Laos ou nosso Apocalypse Now particular

Esse relato cobre os eventos de 12/12/2018 a 18/12/2018

Olá amigos e amigas desse limbo chamado de existência. Do mesmo jeito que ninguém pediu para nascer e ser um escravo da rotina, também ninguém pediu por mais um capítulo desse blog purulento, mas mesmo assim cá estou com atualizações da minha desajeitada jornada. 

Os perigos do Mekong

Os intensos e fantásticos dias no retiro de meditação foram praticamente nossos últimos na Tailândia. Saímos de lá fortalecidos mentalmente, mas ao mesmo tempo duas figuras patéticas e moídas, ou seja, precisamos de um dia de descanso para não pensar em nada e se esparramar em uma cama. Ou seja, um dia de Netflix e comidas congeladas do Seven Eleven. Nada como lixo cultural e alimentício para resgatar a sanidade e boa forma de um ser humano. 

Praticamos essa sessão relaxamento em um hotel fuleira em frente a rodoviária de Chiang Mai. Foram apenas poucas horas de “spa”, menos de um dia, mas deu para recuperar um pouco a força vital necessária para seguir viagem. De lá pegamos um ônibus até Chiang Rai, ônibus esse que obviamente quebrou no caminho, e aí pegamos outro veículo, bem mais decrépito e muito mais interessante, até Chiang Kong, uma das cidades que são pontos de travessia para o Laos. 

Chegamos na fronteira de noite quando o movimento era quase nulo, fora nós apenas alguns laocianos que aparentemente tinham ido fazer compras na Tailândia passavam pela fronteira. A situação era tão tranquila que os guardas do posto de comando tailandês estavam ocupados com um furioso torneio de tênis de mesa. Alguns usavam até uniforme. A Tailândia é um país tão único que até a turma que cuida das travessias internacionais se diverte durante o trabalho (e não venha você me dizer que ficar em um posto de entrada e saída de pessoas é algo divertido). Esperamos algum tempo no escuro, meio sem saber o que ia acontecer, até um bólido surgir das sombras, nos cobrar uma pequena fortuna e nos levar por míseros 2 quilômetros até o posto de fronteira do Laos. Lá tivemos que acordar o rapaz encarregado dos vistos, algo que não o deixou muito feliz, mas mesmo assim ele nos concedeu entrada para seu maravilhoso país. Finalmente estávamos em Huay Xay, no Laos. 

Huay Xay fica a beira do Mekong, talvez o mais famoso rio do sudeste Asiático, e nosso plano era ir de barco até Luang Prabang, nosso único destino nessa pequena nação. 

Nosso transporte até Luang Prabang

Já era bem tarde quando chegamos à cidade e após uma experiência estranha em uma guest house que mais parecia um matadouro e que nos apresentou um quarto tão limpo quanto a consciência de Paulo Maluf finalmente achamos um hotelzinho acessível e bem perto do porto de onde saíam os long boats, aqueles barcos enormes e estreitos que cortam as águas lamacentas do rio. 

Acordamos prontos para nossa aventura aquática, ou como eu gosto de pensar, nosso Apocalypse Now particular. Sei que o filme se passa no Vietnã e no Camboja, mas o mais próximo que eu iria chegar de desbravar aquela parte do mundo em um barco seria ali no Laos, por isso fui atrás do meu Coronel Kurtz em Luang Prabang. A diferença é que nosso trajeto foi calmo e idílico, não uma jornada violenta em direção às insanidades da guerra. 

E que experiência gostosa esse passeio de barco. Foram dois dias e uma noite cruzando o Mekong e observando as pequenas vilas que ficam à margem do rio, os templos perdidos nas colinas e a deslumbrante e densa natureza do Laos. Que país verde e bonito. Apesar do transporte fluvial ser comum por aquelas partes do mundo o nosso barco estava ocupado quase que exclusivamente de turistas. Eram jovens e velhos dos mais variados estilos. Alguns matavam o tempo lendo, outros bebiam (cerveja quente), alguns jogavam e a maioria se irritava com a música alta de balada que o dono da embarcação insistia em colocar. Mal dava para escutar os próprios pensamentos

Dona Marina curtindo um vento na cara

Pernoitamos em uma cidade pequena, de apenas uma rua, mas que se fez agitada pela horda de viajantes que chegou pelo rio. Comemos em um restaurante tradicional simples, mas muito gostoso, e com o menu mais estilosos da história, todo feito a mão. Também ficamos em um dos hotéis mais baratos da viagem toda. Não lembro exatamente quanto foi, mas lembro que foi muito barato, por isso acredite em mim que o negócio foi barato. Foi e barato e pronto, ok? No dia seguinte, após mais algumas horas no rio, chegamos a Luang Prabang, onde ficamos apenas alguns dias antes de seguir para o Vietnã. Estava terminada a nossa experiência Apocalypse Now. Não achamos nenhum herói renegado bancando o semi-deus e não fomos atacados por nativos, mas pelo menos fizemos uma travessia em um rio asiático barrento e chegamos de forma estilosa no nosso destino. Talvez uma das últimas vezes que isso ainda possa acontecer, pois hidroelétricas financiadas pelo governo chinês podem mudar a rota do Mekong para sempre.

Uma cidade verde

Luang Prabang é uma das cidades mais gostosas que visitamos em toda a viagem. Um lugar de ritmo lento, charme colonial, comida boa e preços acessíveis. Cercada por colinas e muito verde, parece uma verdadeira jóia perdida no meio da floresta. É uma cidade linda, com certeza, mas vale lembrar que estou aqui dando a minha visão de turista que não passou muito tempo no lugar. Mesmo pelas nossas rápidas andanças visitamos bairros menos turísticos e bem menos privilegiados. Sei que o Laos não é um país com grandes condições de vida, aliás é um lugar que sofreu e sofre muito na mão de nações mais poderosas (é o país mais bombardeado da história). Em certas horas é estranho dizer que tal lugar é incrível e imperdível sem saber como é a verdadeira realidade local, o quanto o povo nativo sofre e o quanto a realidade do turismo é como uma frágil camada fantasiosa maquiando uma vida bem mais dura. Enfim, esse é um pensamento que surge e surgiu em quase todos os lugares que passamos, mas como não dá para mergulhar nessa escura piscina filosófica agora vale lembrar que mesmo com esse grande  “porém” em mente aproveitamos demais nosso tempo por lá. 

A vida por lá

O que mais fizemos em Luang Prabang foi comer e descansar.. Estávamos em ritmo lento, com a preguiça imperando, mas mesmo assim até que exploramos bastante pela cidade, apenas não fizemos grandes e emocionantes programas. Visitamos o pequeno, porém muito charmoso, mercado noturno, subimos a colina chamada de Monte Phousi para ver, junto com mais todos turistas presentes no Laos, o sol escorrer no horizonte entre o Mekong e as montanhas que rodeiam a cidade. A Marina foi presenciar a ronda das almas (que ela diz ter sido bem sem graça devido ao excesso de não locais entupindo a passagem dos monges) e fomos até as cachoeiras Kuang Si, um espetáculo hídrico em tons de turquesa.

As cachoeiras ficam um pouco afastadas de Luang Prabang, por isso tivemos que fechar um pacote com o hostel e pegar uma das inúmeras vanzinhas irresponsáveis que levam turistas pra lá e pra cá pela Ásia. Era um dia úmido e frio, talvez não muito propício para visitar uma atração com água, mas era nossa única oportunidade de ir lá. Para chegar até as quedas d’água é necessário fazer uma pequena trilha em que se passa por um santuário de ursos negros asiáticos resgatados de contrabandistas e caçadores. Foi um momento de felicidade e emoção, pois nunca tinha visto um urso na vida. Tudo bem que esse urso negro asiático é um pouco estranho esteticamente e não tão parecido com grandes ursos que vemos na televisão, como uma versão falsificada QUASE parecida com a obra original. Imagine que um estrangeiro nunca viu um brasileiro na vida e ao invés de conhecer a Gisele Bündchen acabe me conhecendo. Sou desengonçado e peculiar, mas ainda sou brasileiro, então está valendo. Enfim, o santuário me pareceu fazer um trabalho nobre e necessário, um pouco de vigilância e ordem em uma região em que isso não é a regra, especialmente relacionado ao ambiente.

Apenas uma parte de um complexo de quedas estonteante

A Kuang Si é incrível. São diversas quedas d’água de uma cor quase difícil de imaginar que existe. Um turquesa claro, fruto de minerais, que dá uma sensação etérea para o lugar. Mesmo com o frio não resistimos e tivemos que interagir com esse paraíso, por isso nadamos nas águas congelantes da cachoeira. Foi praticamente uma farofada brasileira, pois só nós e alguns outros amigos viajantes nos arriscamos no azul gelado, coisa do pessoal sem noção lá das bandas da América do Sul. Valeu a pena conhecer esse espetáculo da natureza, mesmo que o dia não tenha sido dos melhores. Imagino as primeiras pessoas que descobriram essa cachoeira e puderam aproveitá-la no silêncio e na harmonia com a natureza que uma atração dessas merece, uma experiência surreal. Nós tivemos que conhecer o lugar junto de mais um bom número de pessoas espaçosas e barulhentas. Pode-se notar que eu não estava com muita paciência para outros seres humanos nessa parte da viagem. 

Difícil dar tchau para um lugar desses

E essa foi basicamente nossa estadia em Luang Prabang e no Laos. Tivemos que espremer essa visita entre Tailândia e Vietnã (o próximo destino), pois acabamos ficando mais tempo do que planejávamos em certos lugares e tínhamos prazo para entrar no Camboja para fazer nosso trabalho voluntário. Mesmo em pouco tempo foi um lugar que nos deixou uma ótima impressão e que queremos muito visitar de novo. Montanhas verdejantes do Laos, me aguardem. 

Beijos Quentes

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s