Índia – Varanasi ou capítulo da viagem com o bode gigante

O rio e os ghats

Olá, amigos e amigas. Espero que a sua jornada nessa balsa melancólica chamada vida esteja, no mínimo, tolerável. Caso as coisas estejam ruins, não tema, eis aqui mais um texto para alimentar o escapismo que sua alma deseja. Não é nenhum Machado, Borges ou Roth, mas pelo menos você poderá ler sobre as loucuras de Varanasi e nosso papo com um bode gigante que ficava no meio da rua. Coisa fina. 

Os mais abundantes de ômega 3 devem se lembrar o desafio que foi chegar até Varanasi. Uma jornada que envolveu os mais variados tipos de transporte e muita troca não voluntária de fluído corporal. Foi cansativo, conseguimos deitar em uma cama muito após o marco da meia-noite, mas deu certo. 

Depois de uma necessária e pesada noite de sono nos demos conta que estávamos em Varanasi, um dos lugares mais antigos e caóticos do planeta. A sensação que nos tomou foi um misto de excitação com preguiça, aquela eterna dualidade das pessoas que não sabem se gostam ou não de sair do sofá. Eu explico. Pode parecer uma heresia estar em um lugar incrível como Varanasi e mesmo assim deixar o estado de torpor tomar conta do corpo, mas isso é mais comum do que vocês imaginam. Acontece em Varanasi, em praias paradisíacas das Filipinas ou em escandalosos desertos australianos. A preguiça não escolhe CEP e como já expliquei muitas vezes nesse cansado blog, viajar a longo prazo não é férias, as vezes a pessoa só quer comer mal e ficar o dia inteiro na horizontal. Ainda mais quando sabe que o mundo exterior é uma explosão de sentidos. Era essa nossa sensação após acordar em Varanasi.

Enfim conseguimos vencer o diabrete da letargia e sair. Sem plano mesmo, apenas queríamos olhar a cidade. Estávamos na parte antiga, no meio do emaranhado de corredores apertados entre prédios velhos perto dos ghats, as escadarias que dão para o Ganges. E foi ao passear por essas inesquecíveis escadarias que começamos a entender a cidade. 

A vida acontece no rio. 

Na verdade antes de conseguir andar pela parte interessante de lá tivemos que enfrentar uma pequena gincana para conseguir chips de celular indianos. Não vou comentar o ocorrido porque envolveu muitos passos perdidos, uma pequena dose de irritação e aquela boa e velha pitada de sorte.

Depois de garantir nossa conexão com a rede mundial de computadores conseguimos apreciar o Ganges.

A vida no Ganges

Chegamos lá no fim de tarde e no pouco tempo em que ocupamos as cadeiras cativas do chão empoeirado e pedregoso vimos de tudo: pessoas se banhando no rio, crianças brincando, inúmeros jogos de críquete, uma profusão de animais, grupos de meditação, grupos de oração e, claro, as cremações. Cada ghat tem um propósito específico, ou seja, é como se a margem do rio fosse dividida em setores. Alguns ghats são para cerimônias religiosas que acontecem ao fim de todo dia, outros para banho e yoga e dois específicos são crematórios. Sentar naqueles degraus e apenas observar foi melhor do que qualquer programação da TV de domingo.

Quero só estressar aqui um dos pontos que mencionei acima. As pessoas se banham no Ganges como se não houvesse amanhã, o que para nossa percepção ocidental é basicamente o mesmo que brincar todo dia de roleta-russa. Ao ler um pouco sobre Varanasi é fácil se deparar com a informação de que o Ganges, naquela altura, é bem poluído. Tem de tudo ali, inclusive pedaços humanos que podem passar boiando por você durante uma nadada matinal. Mas isso não impede os moradores, que tem uma relação profunda com o rio e provavelmente um sistema imunológico avantajado, de aproveitarem o Ganges. Eles nadam por diversão, tomam banho, lavam roupas e até bebem a água. A indicação é para que não locais não façam o mesmo e eu vou dizer que não fiquei tentado a fazer. Vi um ou outro ocidental brincando dentro das águas, por isso não sei o quanto esse “medo” do rio é verdade. Mas eu não estava em um bom momento da minha vida para enfrentar uma super-bactéria, por isso não arrisquei.

Os banhos no rio

Observar foi basicamente o que fizemos em Varanasi. Fomos em cerimônias que acontecem ao entardecer, vimos o sol nascer da margem leste do Ganges em um inesquecível passeio de barco e passamos muitas horas com as nádegas no concreto em meio a bagunça da cidade. Também andamos muito pelas vielas estreitas que beiram o rio. Ora elas estavam bloqueadas por motos, ora por bovinos e às vezes pelos dois ao mesmo tempo. Sem falar no lixo que toma conta do chão, um obstáculo a mais na gincana diária da locomoção. Macacos também rondam pelos tetos das antigas construções apenas a procura de almas inocentes para atazanar. Um grupo de símios juvenis atacou de forma impiedosa a Marina, que de alguma forma desafiou eles. Acho que foi o porte físico ameaçador dela que causou a confusão.

As vielas perto do rio

Uma das experiências mais surreais de Varanasi vem do fogo e da carne. São as visitas aos crematórios. Queimar corpos à beira do Ganges (e depois jogar as cinzas nele), um rio sagrado no hinduísmo, é prática comum em Varanasi, uma cidade também sagrada. Por isso a existência dos crematórios ao ar livre. Cada um fica em uma ponta distinta do “circuito dos ghats” e um deles é bem pequeno se comparado ao outro. O crematório principal é uma visão quase lisérgica, uma mistura de fogo, animais, madeira, cinzas, água e fezes. Não é só que pessoas estão sendo queimadas em piras ali na sua frente, bem perto do rio, mas todo o resto do cenário é estranhamente bonito, como se pequenas partes erradas conseguissem formar um todo magnífico. As ruínas que fazem parte do ghat dão um tom certeiro de decadência histórica (e digo isso no melhor sentido possível). Elas são habitadas pelas pessoas que vão para Varanasi para morrer e estão “esperando sua hora”. Parte da tradição é que Varanasi é especialmente auspiciosa para morrer, segundo a crença falecer lá é uma forma de quebrar o ciclo de reencarnações. Por isso as moradias decrépitas cheias de anciãos a espera da facada temporal. 

O crematório

É uma visão única, algo que merece ser vivenciado. Nós ficamos ali por um bom tempo só observando o espetáculo de vida e morte. Ou só morte né, porque ninguém queimado ali quer reencarnar. Também acho que é errado chamar de espetáculo. Certo, vou reformular – “nós ficamos ali por um bom tempo só observando aquilo” – acho que agora está mais certeira a frase.

Mas acompanhar a cremação de humanos em meio a animais e cachoeiras de fezes não foi a experiência mais sensorial que tivemos na cidade.

Esse bode era grande demais, juro.

Varanasi é também conhecida por ter uma relação antiga e ritualística com substâncias que alteram o estado mental e seria pouco imersivo ir até um local desses e não se jogar no processo. Tomamos um lassi (iogurte local) levemente adulterado e saímos para experimentar toda glória da cidade com a percepção mais ajustada para a loucura local. Foi uma das noites mais memoráveis da viagem. Apenas eu, a Marina e nossas tagarelices de pouco sentido. É de uma superficialidade notória de viajantes desgraçar uma experiência religiosa dessa maneira, mas este é um sacrilégio que não me arrependo de ter cometido. Afinal foi nessa noite em que fomos acometidos por um ataque de culpa ao visitar um templo longe das nossas melhores condições, em que fizemos uma importante análise sociopolítica da Índia quase caindo dos degraus de um dos ghats e o mais importante, foi quando conhecemos nosso amigo bode. Como já disse a cidade é também tomada por animais, principalmente vacas, mas durante uma caminhada pelos ghats vimos esse bode que era quase do tamanho de um cavalo. Um exemplar mastodôntico do género Capra. O estado mental do momento nos impeliu a admirá-lo e tentar até puxar um papo, mas ele era era tímido e não respondeu. Ainda bem que as raízes do bom-senso me impediram de tentar montar no admirável ser, mas que eu quis, eu quis.

“olha lá os dois turistas bocozão”

Varanasi é um lugar intenso, mas no fim das contas gostamos tanto da experiência que estendemos nossa estadia, mesmo com o calor infernal que fazia durante o dia. É também um lugar que cansa, assusta e te afeta de algumas maneiras inesperadas, mas que merece muito ser visitado.

Depois de lá começamos mais um round de transportes capengas pela Índia e acho que foi aí que nossa energia começou a vacilar novamente, mas esse é assunto de um próximo relato.

Beijos Quentes

Um comentário em “Índia – Varanasi ou capítulo da viagem com o bode gigante

  1. Valeu muito. Imaginando quantos observadores de degrau Varanasi já recebeu…
    N tenho vontade de conhecer a India mas confesso q se estivesse lá adoraria ficar horas sentada nos degraus à beira do Ganges.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s