Bangalôs da TAO

E nesse mesmo dia tivemos nosso encontro introdutório para a TAO. 

Mas o que é TAO? Uma unidade internacional de espionagem? Uma seita secreta de surfistas motoqueiros? Um festival de música focado apenas na marimba? 

Não. Nada disso. Calma, eu explico.

TAO Experience é uma expedição. Ou um “mega passeio”. Algo nesses moldes. O que acontece é: essa empresa, a TAO, faz um tour de barco entre Palawan e Coron (grandes ilhas Filipinas) de 5 dias. Nesse meio tempo essa expedição para em diversas ilhotas pelo caminho e os participantes conhecem e dormem em lugares paradisíacos e “desertos”. Resumindo, é um baita negócio legal. E a nossa expedição partiria no dia seguinte, mas antes precisávamos participar desse encontro para acertar detalhes pendentes, conhecer os outros membros e falar com a tripulação. É tudo muito bem organizado e explicado. Vale a pena.

O grupo do nosso barco era bem diverso. Cerca de 20 pessoas de várias idades e países diferentes. Alguns tiozões holandeses, jovens australianos, umas canadenses, uns senhores ingleses e, claro, os brasileiros. Nós éramos seis, eu, a Marina e o Edgar e o Enzo, que já sabíamos que encontraríamos lá, e de lambuja conhecemos mais dois, a Nat e o Pedro.  E brasileiro tem aquele negócio: é cheio das panelinhas. Nós, cansados de interagir só com gringos, abraçamos o “grupinho” com felicidade. Não que não conversássemos com outras pessoas, longe disso, mas é bom dar uma papeada em português de vez em quando.

Naufrágio

A expedição em si foi surreal, vou resumir um pouco toda a experiência. Foi uma sensação incrível de desbravar ilhas Filipinas, fazer snorkels inesquecíveis, conhecer praias de água cristalina e areia branca, fazer cliff jumps de 10 metros, nadar com navios afundados da segunda guerra e dormir (quase) sob o luar em paraísos perdidos. Foram tantos locais bonitos que ficamos até anestesiados. Sério, é triste isso, mas até praias lindas podem virar rotina e o espetacular virar normal. Talvez isso tenha sido um indicador que nossas vidas estavam legais demais e o “foda” estava sendo a média de nossas experiências. Ou talvez fosse um indicador que nós já estávamos mortos por dentro e nem o mais belo canto do nosso planeta poderia nos emocionar. Talvez eu seja mais compatível com a segunda opção, mas a Marina não tem essa alma negra, então não sei qual a resposta correta.

Pôr do sol em uma ilha deserta

No fim a TAO é uma experiência rústica, mas sem ter são rústica. Você passa perrengues como dormir em cabaninhas de bambu ao relento, tomar banho de canequinha, ficar o dia no barco, estar sempre molhado e ter pouca roupa disponível. Mas, ao mesmo tempo, tem toda uma tripulação trabalhando para você, base camps com o mínimo de estrutura possível e comida e bebidas a quase toda hora (pelo menos bebidas). Vale a pena. Vale ainda mais se acontecer de você passar seu aniversário em uma praia surreal e com um naufrágio japonês ali perto, esperando para ser visitado. Foi o que aconteceu comigo e foi foda, mas não sei se é tão foda quanto aquele churrasco que termina com o choro de um velho amigo e o vômito de outro. Amizades realmente importam, veja só.

Deixo aqui a dúvida no ar e algum outro caro companheiro que passar o aniversário nas Filipinas pode responder de uma vez por todas o que é melhor: ilha perdida ou churrasco com Crystal?

Todos os brasileiros, menos eu, passaram mal antes ou durante a expedição (a Má passou logo no primeiro dia, mas melhorou), então nosso grupo estava sempre cambaleante durante curtição. Salientei esse ponto apenas reforçar que não sou chamado de “Wolverine brasileiro” à toa. Juro, muitas pessoas me chamam assim.

Puxei esse assunto relacionado à comida e as nossas sensibilidades gastro-intestinais pois esse foi um tópico que, principalmente durante a TAO, foi razão de um pico de ufanismo e saudades do Brasil. Acho que o excesso de peixe e vegetais, fora certo desgaste normal da viagem, me fizeram sentir saudades de qualquer comida do Brasil. Churrasco, coxinha, requeijão, brigadeiro, pão na chapa. Até aquele bife duro do quilo mais barato perto do trabalho, tudo deu saudades. Aliás, acho que você, senhor privilegiado por poder comer um arroz com feijão e farofa a hora que quiser, deveria valorizar mais a comida brasileira no geral. Durante meus tempos de reflexão marítima tentei tecer uma teoria do porquê nossa culinária é a melhor do mundo, mas percebi que não tenho argumentos suficientes para provar com fatos o que eu sei que é verdade dentro do meu coração. Meu único argumento é: confia em mim que eu sei do que estou falando. Comida brasileira é foda.

E digo mais, podem me oferecer qualquer café da manhã gringo do mundo, sei que tem muito leitor aqui que é fã de um bacon com ovos ou um “english breakfast”, mas vocês me desculpem, nada é melhor que o velho pão na chapa e o misto da padaria, daqueles que já carregam o gosto de tudo que passou na chapa durante a semana. Isso mais um Nescau gelado ou um pingado é imbatível. Estou aberto a embates públicos com qualquer um que queira me refutar. Embates físicos e/ou orais, que fique claro

Outro ponto onde o ufanismo apertou o calo durante nossa expedição foi em relação a comunicação com europeus no geral.

Peguei um certo ranço dos gringos durante esse período, sempre se maravilhando por tudo, com uma ingenuidade e humor um pouco “bobos”. Sei que isso é tolice e provavelmente um reflexo de como precisávamos de um descanso, afinal conseguir se maravilhar é algo legal e que deve ser valorizado. Mas, como estávamos com nosso humor mais sombrio, preferimos o cinismo e a inigualável capacidade brasileira de criticar tudo. Juro que isso está curado agora.

Galera da TAO!

E, para completar as observações sobre a TAO, ficam os dois últimos destaques: o lechon mal cozinhado que quase nos matou e Brett, o explorer. O lechon nada mais era que um porco no rolete que a tripulação resolveu fazer como surpresa pros membros da expedição, mas deixaram apenas duas horas em uma brasa baixa e o bicho estava completamente cru. Foi bem no último dia e nosso desejo por carne foi apenas iludido por esse leitão maldito. Quanta decepção. Brett, por sua vez, era um australiano ímpar com um sotaque mais ímpar ainda. Um homem de meia idade, corpulento e meio gordinho, que se vestia como um explorador. Ele gostava de se envolver nas atividades da tripulação (tipo ajudar eles a cozinhar, o que é bem legal da parte dele) e ficava de forma bizarra sempre pelos cantos, nunca realmente interagia com o resto do pessoal. Na noite que fizemos uma fogueira, por exemplo, estava lá um grupo trocando ideia perto do fogo numa boa, do nada uma luz se acendeu na escuridão, todos nos assustamos com uma intervenção tão impactante vinda das sombras. Era o Brett, sentado sozinho. Ele resolveu ligar sua lanterna, ir até o fogo, revirar uns pauzinhos para atiçar as chamas e aí o que? Invés de ficar com a galera conversando ele voltou pro seu canto escuro, sentou e apagou as luzes. Foi dramático e foi lindo, quase como o Batman sendo abraçado pelas trevas. Brett, seu doce príncipe, nunca mude. 

Nossa fiel embarcação durante esses dias

Foram 5 dias inesquecíveis com a TAO. A aventura de uma vida, mesmo. Meu único arrependimento é saber que fizemos uma coisa tão incrível com um humor não tão incrível assim. Estávamos um pouco cansados e abalados por experiências recentes, com a mente a mil por hora e a alma um pouco envenenada. Mesmo assim foi incrível, mas eu explico melhor essa nossa condição “estranha” no próximo post.

Beijos Quentes

Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 2

Nossa galerinha

Do rio mais lamacento e da pradaria mais poeirenta surge, como um bálsamo para dias difíceis, mais um capítulo deste blog sobre o Camboja. Pode respirar aliviado(a), limpar a lágrima que escorreu nesse rostinho lindo e comece a ler. 

No post anterior falei sobre como era a vila, a escola em que ficávamos e o potencial de destruição dos nosso “alunos”. Agora vou falar mais sobre nosso dia a dia lá. Para os que perderam a parte 1, clique aqui.

Nossa rotina era mais ou menos a seguinte: acordávamos umas 7 da matina, tomávamos café e das 8 às 10 dávamos aula pra turma da manhã. Essa era a molecada mais carente, os que dormiam lá pois a situação em casa era extrema (pais alcoólatras, falta de comida, falta de água, etc…). Eles não iam para a escola pública da vila e se ficassem em casa teriam que trabalhar. Eram um pouco mais “atrasados” que o resto das crianças em inglês e bem distraídos, mas no fim acabamos nos apegando muito a eles, afinal estavam sempre lá com a gente (para o bem e para o mal). 

Parte da turma “da manhã”

Depois disso tínhamos um tempo de brincadeira e almoçávamos (as crianças também, o Rady alimenta as que ficam por lá). Depois, das 2 às 4, começava a turma da tarde, uma classe bem mais cheia, formada por toda criançada que chegava da aula na escola pública. Normalmente essa classe fluía melhor, apesar de ter mais bagunça. Meu Deus, como é difícil ensinar. E como é difícil ensinar sem ter uma língua base em comum. Passar conceitos é quase impossível. Às vezes o Rady nos ajudava, mas normalmente nossas aulas eram pautadas em vocabulário, coisas que conseguíamos transmitir com desenhos e mímicas. Certa vez tentei mostrar o mapa-múndi para elas e parecia que eu estava falando da teoria da relatividade. Quando tentamos ensinar os conceitos de “hoje, ontem e amanhã” também. Ser professor é saber lidar com a frustração. Aliás é muito legal quando você vê uma criança aprendendo algo que ela tinha dificuldade de assimilar, mas eu não tenho a paciência nem a nobreza para passar muitas vezes por esse processo, eu curtia os que pegavam tudo mais rápido. Um salve para os verdadeiros professores do mundo.

Depois dessa aula tinha mais um momento de brincadeira, normalmente eu jogava bola com as crianças, ou melhor, jogava a versão kamikaze de futebol que elas praticam. Até em mim elas davam carrinho e porrada, pensem em um jogo com raça.

A porrada comia solta nesses jogos de fim de tarde

Mesmo que tentássemos ficar tranquilos e, por exemplo, ler um pouco, não dava. A molecada estava sempre animada e eles precisavam de muita atenção. Aparecer com o celular em público era o mesmo que aparecer pintado de ouro e com duas bolas de sorvete na cabeça – o pessoal voava em cima.

Após a última bagunça do dia era banho e cama.

Mas calma lá, e o banho? Bom, até tinha um chuveiro, mas a pressão da água era a mesma do xixi do meu avô quando ele tinha 87 anos. Não dava nem pra molhar o cabelo. O que restava era usar uma torneira secundária e se virar no banho de canequinha. O toalete também não tinha descarga, claro. Era tudo na base do baldinho. As crianças eram bem encardidas, com problemas de pele e piolho, mas adoravam tomar banho, mesmo que não o fizessem “direito” (elas só se molhavam), pois em casa elas não tinham água assim. Nunca pensei que um chuveiro pudesse simbolizar tanto distanciamento social. Certo dia compramos suprimentos de higiene para todos, ensinamos a escovar os dentes e demos um banho bem dado na turma, com shampoo e tudo. Eles adoraram. 

Aparato novo em mãos

Enfim, a semana seguia mais ou menos assim, com nossas aulas um pouco desajeitadas no começo, mas depois em um bom ritmo. Eu era meio maníaco e queria deixar tudo preparado, mas depois saquei que além das aulas estávamos lá por outros motivos também, e nem sempre a classe iria prestar atenção ou entender completamente a matéria.

O tempo todo seguiu mais ou menos como o descrito, muita atenção para as crianças, um pouco de falta de paciência em dados momentos, nenhum ou pouco espaço privado e uma tremenda raiva de ter perdido tempo com a porra de uma série chamada Mansão Hill ou algo assim. 

Fizemos uma vaquinha para a escola, que foi um sucesso (garantiu um poço novo de água e um terreno para plantio)  e um baita esforço de criação de conteúdo da Má. Aliás ela que fez tudo dar certo. Parabéns pra ela e muito obrigado pra quem ajudou de alguma forma! A Marina também pegou piolho das crianças, informação importante. 

No fim aprendi a lidar melhor com a carência da meninada e já abraçava todos sem parecer um robô de outro planeta. Mais uma conquista dessa experiência. 

As crianças agradecendo a quem doou

Fora aulas, brincadeiras, jogos de bola e etc… ainda fomos convidados pra dois casamentos, cada um em uma semana. Aliás de Novembro a Março é temporada de casamentos no Camboja, pois depois todo mundo tem que trabalhar nas plantações de arroz. O primeiro casório não foi notável, ficamos pouco e depois fomos tomar uma com a família do Rady em uma espécie de piquenique em um terreno em frente de onde ele morou quando criança. Essa parte foi gostosa, tomamos umas cervejas com uns cambojanos e não entendi nada da conversa deles. Também não parava de chegar gente, era pessoa saindo do mato, pessoa chegando de moto, de bicicleta, etc… uma noite interessante. Foi lá que nos ensinaram que toda vez que alguém vai beber é necessário brindar. Toda vez. TODA. É legal no começo, mas depois enche o saco. Não sei se isso é costume mesmo ou eles estavam zoando com a gente.

Eu fui de calça de trilha e tênis no casamento. E eu ainda me arrumei para esse

O segundo casamento aconteceu no vizinho da escola. Foi aí que descobrimos que as festas duram mais de um dia aqui, e que o som da cerimônia começa 5 da manhã, uma beleza. E a vila pode ser a mais pobre do mundo, mas aqui eles não economizam em som não. São umas 15 caixas gigantes empilhadas uma em cima da outra, como uma montanha de decibéis e ódio. E eles não deixam o volume moderado, é aquele volume tão alto que estoura tudo. Ninguém tá nem aí pra qualidade, o negócio é propagar o som pelo mundo. Música de festa, música de cerimônia, discurso dos sacerdotes, tudo passa por essas caixas da destruição. Foram dois dias seguidos com música no último volume desde a madrugada. Pelo menos aproveitamos mais esse casamento. Vi de perto a bagunça que é a festa. Realmente um evento comunitário, com a vila toda se juntando, comendo, crianças correndo, bichos passeando no meio de tudo, poeira, etc… um caos dos mais divertidos. Inclusive sequestraram a Marina pra colocá-la em um vestido e maquiagem tradicionais. O problema é que enquanto ela estava nesse processo um molequinho muito pentelho (nunca tinha visto antes) grudou em mim. Toda paciência que tive com os alunos não tive com ele e quase joguei o figura no fosso (errado demais, eu sei. Desculpe criança pentelha). Essa festa ainda aconteceu na nossa última noite lá, então os alunos pediram pra dançar com a gente. Foi uma cena engraçada (para não dizer outra coisa), baita technera rolando, um monte de criança correndo e se jogando na terra e eu e a Marina no meio. Isso em um casamento numa vila Khmer no meio do Camboja rural. A vida pode ser lindamente aleatória às vezes.

Marina trabalhada no tradicional e eu…bem..melhor deixar pra lá
Bagunça na rave casamento

Fora nossa vida no campo ficamos uns 4 dias em Siem Reap, uma cidade bem gostosa e barata pra se embriagar. Achei chopp por 2 reais. 

As ruínas são demais 1

Claro que visitamos o Angkor Wat e outros templos do complexo de ruínas. Uma experiência inesquecível para quem gosta desse tipo de coisa. Templos budistas e hindus “mais antigos que o Brasil”. Muitos sendo devorados pela natureza. Visual incrível e ainda mais legal se você é familiar com Uncharted, Tomb Raider e Indiana Jones. Fomos dois dias para o complexo, um de bicicleta (quase morremos com o calor) e outro de moto. Recomendo fortemente. Se você não tem muita noção do que estou falando dê um Google.

As ruínas são demais 2

Nosso dias por lá também foram marcados pelo encontro com um casal de amigos, o pessoal do @gemeosnamlchila. Família incrível que viaja na maior parceria. São mais incríveis ainda pois acharam no mercado local uma peça gigante de mozzarella, e meus amigos, vocês não sabem como um queijo bom faz falta depois de muito tempo de Ásia, mesmo que um “simples” mozzarella. 

Molecada vai deixar saudades

Recomendo que vejam os destaques do Instagram da Marina (@sejogaai) para entender melhor sobre nosso tempo no voluntariado, a história do Rady e até do Camboja no geral. 

Boa semana, não assassinem quem não mereça.

Beijos quentes.

Camboja ou o capítulo do voluntariado – Parte 1

Pôr do sol nos campos da vila

Do calor, da sujeira e da poeira eis que surge mais um episódio de alegria em suas vidas. Sim, amigos, está começando mais um capítulo do blog mais exclusivo do Brasil

Esse relato é sobre a experiência mais impactante que tivemos no ano, quem sabe na vida. Falando em ano, como está o seu até agora? Sei que no mínimo está sendo agitado, pois o mundo parece uma bagunça no geral. Mas não aquela baguncinha agradável, aquela baguncinha que começa como um churrasco despretensioso e termina com um nível muito além do recomendado de Velho Barreiro consumido, “Coração Sertanejo” no som e um revival da banheira do Gugu na piscina. Não. As coisas estão mais pro estilo “o tio voltou bêbado de novo do forró e está violento” de bagunça. Nada agradável. 

Será que algum lugar do mundo está legal no momento? Quer dizer, eu  passei por vários lugares legais, não tenho do que reclamar, mas eu não moro neles e sei que a maioria (senão todos) tem sérios problemas socioeconômicos. Vira e mexe me sinto culpado por estar visitando e me divertindo em um país com qual não concordo com políticas ou pior, está ou esteve envolvido em alguma atrocidade. Mas se eu fosse barrar lugares da nossa lista de viagem por isso quase não sobraria pra onde ir. Por exemplo, não fomos pra Myanmar por causa do massacre recente de muçulmanos, mas fechamos os olhos pra várias outras coisas – nada como uma dose diária de hipocrisia. Acho que esse tema rende um post em si, posso continuar outro dia.

Mas vamos falar de coisas mais leves,  como a guerra no Camboja e uma população quase que totalmente dizimada.

Calma, brincadeira, teremos pontos de alívio cômico nesse capítulo.

Caso vocês não lembrem o último capítulo terminou conosco saindo do Vietnã após a festança glacial em Ha Long Bay e indo pro Camboja, em direção ao nosso trabalho voluntário.

Eu estava nervoso, vou confessar. Pra variar criei uma pressão desnecessária sobre o fato, me preocupando se realmente conseguiria ensinar e ajudar essas crianças (ia lá dar aula de inglês). Além disso era uma situação muito fora da minha zona de conforto, teria que ter um nível de envolvimento com outros que quem me conhece sabe que não é meu forte. Enfim, fomos encarar.

A rua principal do vilarejo

Já vou adiantar aqui que foi uma experiência maravilhosa, daquelas de mudar a vida mesmo. Um soco de realidade. Eu sei (acho) que todo mundo do grupo restrito de leitores do blog é instruído e tem noção das diferenças sociais que existem no mundo, dos nosso privilégios e facilidades. Eu também sabia disso tudo e achava que conhecia da vida. Mas estar lá é diferente, é a materialização de um discurso interno que até o momento era só isso mesmo, um discurso. A porra da pirâmide de Maslow despencando na sua cabeça pra te fazer ver como os níveis inferiores são pesados e importantes. Água, comida, higiene. Ao aprender o tema na faculdade isso aí nunca foi preocupação. 

Desculpe se no momento meu discurso flutua pro lado do “iluminadão do voluntariado”, mas eu nunca tinha participado de ações tão intensas assim. Já tinha ajudado a cuidar de crianças no natal em uma escola no centro de São Paulo, ajudado a organizar mantimentos para Mariana e feito aquela ocasional doação de fim de ano para as crianças da creche Mãezinha, em Itu (sim, esse lugar existe). Ações rápidas e de pouco envolvimento. Sei que você, lendo isso, pode ser bem mais experiente que eu nesse quesito, e nesse momento eles devem estar lendo e pensando “no shit, Sherlock”. Juro que o momento iluminadão vai acabar. 

Enfim, foi bom e foi diferente. Fica a reflexão que no atual momento eu devo ter feito mais pelo Camboja do que jamais fiz pelo meu país, algo que quero mudar no futuro. 

Garotada e um amigo nos campos

Claro, alguns podem argumentar que a minha mera presença radiante nas ruas de São Paulo contribuiu pra elevar a moral dos trabalhadores brasileiros ao longo dos anos, mas eu não sei se foi pra tanto. Caso você não tenha notado o momento iluminadão já acabou e agora vou voltar pro relato.

Chegamos em Siem Reap e já tinha um motorista do projeto nos esperando. Mal pisamos no Camboja e já estávamos em direção ao voluntariado, onde ficaríamos duas semanas. A escola, ou centro, em que trabalhamos fica a uns 40 kms da cidade, numa vilazinha rural.   As estradas não são uma maravilha e em dado momento viram de terra, por isso mesmo um carro bom leva uns 40 ou 50 minutos pra chegar lá. 

Já era noite quando fomos recebidos por Rady, o idealizador do projeto, e algumas crianças que nos esperavam para dar um oi. O primeiro contato com elas já deu a tônica de como seriam os próximos dias. Bagunça, muitos apertões e abraços. Elas amam o toque, não sei se por carência emocional ou por serem um povo afetivo, desconfio que mais pelo primeiro quesito. Eu não sou a pessoa mais carinhosa que já pisou na terra, e mesmo sabendo onde estava indo e porque estava indo isso me causou estranheza. Esse excesso de contato que a molecada necessitava. Inclusive às vezes enchia bem o saco, para ser sincero, mas acostuma e, inclusive, amolece o coração.

Como estava tudo escuro não deu pra ver muita coisa, só que a escola operava em uma estrutura bem simples, com duas casas de bambu para as crianças mais carentes da vila dormirem, uma cozinha quase a céu aberto, um chuveiro e um toalete (depois comento sobre a qualidade deles). Algumas casinhas de madeira serviam como classes e uma outra casa maior, também de madeira, era um grande quarto pros voluntários, no caso nós eramos os únicos lá no momento. Logo fomos dormir. Ou tentar. A ansiedade dentro de mim era quase opressora.

Casinhas usadas pelas crianças mais carentes – sala de aula era atrás delas

O dia seguinte era segunda-feira, mas feriado, uma data comemorando o fim da guerra civil que assolou o país, por isso não teve aula, mas fomos com uma caravana de crianças conhecer a vila. Na verdade não tinha muito o que conhecer, o local é formado por algumas casas e plantações que beiram uma grande estrada de terra vermelha. Andamos com a molecada por quase toda essa estrada, passando por casas simples até uma rua pavimentada que é a marca não oficial do fim daquela comunidade. Visualmente o lugar me lembrou muito a savana africana. Plano, com horizonte longínquo, muita vegetação seca e amarela, plantações de arroz inativas e algumas árvores aqui e ali. Sem falar que tudo lá tem tons de laranja e vermelho, principalmente por causa da poeira que toma conta de tudo.  A poeira vermelha da estrada que gruda em tudo e em todos. Eu lembro da vila e imediatamente lembro dessa poeira, um lembrete incômodo da realidade do local, algo que te puxa de novo para uma realidade que não é nem um pouco melhor do que um sonho. Considerando que estávamos no Camboja, talvez o visual devesse ser mais de floresta tropical do que o que vimos, não sei se o cenário em questão foi construído pela interferência do homem ou aquela região em particular é assim

Rostos sorridentes na poeira

Sem falar que é bem quente, andar por ali onde não tem tanta oferta de sombras é muito cansativo. O calor é diferente do que senti na Tailândia, que era úmido como Manaus. Ali era seco. Enfim, calor gera suor, e suor, com a já supracitada poeira, gera uma pasta grudenta e irritante que é parte integral do “milanesa do Camboja”.

Estilo das casas locais

As casas da vila são, no geral, bem módicas, por falta de um termo melhor. Geralmente de madeira ou bambu e apenas com um cômodo onde todos dormem juntos, cozinham, etc… muitas delas são suspensas, quase como em palafitas, apesar de eles não serem uma população ribeirinha ou morarem em uma área de inundação. É simplesmente tradição, até porque o espaço que fica embaixo das casas é usado para relaxar, armazenar coisas e para lazer. Grande parte delas não tem eletricidade ou acesso a água, por isso muitas crianças gostam de ficar na escola, que tem uma infraestrutura melhor que a média da região. Aliás, água por ali é só de poço, encanamento e saneamento básico são um sonho distante. 

É um lugar bem pobre.

Nada de selva por aqui

Outra coisa que observei durante essa primeira andada pela vila e que confirmei nos outros dias: o povo por aqui adora camisetas de futebol. Camboja é um país que parece ter seguido os conselhos de moda do Rafael de 15 anos, que acreditava que camiseta de time, shorts de tactel e chinelo é o único visual possível. Aqui muita gente anda assim. Meninos, meninas, adultos, eu….  No começo achei que era paixão pelo esporte, mas comecei a tentar a puxar papo sobre o tema e ninguém entendia muito. Depois saquei que aquelas camisetas do Barcelona, Juventus e Real Madrid só estavam vagando pelas ruas porque deviam ser as mais baratas nas lojas. Se você ainda não entendeu, obviamente não eram camisetas oficiais. Mas importante dizer, eles adoram esporte por aqui, principalmente vôlei e futebol, mas não necessariamente conhecem esses times que citei.  

Depois que demos esse nosso passeio pela vila voltamos pra escola e ficamos brincando com as crianças até o almoço. Todas refeições eram bem simples e locais, o Rady mesmo que preparava tudo. Acho que ao longo dos dias comi carne de cobra e com certeza tomei uma sopa de formigas, mas normalmente o que comíamos eram vegetais e frango. Com arroz, claro. 

Parte da nossa turminha incrível

O período da tarde desse mesmo dia foi uma experiência meio traumática pra gente, pois o Rady saiu e nós ficamos tomando conta das crianças, só que sem ele lá (e talvez pela excitação de nosso primeiro dia) elas viraram uns capetas. Ficavam brincando com coisas como facas (??), se batiam, gritavam, fizeram guerra de talco e água, sujaram a escola inteira e em dada hora começaram a comer larvas da folha de bananeira. Nós ficamos igual baratas tontas tentando entender o que fazer e como controlar aquela horda de adoráveis delinquentes. No fim desse primeiro dia eu já estava cansado e bem do arrependido. Mas depois as coisas melhoraram. Nada como uma noite de sono quase em coma pra curar esse tipo de coisa.

Vou dividir o post em 2 partes, pois tem bastante coisa para contar. Agora que a vila e as crianças já foram apresentadas no próximo texto vou detalhar nossa rotina e as peripécias em que nos enfiamos – por exemplo, participamos, sem querer, de dois casamentos. Aguarde.

Beijos Quentes

Vietnã ou o capítulo do Excesso de Vinho de Arroz

Esse relato cobre eventos de 19/12/2018 a 25/12/2018

Isso aí é normal no Vietnã

Olá, moradores do grande limbo cósmico chamado planeta terra. Estamos no fim de mais um movimento de rotação do nosso planeta (ou começo, sei lá quando você vai ler esse post) e nada melhor para acalmar a alma do que ler sobre as desventuras e percalços de pessoas que foram se aventurar por essa grande esfera maluca. Sim, eu disse esfera. Ou melhor, geoide. Aqui é uma blog livre de terraplanistas, se você acredita que nosso planeta é achatado por favor feche seu computador e vá ser feliz dentro da sua imaginação perversa. Ou não, eu gosto de ter leitores. Fica aí, meu chapa. 

No último relato descrevi nosso preguiçoso tempo por Luang Prabang, a famosa CIDADE GOSTOSA. Um lugar lindo, calmo e bom para comer, a base da felicidade para qualquer casal adepto da inércia como nós. 

Como vocês podem imaginar foi difícil dar tchau para Luang Prabang, principalmente porque para ir embora de lá pegamos um avião que parecia saído do Caçadores da Arca Perdida e confesso que, pela primeira vez na vida, fiquei com medo de voar. Pelo menos a tarde estava linda, um pôr do sol estarrecedor acompanhou nossa decolagem e deixou todas montanhas em torno da cidade douradas, o último presente de Luang Prabang para nós. Um bom dia para presenciar uma pane nas hélices do avião, cair no coração da selva e ter que comer os passageiros mortos para sobreviver. Se fosse para acontecer uma desgraça, melhor que acontecesse em um cenário bonito. 

Felizmente isso não ocorreu e após o paradoxo tempo de 60 minutos chegamos em Hanoi, Vietnã. Para nossa surpresa o tempo estava mais “fresco” do que considero confortável, um prelúdio para o que estava por vir na nossa jornada. 

Hanoi é um caos apaixonante. Uma mistura louca de scooters, buzinas, carros, cafés e pessoas do mundo todo. Sempre em movimento e sempre com algo para ver. Acho que senti aqui o que esperava ter sentido em Bangkok, aquele clima “sujeira underground interessante”. Para começar nada diz melhor “bem vindo à Hanoi” do que quase ser atropelado por uma moto. O trânsito é intenso e maluco, as calçadas existem apenas para estacionar scooters e semáforos são meramente decorativos. Atravessar a rua aqui é o maior ato de fé que praticamos na viagem – você pisa no asfalto e de repente se vê cercado de vietnamitas motorizados por todos os lados, me senti como Simba fugindo dos antílopes, búfalos ou o que quer que fossem aquelas animais que participaram de maneira robótica no assassinato de Mufasa (RIP). Claro, depois de um tempo a loucura acostuma e aí não é preciso nem olhar pros lados para atravessar uma rua, porque você sabe que a turma vai desviar, o movimento do trânsito lá é quase como um fluxo orgânico que sabe sempre encontrar seu caminho. Apesar de ser mais seguro do que aparenta ainda classificaria “ser pedestre em Hanói” como esporte radical. O Vietnamita tem uma habilidade com a scooter que é digna de nota, praticamente são os mongóis do séculos 21, só que invés de fazerem tudo em cima de cavalos usam motores de até 110 cilindradas. Sei que em diversas partes da Ásia a motinho é o principal meio de locomoção, inclusive na Tailândia e Laos por onde já tínhamos passado, mas mesmo assim elejo o Vietnã como a terra suprema da imprudência e habilidade sobre duas rodas. Talvez apenas os indianos consigam competir com os vietnamitas.

Hanói é uma cidade grande, com muito cinza e um bairro turístico chamado Old Quarter que é um chamariz para almas noturnas a procura de diversão. Bares, boa comida, uma explosão de luzes neon e aquela sensação de que alguma coisa inusitada está sempre a espera dentro das portinhas apertadas dos inúmeros estabelecimentos duvidosos de entretenimento. Vimos algumas poucas heranças da guerra: o museu, a prisão e restos de equipamentos americano pelas ruas, como tanques e caças, mas não visitamos esses lugares (sem falar que o quebra-pau nem chegou tão ao norte assim).

A beleza peculiar de Hanói

Achei uma cidade interessante de se visitar a pé, inclusive achamos um lugar (sem querer) que depois descobrimos ser bem turístico, são os trilhos de uma linha de trem que corta o meio da cidade. Existem diversos bares e cafés ao longo deles, bem coisa de hipster. Também existem milhares de casas amontoadas uma em cima das outras, um acúmulo vertical de concreto que acompanha a linha. Passamos nosso fim de tarde por lá e a Marina deixou uma marca permanente no local, pois pisou em toda uma passagem recém cimentada por um velhinho que quase surtou quando viu ela sapateando em cima do trabalho dele recém terminado. Claro que isso foi sem querer, mas o senhor não quis nem saber e começou a gritar para nós dois que por puro instinto nos mandamos de lá. A Marina estreou o que ainda irá se tornar a famosa calçada da fama de Hanói.

A linha do trem 1
A linha do trem 2

Depois de uma curta estadia na cidade partimos para Sapa, uma cidade bem ao norte do Vietnã, na região montanhosa do país. Para chegar lá pegamos um busão “leito” que nunca tinha visto na vida, nele o assento já é uma espécie de cama, algo estranho, mas confortável (se você não for muito alto). Pegar ônibus, van ou qualquer outro transporte terrestre pelo país é uma aventura, principalmente na região das montanhas, que é dominada por estradinhas estreitas e sinuosas. Digo isso pois os vietnamitas preferem usar a buzina ao freio.Impossível manter a conta do tanto de barbaridade motorizada que vi por lá.

Depois de uma boa dose de desconforto, dor, uma dose de bílis na garganta e paisagens exuberantes chegamos em Sapa, uma espécie de Campos do Jordão vietnamita. Isso se Campos estivesse em eterno estado de construção e fosse dominada por chineses. Não me levem a mal, a cidade fica em um lugar muito bonito, uma região cheia de vales e desfiladeiros, e ela própria é charmosa. E também bem turística. Até que gostei de Sapa, embora o frio estivesse apertando, mas nosso objetivo lá era fazer um trekking pelos vales e montanhas nos arredores da cidade, coisa que começamos no dia seguinte.

Os caminhos de Sapa

Nosso passeio foi um trekking de 3 dias e 2 noites e fomos com uma guia local, moradora das inúmeras vilas que ficam espalhadas pela região. Estávamos no extremo noroeste do país, um lugar que abriga 5 tribos nativas diferentes (com costumes, roupas e idiomas diferentes) e passamos por vilas de várias delas pelo caminho, foi muito bacana. Pegamos um tour privado, mais caro, mas que seguia uma rota bem menos utilizada por agências turísticas e valeu a pena, senti que passamos por locais bem autênticos e como eu adoro andar, fazer trilha é uma das atividades que revive o velho “espírito de aventura” de que tanto gosto de sentir. Não sei explicar, mas parece que vagando por aí tenho a impressão de estar interagindo com a natureza e os ambientes que visitamos. Aliás, que cenários incríveis. Atravessamos terraços lamacentos de arroz, trilhas que rodeavam montanhas e desfiladeiras, florestas de bambus e vales que dormem à sombra do monte Fan Si Pan, a montanha mais alta da Indochina. Em um desses vales, no nosso segundo dia de caminhada, senti uma alegria e paz que há muito tempo não sentia, foi uma avalanche bucólica que me deixou leve e calmo. Foi um momento de quase parar no tempo, a realidade consistia apenas de  nós três e o sons da natureza deslizando por um corte em meio às montanhas do Vietnã. Desculpe o lapso poético aqui, prometo que nunca mais irá acontecer.

Esse vale era demais

Outra ponto que gostei muito do passeio foi que dormíamos em casas de locais e fazíamos refeições com eles. Os lugares eram simples, porém acolhedores, e a primeira noite foi memorável, pois o anfitrião da casa (que não falava uma palavra de inglês) me encheu de vinho de arroz, ou como eles chamam aqui, happy water. Foi divertido e um pouco tenso ter que virar muitos shots daquele negócio com um gosto bem mais ou menos, mas seria falta de educação recusar, ainda mais porque os anfitriões estavam recebendo um amigo. Mas deixa eu elucidar aqui, não é que foram 2 ou 3 shots. Nem 4 ou 5. Nem 6 ou 7. Foram mais de 10 shots (não lembro quantos exatamente) de um destilado potente. Olha, o pessoal teve sorte que eu não vomitei todo frango e rolinhos primavera que tinha comido, porque as chances eram altas. Consegui me segurar, não passei vergonha e apenas fiquei vermelho como meus companheiros de bebedeira. Passei no teste e agora já posso integrar qualquer exército revolucionário do norte do Vietnã. Enquanto isso a Marina conversou muito com nossa guia e a nossa anfitriã, as únicas que falavam inglês no local e ambas de tribos diferentes. Ela pode entender em primeira mão como os povos das montanhas se viram de tudo quanto é jeito para sobreviver e mandar os filhos para as escolas, mesmo quando não é temporada de colheita de arroz. Foi uma experiência profunda culturalmente e enquanto isso eu só estava me afogando em álcool e decisões ruins.

Rapaz….

Interessante que depois do jantar todo mundo senta perto do fogo usado para cozinhar, que faz vezes de lareira, e conversa um pouco. Nessa noite apenas eu e a Ma estávamos no homestay, por isso interagimos bastante com a família da casa, todos da tribo Red Dzao. Nossa guia (a querida Mu), por exemplo, é Hmong e mora apenas alguns quilômetros de distância de onde dormimos. 

E essa foi a tônica do trekking todo. Cenários incríveis, situações inusitadas (até por um velório passamos), contato local (aparentemente) autêntico e aquela mistura gostosa de frio e suor que deixa qualquer um que não está com as doses de Energil C em dia resfriado. Demos uma baita sorte pois fizemos a trilha antes do tempo virar um amontoado de nuvens cinzas, temperaturas perto de 0 e tristeza. 

Boa companhia

Voltamos pra Sapa no dia 23 e decidimos ficar duas noites na cidade pra relaxar um pouco e comemorar o natal. Não conseguimos, pois na véspera da festa do bom velinho ficamos conversando com a família por ZAP e quando saímos para comer tudo já estava fechado na cidade, menos uns poucos bares, por isso tomamos uma cerveja com valor exorbitante e jogamos truco. Um brinde às tradições natalinas.

Depois de Sapa decidimos continuar pelo norte do país, mas dessa vez fomos para uma região um pouco mais central e bem perto da fronteira com a China, a província de Ha Giang. Nossa viagem até lá foi conturbada, como são todas viagens em vans apertadas na Ásia, mas isso é assunto para o próximo post. Não perca nossa aventura de moto por penhascos vietnamitas.

Beijos quentes

Tailândia ou Medo e Delírio em Chiang Mai

Esse relato cobre os eventos de 27/11/2018 a 11/12/2018

“… and if you gaze long into the abyss, the abyss also gazes into you”

um alemão de bigode engraçado

Olá companheiros de caminhadas estranhas, volto da minha sombria jornada pelos cantos escuros da mente para a agraciá-los com este que será um “bottle episode”, ou para os que não estão acostumados com o jargão televisivo, será um episódio com budget menor que se passa quase que inteiro em apenas um lugar. Mas não se enganem, isso não quer dizer que esse será um relato inferior. Pelo menos espero que não, ainda não o escrevi pode ser que termine uma porcaria. Veremos. 

Em nosso último contato descrevi tudo que aconteceu até nossa última noite em Chiang Mai. O que aconteceu foi uma sequência simples de acontecimentos: apenas dormi, acordei, dormi de novo, perdi hora e fomos correndo pegar o ônibus local até o retiro de meditação. O monastério fica, teoricamente, em Chiang Mai, mas afastado do centro da cidade, cerca de uma hora de transporte público.

Mas calma lá. Como assim retiro? Meditar? Eu explico. O nosso grande objetivo ao nos dirigirmos para o norte da Tailândia era chegar até esse centro de meditação que nos foi indicado por um grande amigo. A ideia era mergulhar em um curso básico de 15 dias, seria uma experiência totalmente diferente para nós dois, pois ninguém do casal praticava meditação e muito menos sabíamos muito sobre Vipassana, a técnica que iríamos aprender. Foi uma das experiências mais aleatórias e pouco planejadas da viagem, e foi animal. E díficil. Quiçá a coisa mais difícil que fizemos. 

Nossos amigos monges

Chegamos alegres e vistosos como turistas devem parecer quando chegam para uma experiência de meditação, mal sabíamos onde estávamos nos metendo. 

Não quero passar a ideia errada, como já adiantei acima, foi sensacional e uma das coisas mais legais que fiz até hoje. 

Para os que não me conhecem direito preciso dizer que espiritualidade não é meu forte, mas tinha curiosidade pela prática e todos benefícios desse “controle da mente” (sei que não é o melhor termo, desculpem). Digamos que, para mim, essa jornada tinha muito mais de Doutor Estranho do que de Siddhartha. 

Bom, logo chegamos e já recebemos nossa introdução ao local. O retiro fica dentro do complexo de um monastério super antigo e um local sagrado para a região, por isso tínhamos que seguir à risca as regras dos monges. Ou seja, isso incluía seguir alguns códigos e mandamentos budistas, como dormir apenas 6 horas por dia (das 10h até às 4h), não comer nenhum sólido após meio dia (almoço era às 11h), não matar (nada, não só gente, mas também qualquer inseto, bicho, ácaro e o caramba), sem toque ou relações sexuais e por aí vai. Também não podíamos consumir nenhum tipo de entretenimento, como ler, escutar música, assistir Netflix e etc… essa era uma regra específica para quem estava em período de curso, pois os monges andavam pra lá e pra cá com o celular, aposto que devem ser todos otakus. Os professores do retiro também. Outra regra válida apenas para esse período de 15 dias era manter o máximo de silêncio possível, não era proibido falar, mas quase todo mundo ali estava em período de meditação e ninguém queria desfocar. Isso incluía não falar com a pequena Marina, minha bela cônjuge. 

Eu posso ter lembrado de algumas “regras” e esquecido de outras, mas um bom resumo é: podia meditar. O resto não podia fazer. 

E como meditamos. 

A dupla – Certeza que a Marina estava tirando um cochilo

Foi o maior “zero a cem” da minha vida, pois nunca tinha praticado de verdade. Você chega e já começa com “leves” 10 horas de meditação por dia. 5 horas de meditação andando e 5 horas de meditação sentado.  Você deve completar essas 10 horas em pequenos “rounds” de meditação, que começam com 10 minutos em pé, 10 minutos sentado e 20 minutos de descanso. A cada dia a prática é aumentada em 5 minutos para cada tipo de meditação, ou seja, no décimo dia você já estávamos fazendo 1 hora por “estilo” e totalizando um round de 2 horas. A porcaria do tempo de descanso nunca aumentou. 

Claro, a coisa não é tão rígida assim, e se eles percebem que você está dando seu melhor (e realmente levando a sério) tudo bem afrouxar o tempo da prática em alguns momentos. Mas eu sou eu, caxias que só, e quis fazer tudo certinho como o indicado. Quase morri. Acho que não ser tão duro com esse tipo de auto cobrança foi um dos meus aprendizados por lá.

Era tanta prática que não sobrava tempo para mais nada no dia, além de almoçar e tomar café da manhã. Nem dava para sentir muita fome ou desejar algum tipo de entretenimento. Claro, isso vem à tona, mas foi bem mais fraco do que eu esperava. 

Uma vez por dia eu encontrava a minha guia do retiro e trocava uma ideia. Era um momento bacana, pois apesar de todo mundo ter uma jornada diferente o guia sempre sabia mais ou menos em que estágio você estava do programa. Essa era também a maior interação que eu tinha com qualquer pessoa, tirando a foto do calendário com quem eu conversava às vezes no meu quarto. Sim, tinha um calendário com a foto de um monge importante lá e eu troquei muita ideia com ele, rapaz interessantíssimo. Agora pensando bem era melhor mesmo conversar com um senhor tailandês imaginário do que com a minha guia, afinal ao fim de cada bate papo ela aumentava meu tempo de meditação. 

“A Rafael mas como era a prática em si?” Calma lá leitor afoito, estou chegando nisso. Antes quero descrever meu quarto que compartilhei de forma injusta (ao meu ver), com formigas e mosquitos.

Eu fiquei no dormitório dos monges. Ou melhor, não era um dormitório, cada um tinha uma “casinha” individual. Tudo bem pequeno e colado. Uma espécie de conjunto habitacional budista. Era legal pois eu acordava com o mesmo gongo que os monges, assistia eles indo ao refeitório, andei com eles ao nascer e pôr do sol, vi pessoas oferecendo comida em troca de preces e o melhor, escutei todas funções corporais possíveis que um monge pode ter. Não são diferentes das dos outros humanos e eles não fazem questão nenhuma de esconder isso. Aliás tinha um monge que falava ao celular às 2 da manhã quase toda madrugada, devia ser meditação guiada por zap. 

Outro ponto importante sobre minha casinha era que ela era dominada por insetos que eu não podia matar, ou seja, qualquer tentativa minha de ter comida no quarto era frustrada por formigas. Mas aproveito para confessar que sem querer assassinei algumas dessas pequenas trabalhadoras ao comer um sucrilhos que estava empesteado delas. Como foi sem querer espero o perdão de Buda. Desde o primeiro dia tinha também um mosquito no meu quarto, acabei chamando-o de Jorge e convivi com ele até o fim do meu período lá. Até que o Jorge era bacana, não me picou muito.

Fora isso meu espaço ainda se reservava ao direito de não ter água quente e descarga. Mas, apesar de tudo, era limpinho e aconchegante (na medida do possível). 

O nosso canto (meu e do Jorge)

Enquanto eu vivia nessas condições a Marina ficou em uma casa do centro de meditação (não do Monastério) com varanda, ar condicionado, água quente e cozinha própria. Quem dizer que não existe divisão de classes dentro do complexo do mosteiro não sabe o que está falando. 

Último ponto descritivo que quero tirar do peito – todo mundo precisava andar de branco por lá, o que por horas me fazia pensar que eu estava em uma seita, apenas esperando o momento em que todos iriam tomar um chá especial para ascender aos céus de forma mais rápida. Deus me livre participar de um suicídio em massa na Tailândia, quero algo chique e que seja televisionado, no mínimo tem que ser nos Estados Unidos. 

Bom, agora que expliquei o contexto em que estávamos inseridos estou pronto para falar da meditação. A prática em si é muito simples, mas incrivelmente difícil de ser aplicada. O budismo de lá é do estilo Vipassana, que significa “ver as coisas como elas realmente são”. O objetivo maior desse estilo de meditação é estar no momento presente, ou como eles dizem em “atenção plena” (mindfullness). Nada de ficar perdido entre o passado e o futuro, como eu costumo/costumava fazer muito. 

Para atingir esse objetivo, de estar sempre no momento presente, você deve “notar” tudo que acontece com você. Estar consciente de todos os movimentos do seu corpo e da sua mente. “Notar” é simplesmente ter conhecimento de que algum fenômeno ocorreu, como um pensamento, um barulho, etc…. então a meditação não é daquele estilo “esvazie sua mente” nem nada assim, na verdade os dois estilos, sentado e andando, são exercícios para você sincronizar corpo e mente (o jeito mais fácil de voltar para o presente) e “notar” tudo o que acontece enquanto você os faz. Calma, vou dar um exemplo. Os exercícios vão aumentando em dificuldade, mas o estilo “andando” começa apenas com dois movimentos, você deve sincronizar seus passos com os pensamentos “direita vai aqui, esquerda vai aqui”. Simples né? E aí você faz isso por alguns minutos. Só que se ouvir um som durante essa prática você deve parar e “notar” repetindo na sua cabeça “ouvindo ouvindo ouvindo”. Se lembrar do fogão que esqueceu ligado durante o exercício você deve parar e pensar “pensando pensando pensando”. Se você imaginar todo mundo no hall de meditação pelado durante o exercício deve parar e pensar “pervertido pervertido pervertido” e depois “analisando analisando analisando”, pois as notações não devem ter caráter judicativo, elas apenas são observações do que você está sentindo/pensando/fazendo no momento. 

Parece besta e no começo é mesmo, mas você começa a perceber como essas “notações” impedem sua mente de viajar e te trazem de volta pra ação. Toda vez que eu ouvia um barulho, por exemplo, e não notava, era como se eu abrisse uma porta na minha mente e um monte de coisa saía de lá, e aí eu começava a viajar. O conceito básico é esse, o que acontece é que os exercícios ficam mais complexos e o tempo de meditação aumenta – 10 horas ou mais disso por dia. As notações são sempre feitas 3 vezes, não lembro porque. 

O hall de meditação onde a festa acontecia

Só que para esse processo começar a funcionar de forma “correta” é necessário passar por várias fases. É uma espécie de terapia encapsulada em 15 dias, afinal às vezes eu percebia que tinha pensado algo bizarro, depois me indagava por que pensei aquilo, e aí o buraco do coelho não tinha fim. São 10 horas por dia analisando suas próprias notações. Eu me odiei, me amei, odiei o mundo, fiquei irritado, senti saudades. Foi foda. As conversas com o guia são importantes pois ele vai indicando que algumas coisas são normais e também tentando te ensinar de leve alguns conceitos do budismo (nada forçado). Por exemplo, as notações são apenas observações, você não deve lutar contra o que está notando. Ao perceber isso é muito mais fácil se conhecer, se aceitar e deixar passar certos sentimentos ou pensamentos. Gostei desses papos e ensinamentos pois achei eles bem pé no chão, não foi algo dogmático como se espera de uma religião, mas sim como um conselho de um velho bêbado que fica no canto do boteco e que resolve conversar bem naquela noite em que você sabia que não deveria ter saído pois estava frio demais. Conselhos estranhos, mas que fazem sentido. 

Não virei budista nem nada, até porque pelo pouco tempo que ficamos lá o contato com o lado espiritual foi bem raso, mas gostei de realmente entender conceitos como: não temos 100% de controle de tudo, a impermanência das coisas e a insatisfação eterna em nossos coraçõezinhos (que existe principalmente no meu). 

Pelo menos dava para andar até um lago próximo e ver esse pôr do sol

Não vou falar mais sobre o processo porque realmente é uma coisa bem pessoal e posso estragar um pouco a experiência alheia caso algum dia alguém que lê isso aqui resolva se aventurar nos terrenos não mapeadas da mente humana. 

Porém vou falar que no começo, principalmente durante a meditação sentada (em que você fecha os olhos), rolam umas viagens muito loucas. Muito loucas mesmo. É diferente de imaginar ou sonhar, é mais real e bizarramente aleatório. Depois sua mente vai ficando mais “domada” e essas imagens não aparecem tanto, mas no começo teve de tudo na minha cabeça perturbada: cenas de filme comigo no meio, jogo de futebol com dinossauros, Nicolas Cage peixe com uma fantasia estilo Glub Glub, um japonês companheiro de prática saindo de um alface e mais milhares de coisas. Minha “visão” favorita foi quando do nada a Marina apareceu na minha cabeça fazendo um joia e usando um bigode falso, tipo aqueles exagerados de disfarce de filme. Mas garanto, tiveram coisas bem mais surreais.  No começo eu não anotava/escrevia nada (em teoria não pode), então perdi/esqueci muita coisa, mas quando vi que minha única anotação em 5 dias era “Doutor Estranho mais estranho ainda”, resolvi tomar vergonha na cara a registrar alguns fatos e viagens, anotações rápidas mesmo, para não infringir demais as regras. Também fiz uma lista dos filmes que invadiram minha cabeça de alguma forma, segue uma parte não alterada do compêndio original para vocês terem uma ideia da aleatoriedade (lembrando – são as anotações originais e não editadas):

Space Jam eh o melhor filme de esportes de todos os tempos – elaborar

Guerreiros do tempo (aquele do jean reno), tesouro nacional (nunca assisti). 

Breaking bad (meditando de cueca)

Bruxa de Blair

Deadpool 2

Quem vai ficar com mary

Drink no inferno

Julie e julia

Doug funnie

Esqueceram de mim 2

Mandy

Inception

Hellboy 

Clube dos Cinco

Cybercops

Terminator

Brooklyn 99

Incriveis 1 e 2 

About time

Fear and loathing in las vegas

Minority report

Kurosawa

Também passei algumas vergonhas, claro. A melhor foi ter dado aquele oi pra uma pessoa que estava saudando o Buda (achei que ela estava interagindo comigo). Certo dia, após comer uma coisa extremamente apimentada no refeitório peguei a garrafinha de água da Marina, que eu achei que estava com água, e dei um baita gole apenas para descobrir que o que tinha dentro era chá quente. Meus lábios quase se desintegraram, a dor consumiu minha alma e eu nem podia falar nada, pois todo mundo comia quieto igual defunto, parecia mais um necrotério do que um refeitório. Também teve a vez que ri com gosto de uma senhora que peidou alto no hall de meditação. Coisa boba, mas que provoca a risada de qualquer ser humano. 

Tem mais um milhão de coisas que gostaria de compartilhar. Mais coisas sobre a rotina do local, pequenas regrinhas da prática, histórias engraçadas do dia a dia, viagens, doideras, etc… mas para isso eu teria que fazer um outro blog só focado nesses 15 dias de prática.

Minha transformação após o retiro

Foi um período intenso, de disciplina e certo sacrifício, mas que valeu a pena. A experiência foi incrível e eu realmente acredito nos ganhos que todo esse “exercício mental” me trouxe. Acho que apenas entender a própria mente e o próprio corpo melhor já é um baita resultado. Por exemplo, sou muito noiado, daquele tipo de pessoa que fica lembrando de coisas até doer o estômago de tanto que eu fico me remoendo. Já acho mais fácil “me libertar” desse sentimento e conseguir voltar a focar em algo que realmente importa. Para lidar com concentração, ansiedade, paranóia, impaciência, angústia e etc… A prática serve para lidar com tudo isso. Mas é como se fosse um esporte mental né, precisa de prática. Também acho que é algo que “precisa pegar no tranco”, um período de isolamento para dar uma limpada em todos estímulos que nossas mentes recebem hoje em dia é, ao meu ver, necessário.

Inclusive a primeira vez que eu voltei pra cidade, ainda durante o retiro (fui comprar mantimentos no mercadinho), me senti naquelas cenas de filme em que o índio chega na cidade grande pela primeira vez, sabe? Barulho, imagem, cheiros, tudo se misturou numa explosão sensorial esquizofrênica. 

Depois de terminada essa jornada que quase nos matou pegamos um ônibus até a fronteira com o Laos para iniciar nossa travessia de barco pelo rio Mekong, mas isso é tema de um próximo post.

Beijos Quentes

Tailândia ou Chiang Mai e as lanternas do apocalipse

Esse relato cobre os eventos de 20/11/2018 a 27/11/2018.

Olá, companheiros da tormenta. Enquanto o relógio da perdição não bate meia-noite agracio vocês com mais um capítulo de nossa jornada um pouco torta.

Saímos do calor úmido e perverso de Bangcoc para encontrarmos paragens mais frescas bem ao norte da Tailândia, em Chiang Mai.

Chiang Mai, apesar de afastada da parte sul do país (onde ficam as incríveis praias e ilhas) e de ser até mesmo longe da capital, é um daqueles lugares que fazem parte de quase todos roteiros de quem visita a Tailândia. Não é por menos, a cidade, a maior da região norte, tem uma história incrível (já foi capital de um reino antigo) e é considerada uma das mais sagradas da Tailândia. O centro histórico, que ainda esbanja as ruínas da muralha que cercava o seu canal, abriga mais de 200 templos, um mais bonito que o outro.

Ruínas em Chiang Mai

Sabíamos que Chiang Mai era um lugar especial, mesmo sendo “popular”, só não sabíamos que cairíamos de paraquedas na cidade durante o seu festival mais famoso, o Yi Peng, o festival das lanternas. Olha, tem que ser muito perdido para chegar lá sem nem se tocar sobre o tal festival, tem gente que programa toda uma viagem baseada apenas nessa celebração, mas bem, nós somos as pessoas que ficaram perdidas e sem dinheiro em um parque chinês e literalmente esquecemos que o mês de fevereiro existia nas Filipinas (causo ainda a ser contado por aqui), por isso tudo é possível. Nós só queríamos conhecer a cidade e ir para o nosso retiro de meditação, que ficava ali pela região.

Nos demos conta que o festival estava para acontecer ainda em Bangcoc, quando tentamos comprar uma passagem de trem alguns dias antes de partir e o jovem do guichê praticamente riu das nossas caras. Estava tudo lotado. No fim achamos um ônibus de última hora e fomos, junto com todos turistas presentes na Tailândia naquele momento, até Chiang Mai.

Pensa em uma cidade que estava cheia. Pensou? Era Chiang Mai quando estávamos por lá. Tinha estrangeiro saindo até do bueiro. Mesmo assim aproveitamos bastante a nossa quase uma semana por lá. Que cidade gostosa. Acho que esse é o melhor jeito de descrever Chiang Mai – é um lugar gostoso. Como um amigo disse, parece cidade de praia sem praia. Ou uma cidade do interior de São Paulo com bastante estrutura. Não é a toa que lá é, como descobrimos depois, um paraíso de nômades digitais.

Um dos muitos templos

Deu para aproveitar bastante o centro antigo, andamos pra lá e pra cá vendo templos e tomando Thai Tea sob um sol bem intenso, mas muito mais tolerável do que enfrentamos em Bangcoc. Foi incrível ver a vida acontecendo ao lado de ruínas sagradas e grandes locais de adoração. Também aproveitamos muito às noites, encontramos um querido casal de amigos moradores da cidade (conhecemos eles em PhiPhi) que nos apresentou a vasta colônia brasileira que habita Chiang Mai. Tem gente trabalhando online, gente trabalhando em hostel, gente fazendo freelance e gente se virando como dá. Acho que brasileiro gosta tanto de Chiang Mai quanto de Phiphi. O importante é que conhecemos um pessoal bacana e tomamos umas cervejas geladas.

Além deles também encontramos outros viajantes brasileiros, mais especificamente representantes guerreiros do segmento de “famílias viajantes”, os incríveis @gemeosnamochila e @pelomundocomolucas. Compartilhamos um delicioso almoço em que considerei a possibilidade de nunca ser pai. Brincadeira, pessoal. Brincadeira. Eles são sim uma baita inspiração para nós.

Primeiro dia de festival

Claro, o festival aconteceu enquanto estávamos lá, inclusive começou no dia em que chegamos (ele dura alguns dias). A cidade estava linda, toda enfeitada com lanternas e ornamentos, o que só aumentou o charme do lugar. A abertura da cerimônia foi interessante, uma espécie de desfile de rua com danças típicas (pelo menos o que conseguimos ver). Apesar do índice desumano de gringos por metro quadrado toda a performance foi realizada por locais, o que sempre deixa tudo mais interessante. Os dias seguintes de festival foram marcados pelas oferendas e pedidos feitos em forma de lanternas e krathongs (barquinhos). O momento de soltura das lanternas é visualmente incrível, uma cena muito marcante da nossa viagem. Quando saímos do nosso hotel, à noite, e parte das lanternas já estavam no ar parecia que novas constelações estavam surgindo a cada segundo no escuro firmamento. Porém quando chegamos perto dos tradicionais locais de onde partem esses balões tailandeses a sensação foi outra. Invés de estrelas estáticas o que vimos foi muito movimento, uma coisa quase orgânica, como milhares de água-vivas nadando em um mar azul escuro, todas indo em uma só direção. Foi um espetáculo hipnotizante, mas causa uma certa estranheza ver mais estrangeiros participando dele do que locais. Sim, tinham muitos tailandeses nos rituais, mas mesmo assim a quantidade de “intrusos” na cerimônia era considerável. Confesso que não sei o que pensar sobre o tema. É interessante participar e se envolver com a cultura local, com certeza, mas quando será que a massificação do turismo de algo assim acaba cruzando a linha do aceitável? Aliás, existe essa linha? Só sei que muita gente que estava ali soltando lanternas não apresentava um grande envolvimento emocional e religioso com a cerimônia. Oras, até nós soltamos. Tudo bem que foi de um local mais reservado, com ajuda dos monges de um templo, mas mesmo assim não vou ser hipócrita e dizer que estava muito envolvido com a performance toda. Fui apenas mais um turista curioso que quis seguir a onda. E não vou nem falar dos polêmicos riscos ambientais das lanternas – uns dizem que não existe, pois elas são biodegradáveis, outros dizem que elas poluem rios e podem causar acidentes. Eu sei que curti o feito no momento, mas não faria de novo. Aliás não é difícil acreditar que essas lanternas possam causar queimadas e acidentes, só quando passeamos pelo rio vi umas 4 barraquinhas de comida que quase foram incineradas. E olha que ainda tinham uns gringos lá que se arrotassem no balão iriam causar uma explosão, a turma estava calibrada no álcool. Para se ter uma ideia em um dos mercados noturnos testemunhamos um jovem chinês exercitar o antigo ritual de vomitar até a alma, uma prática global.

Lanternas

Enfim, foi bonito, foi polêmico, foi interessante e graças a deus que acabou, porque tinha gente demais.

Logo após o termino do festival já deu para notar como a cidade esvaziou e tudo ficou um pouco mais calmo. Fizemos um passeio inesquecível para um dos templos mais famosos de lá, o Doi Suthep, que fica em uma montanha bem ao lado da cidade. Acordamos mais cedo do que qualquer ser humano deveria acordar, pegamos um tuktuk colina acima e assistimos a um nascer do sol inesquecível. Descemos a montanha por uma antiga trilha usada por monges e ainda paramos em um outro templo escondido pela mata e esquecido pela maioria dos turistas. Ao fim da caminhada voltamos de bicicleta para nosso hotel. Nesse mesmo dia fomos ao cinema, descobrimos que lá o filme demora meia-hora para começar e é necessário saudar o rei da Tailândia antes da película, o melhor é que ele garante que um vídeo sobre sua vida, digno de aniversário de 15 anos, passe antes de todas sessões. Só sendo rei mesmo para aprontar uma dessas e não ser zoado.

E, melhor que curtir um cinema relaxante foi a parte final do nosso dia, quando fomos à casa de um casal sensacional de amigos (aqueles que moravam em Chiang Mai e já comentei acima) e eles nos receberam com um jantar brasileiro: feijão, arroz, frango e farofa. Maravilhoso.

Cerveja e amizade (Re e Leo)

Isso foi logo antes do nosso retiro de meditação e agora tenho plena certeza que entupir todas as entranhas com feijão e farofa é o melhor ritual de preparação para qualquer prática espiritual. Pelo menos você enfrenta qualquer desafio feliz. É bem nutrido.

Fora isso o que fizemos foi curtir a cidade e dar uma passada “rápida” em Chiang Rai, outro local que muitos turistas visitam. Caso você queira conhecer Chiang Rai faça com calma e em mais de um dia, nos fizemos um passeio bate-volta e foi muito corrido. Não curtimos.

Nascer do sol no Doi Suthep

E foi assim que chegamos e aproveitamos, quase sem saber, uma das épocas mais intensas de Chiang Mai, um lugar delicioso e que merece ser visitado. Mas a estrada nos chamava, por isso demos tchau para o Léo e para Re, nossos amigos, e partimos para uma jornada dentro de nossas mentes em um retiro Vipassana. Esse é o tema do próximo post.

Beijos Quentes

Tailândia ou capítulo de Bangcoc e que fomos feitos de otários

Esse relato cobre os eventos de 12/11/2018 a 19/11/2018

Olá, colegas do abismo. Para os poucos que ainda torturam-se visitando esse blog eis aqui mais uma dose de masoquismo virtual. Como um Christian Grey de quinta categoria vou agora flagelar sua alma e, no final, ainda vou arrancar um sorriso desse rostinho lindo. A vida é assim, um teatro do absurdo e nós gostamos de coisas bizarras mesmo, não tenha medo.

Sobre o relato.

Sim, esse é mais um texto sobre a Tailândia. Peço paciência para você leitor(a), mas ficamos dois meses no país, por isso para seguir fielmente os passos da nossa jornada preciso registrar todos os capítulos da aventura no antigo Sião. Calma, tem algumas coisas interessantes que ainda serão relatadas, como nosso retiro de meditação, travessias malucas de fronteira e o torneio secreto de Muay Thai em que eu me inscrevi para vingar meu irmão. Uma dessas coisas é falsa, mas não vou falar qual.

O interior da Tailândia

O último capítulo foi todo dedicado ao nosso momento “lagoa azul” em Surin, isso se no filme a Brooke Shields tivesse recebido massagem de um Adonis coreano de frágil estabilidade mental, mas tudo bem, são águas passadas.

Saímos daquele pequeno paraíso e voltamos para nosso pântano favorito, Khura Buri. Ainda estávamos a uns 700 quilômetros de Bangcoc e já há mais de um mês na Tailândia, por isso decidimos apressar o passo ao norte e chegar logo na capital. Quer dizer, não apressamos tanto assim, senão teríamos pegado um avião ou ônibus direto para Bangcoc, mas queríamos viajar de forma barata e local, por isso primeiro fomos de lotação para Chumphon e de lá embarcamos, no dia seguinte, em um trem até nosso objetivo final.

Foi o trem mais lento que já andei na vida. Eu, de bicicleta, conseguiria ir mais rápido que o trem. Oras, acho que minha avó de andador conseguiria ir mais rápido que aquele trem, e olha que minha avó nem é boa com o andador. Mas mesmo assim foi uma experiência incrível. Cortamos florestas tropicais, pequenas e charmosas vilas e plantações de seringueiras. Durante todo o caminho estávamos rodeados de senhoras simpáticas, senhores de aparência dura e um mar de vendedores ambulantes que forneciam de tudo para os passageiros. Frutas, doces, bebidas, salgados, órgãos do mercado negro…tinha realmente de tudo. O que não tinha (ou quase não tinha) eram turistas, o que foi reconfortante.

E assim que cortamos o país em ritmo de internet discada de forma deliciosa. Mas após mais de 12 horas de viagem chegamos exaustos em Bangcoc, com um certo cansaço acumulado de uma série de translados e excessos anteriores. Aliás, quando nos aproximamos da cidade o visual bucólico deu lugar a vilas cada vez mais sujas e pobres. Passamos por lugares em que pessoas pareciam morar em mangues formados por chorume e lixo. Esses momentos são importantes para nos lembrarmos que a imagem que criamos na nossa cabeça de lugares que visitamos é, obviamente, só nossa. A realidade costuma ser muito mais mordaz que uma brochura de turismo ou o Instagram alheio, mas é fácil se esquecer disso.

A menina e a janela

Enfim, Bangcoc. Uma das grandes cidades que eu queria conhecer. Achava que iria encontrar algo claustrofóbico, energético e quase cinematográfico, como Hong Kong foi para mim. Uma cidade com aquela eterna aura de “algo proibido”, onde negócios escusos são feitos em um submundo perverso, mas interessante. Uma cidade que seria o cenário ideal para um filme noir ou cyberpunk.

Infelizmente não foi essa minha relação com o lugar. Muita gente ama Bangcoc, mas acho que eu tinha expectativas demais. Não desgostei de lá, longe disso, mas não foi memorável como é para tantos outros viajantes.

Para ser justo também não aproveitamos a cidade direito.

De dia estava um calor digno de satanás, que começava derretendo o corpo, depois queimava lentamente a vontade de existir e aí incinerava o restante da alma. Pensa numa pessoa que transpirou em Bangcoc, fui eu. Sim, eu transpirei mais que aquele alemão branquelo de quase dois metros e levemente pançudo que tem em toda viagem.

De noite as ruas ficavam apinhadas de gente animada e agitação, afinal ficamos no coração da pseudo mochilagem, a Khao San Road. Mas nossos tempos de estripulias e perdição alcoólica já tinham passado (pelo menos na Tailândia) e estávamos em um momento mais calmo e contemplativo. Até tentamos forçar umas cervejas goela abaixo para entrar forçosamente no clima, mas nunca uma Chang desceu tão desgostosa na garganta de um homem. Estávamos em uma rotação diferente de toda aquela gente visitando Bangcoc.

Vida noturna

Obviamente que fizemos coisas bacanas lá. Conseguimos visitar apenas um templo de destaque, o Wat Pho, devido ao calor e a preguiça, e o lugar é impressionante. Cheio de gente, mas impressionante. Conseguimos também cair em um dos golpes mais conhecidos da cidade, aquele em que um sujeito simpático te aborda na rua, comenta sobre um feriado que não existe, diz que os templos estão fechados e oferece um tuktuk especial que vai fazer um tour maravilhoso por uma preço bacana. Coisa boa e barata demais é quase sempre bom demais para ser verdade, pelo menos por onde já tínhamos passado. E mesmo assim engolimos esse papo e visitamos um templo do elenco religioso coadjuvante da cidade, mais caído que paleteria mexicana hoje em dia, e uma malévola fábrica de ternos (onde ficaram muito decepcionados comigo quando eu não quis nenhum, logo eu que usei terno 3 vezes na vida) e foi nesse momento que percebemos a burrada e caímos fora. Nossas perdas foram mínimas, mas o golpe poderia ter feito um rombo gigante no orçamento caso não tivéssemos percebido. Enfim, depois dessa podemos já dar tchau pra cidadania brasileira, foi uma falta de instinto tremenda ter acreditado naquele jovem sorridente na rua. Inclusive não sei como estamos vivos até hoje nessa viagem.

Além de derreter em templos e levar golpes também visitamos um dos mercados flutuantes da cidade, muito interessante, mas seria mais interessante ver toda aquela dinâmica sem um milhão de estrangeiros por lá. Eu sei que também sou um deles e todo mundo só está curioso para conhecer o local (como eu), mas que seria mais bacana ver a versão “virgem” de um mercado desses, a isso seria. Mas o que vimos teve que bastar e gostei de conhecer o mini caos que se criou em cima de umas madeiras bambas boiando num rio. Comemos coisas boas, comemos coisas estranhas e eu vi uma senhora alimentando peixes como se estivesse alimentando cachorros, valeu a pena.

As peculiaridades do mercado

Só fomos parar no mercado flutuante pois antes, no mesmo dia, levamos um bolo do nosso free walking tour. Isso mesmo, pelo visto somos tão indigestos que nem a pessoa que faz o tour de graça pela cidade quis nos conhecer, imagina ela falando pro chefe “não, não, não… de graça com esses dois aí eu não faço”. Enfim, sei que ficamos um bom tempo plantados no porto onde deveria acontecer nosso encontro e nada. Acordar cedo dá nisso.

O programa mais legal de Bangcoc, para mim, não foi feito em Bangcoc. Foi nossa rápida visita à Ayutthaya, cidade capital do reino de mesmo nome, que foi uma força poderosa no sudeste asiático entre os séculos 14 e 17. Antes mesmo do Brasil ser “descoberto” ali pertinho de Bangcoc já existia uma cidade com construções quase alienígenas para nossos olhos ocidentais. As ruínas de Ayutthaya são incríveis, um misto de diferentes influências da região, principalmente Khemer, mas com personalidade própria. Visitar esse lugares, ou como a Marina diria “um amontoado de pedra antiga” é demais para mim. Gosto muito de ver ruínas, de imaginar a vida funcionando em arquiteturas e planos distantes e nessa altura da viagem ainda não tínhamos conhecido o Angkor, por isso as de Ayutthaya foram as primeiras ruínas bacanas que vimos. Foi um dia gostoso, em que pedalamos muito e eu tirei fotos ruins achando que estava arrasando. Apenas o sol que foi inclemente, como de costume, e eu perdi cerca de 43,7% da água do meu corpo enquanto estava em cima da bicicleta. Mas valeu a pena ter a liberdade de ir pra lá e pra cá como queríamos, sem depender de tour ou algum tuktuk. Apenas gostaria que inventassem uma bicicleta que não deixasse as nádegas doloridas.

Aliás, falando em Ayutthaya, impossível não lembrar do Sagat ao ver o Buda deitado de lá. Quase arranjei briga com um americano que estava de bobeira inspirado pela minha infância regada a Street Fighter. Eu ia dar meu golpe fatal nele, o “abraço do suor”, mas a Marina impediu.

Ruínas

Fomos e voltamos de lá com um trem quase tão lento quanto o que usamos para chegar em Bangcoc. Acho que é proibido que trens sejam rápidos na Tailândia. Mas, ao contrário do primeiro, esse não foi um transporte agradável, pois estava apinhado de gente do mundo todo. Muito agradável poder conhecer os odores únicos de cada canto do planeta.

Bangcoc foi isso para nós: muito calor, momentos altos, momentos baixos e sermos feitos de otários. Ainda que na nossa última noite por lá demos uma injeção de adrenalina na estadia ao fazer aquela bobagem de turista de comer os insetos repulsivos que uns locais vendem em toda Khao San. Pude degustar uma larva maravilhosa, com toques de noz moscada e um recheio parecido com mel. Perfeito. A Marina se aventurou com um escorpião, uma escolha bem pior ao meu ver, mas ela disse ter sido um dos pratos mais refinados que já provou na vida, e leve em conta que quem falou isso é a maior sommelier de McDonalds da América Latina.

E após a noite do referido banquete demos tchau para uma cidade que nos agradou, mas que eu esperava muito mais. Partimos de ônibus para Chiang Mai, onde chegamos (sem querer) para o famoso festival das lanternas.

Mas isso é tema do próximo post.

Beijos Quentes