Filipinas ou a beleza do apocalipse

Olá, leitor(a) persistente.

Agradeço pela sua resiliência em não desistir desses textos quando eu mesmo já desisti de quase tudo. Você faz esse país ir para frente. Prometo por aquilo que me resta de bom e decente (não muito) que agora o blog terá atualizações mais constantes. Quero terminar logo de contar sobre essa jornada esquisita pelo mundo.

Kalanggaman

Para quem não lembra estávamos perdidos em uma ilhota no meio das Filipinas.

Kalanggaman, ou a ilhota da sedução, como gosto de chamar, é um pequeno ponto no mapa que fica a umas duas horas de distância de Malapascua e é o passeio mais famoso por lá. Kalanggaman é provavelmente o lugar mais bonito que visitamos nas Filipinas, e isso não é pouca coisa. É um lugar de filme, com mar tão azul que parece Gatorade. A água é a mais transparente que já vi, a areia a mais branca e os coqueiros vastos. Para completar existem dois bancos de areia na ilhota, um em cada ponta, que funcionam como caudas e dão um charme especial pro lugar. Um paraíso. E essa foi, tirando quando descrevi Bulog Dos, a única vez que usei a palavra “paraíso” sem exagero nesse blog. 

E o mais legal, acampamos nesse cenário cinematográfico por uma noite. 

Complicado…

Normalmente os passeios até Kalanggaman são bem básicos, os barcos chegam, ficam algumas horas e voltam antes do fim da tarde. Mas se você pagar a taxa da barraca e do pernoite pode capotar por lá. Foi o que fizemos e, graças a isso, presenciamos o melhor pôr do sol que já vi até hoje. Eu sei que tenho uma fixação em falar sobre pôr do sol, mas juro que esse foi emocionante. 

O dia nem estava bonito, o céu estava nublado e ostentando aquele “cinza tédio” que amargura o mais feliz dos humanos quando aparece de domingo. E a chuva também estava quase dando as caras, para terminar de arruinar o dia. Foi assim o tempo todo, mas bem no momento em que o sol descia rumo a oeste as nuvens abriram-se parcialmente e a luz atravessou a densa barreira acinzentada feito um holofote e iluminou bem a ponta de um dos bancos de areia da ilhota, como se indicando que ali seria o local ideal para apreciar o espetáculo que estava por vir. O jogo de luz, água e sombras já estava interessante e para melhorar tudo ao fundo passou, como quem não quer nada, uma baita tempestade empurrada pelo vento, o que formou um caos celeste surreal. Um emaranhado de azul, cinza, vermelho, amarelo e vermelho tomou conta do céu. O visual era ameaçador, mas deslumbrante. A tempestade ao fundo era digna do fim dos tempos e eu já estava preparado para cair na porrada com alguns dos cavaleiros do apocalipse, mas pelo menos estava tudo bem bonito.

Não dá para ver nem 1% do que realmente estava acontecendo

Alguns dos visitantes resolveram se aventurar até a ponta do iluminado banco de areia para ver tudo de mais perto, o que deu a impressão que eles estavam indo em direção ao arrebatamento ou dar as boas vindas para um ser alienígena prestes a descer dos céus. Uma cena que ficou marcada para na minha mente e que nenhuma foto que tirei conseguiu fazer justiça.  

Outra foto ruim de um momento incrível

E esse não foi o único espetáculo de Kalanggaman. Mas não mesmo. Pois ao anoitecer veio a lua, e não era qualquer lua chinfrim que você vê de Jandira ou Cesário Lange não, era noite de super lua. Ela estava tão grande e brilhante que parecia quase tocar a ilha. Uma pintura em tons escuros e prata.

Passamos momentos especiais nesse lugar perdido no Pacífico e tudo ainda coincidiu com nosso aniversário de casamento. Pensa em uma comemoração bacana.

Apesar dos tais momentos especiais nem tudo na nossa estadia foram flores. Aliás longe disso, até porque nem teve flor nenhuma. Para começar nossa única fonte de alimentos eram os salgadinhos radioativos comercializados na vendinha local. Isso mesmo, nossa preparação para acampar foi zero e nem um mísero sanduíche levamos. Por isso nosso almoço, nosso jantar, nosso café da manhã e nosso outro almoço teve como base um cardápio de variados snacks vindos direto de Chernobyl. Também dormimos no chão da barraca (sem proteção térmica ou algum tipo de colchão), que era bem vagabunda, e eu descobri que não tenho mais idade pra isso. Acordei com a coluna em um formato que até hoje desafia os ortopedistas. 

As vantagens de acordar sem a coluna

Mas esses contratempos não foram nada perto dos momentos marcantes que passamos na nossa ilha da sedução, que aliás tem esse nome porque ela seduziu a gente. Eu não tive condições de seduzir ninguém, Deus me livre fazer qualquer coisa naquele chão duro. Como já disse, não tenho mais idade.

Depois de Kalanggaman ainda voltamos pra Malapascua, onde ficamos mais dois dias. Sempre naquela mesma dinâmica que já descrevi anteriormente – praia do norte, encoxada de algum local na moto e restaurante gostoso na vila. Também conhecemos um casal de brasileiros muito gente boa, o Thiago e a Gabi.

É isso aí

Relaxamos, comemos e finalmente chegou o dia que eu achei que nunca chegaria. Em 22 de fevereiro começaríamos a nossa maratona para sair das Filipinas e do sudeste asiático. Estávamos cansados e precisávamos da Austrália, mas bateu um aperto no coração ao sair de um cantinho tão especial do planeta. 

E agora eu prometo que no próximo relato o nosso cenário já será outro. Esperem churrascos, porres, ressacas e muitas road trips nos próximos capítulos.

Beijos quentes

Filipinas ou a fênix da decepção ou nosso tempo em Coron e Moalboal

Post atrasado tem que abrir com foto bonita de Moalboal

Olá, turma.

Não, ainda não fiz como os mais sábios que desistem de tudo pois sabem que nem adianta tentar. Apenas atrasei uns bons dias a atualização deste espaço virtual porque fui capturado pelo rodamoinho lamacento que é a vida. Contas, trabalho, apostas no jogo do bicho, o tipo de coisa que toma o tempo do cidadão brasileiro. Mas agora estou de volta, pronto para decepcionar vocês e me decepcionar também, com um post curto apenas para aquecer os motores deste calhambeque enferrujado movido a bobagens. 

No texto passado contei sobre nossas desventuras no alto mar filipino. Foram dias de sol, água e higiene pessoal debilitada. Ou seja, valeu a pena

Depois que a expedição com a TAO terminou desembarcamos em Coron, outra ilha que faz parte do país. Uma ilha média que fica cercada por ilhotas menores, pequenos paraísos próximos. Coisa de outro mundo mesmo. Filipinas é um país lindo, dos mais lindos que já vi na vida, mas o espetáculo que presenciamos ao fazer um passeio por Coron ganha de quase tudo que vimos nesse tesouro do pacífico. 

Aliás Coron é o nome da cidade, não sei se o nome da ilha, talvez seja. O caso é que é uma cidade bem da simpática. Mais acessível e menos lotada que El Nido, pelo menos no pouco tempo que ficamos por lá. 

Sair da nossa vida marítima foi bom, finalmente tomamos um banho decente, comemos pizza e, no dia seguinte, nosso único inteiro lá, fizemos um passeio privado (ainda com nossa gangue de brasileiros) para uma série de praias além do canal de Coron, local onde venta muito e o mar fica mais arredio. Não foi fácil fazer a travessia, na ida ficamos um pouco tensos pois até a tripulação do nosso barquinho estava nervosa, quando vi até o capitão colocando colete salva-vidas eu tive certeza de que iríamos afundar, afinal um velho lobo do mar filipino não deveria se assustar com nada. Deu tudo certo. Depois, na volta, navegamos enfrentando ondas grandes que castigaram o barco e nos molharam muito, mas apenas rimos da situação. Coisa de brasileiro tonto mesmo, pois depois encontrei europeus que fizeram o mesmo passeio e estavam horrorizados com as condições. Já que é para morrer, melhor morrer se divertindo.

E como já adiantei ali em cima no texto, as praias que conhecemos nesse passeio são de outro planeta. Mesmo após a TAO, que elevou o sarrafo de “beleza praiana” nas nossas vidas, posso dizer que essas ilhas foram alguns dos lugares mais belos que já vi. Outra coisa que fez a nossa quase morte valer a pena. 

Se alguém quiser dar um Google, pesquise por  Bulog Dos. Uma pintura turquesa e amarela no meio do oceano arredio. Com águas mornas e calmas e muita vida em volta, é, sinceramente, um dos mais incríveis espetáculos visuais que esses cansados olhos já presenciaram. E olha que eu já vi meu tio Glauber dançar na festa do Havaí de 2002 vestido de Carmem Miranda. É um  lugar para amarrar uma rede, ler um livro, tomar uma cerveja e ser feliz. 

E essa não foi a única praia de cair o queixo que visitamos, passamos por mais uma belezura chamada Malcapuya, outro espetáculo da natureza que estava vazio quando chegamos e que após um breve mergulho na água foi tomada por hordas ensandecidas de turistas. Tudo bem, mesmo assim aproveitamos demais o dia.

Marina em um banco de areia pra lá de bonito

E nosso tempo em Coron foi esse, uma noite de pizza, um dia de passeio e umas cervejas para desbaratinar a mente no entardecer. Depois já tínhamos compromisso marcado em outros locais filipinos, mas me arrependo demais de não ter passado mais tempo em um lugar tão incrível e com um clima tão gostoso. 

De Coron fomos, de avião, para Cebu, outra ilha grande nas Filipinas. Ficamos um dia em Cebu City, que é um dos lugares mais desagradáveis que já conheci (e olha que eu conheço Salto), e depois partimos (junto com nossos amigos brasileiros) para a parte sudoeste da ilha, em direção a Moalboal. Isso em um ônibus de 4 horas mais apertado que a casa da sua tia acumuladora que não consegue parar de comprar produtos Polishop. 

Chegamos e achamos um McDonalds. E lá se foi o resto da tarde, jogando cartas e comendo frituras. Nada como aproveitar bem um lugar lindo como as Filipinas.

Olha a cor da água da cachoeira

Moalboal não tem muito o que fazer. Quer dizer,  tem as famosas cachoeiras Kawasan, o mergulho com as sardinhas, umas praias locais (uma bem bonita) e o passeio que envolve pegar um ônibus de duas horas até Oslob para mergulhar entre um milhão de pessoas e ver um tubarão-baleia semi-domesticado com uma eterna expressão de socorro nos olhos.

Dessas opções só fomos até a cachoeira, lugar incrível e lindo, me surpreendeu pois achei que seria mais cheia de gente e menos espetacular. Ela tinha vários andares, água azul turquesa e ainda fiz mais uns cliff jumps lá, dessa vez de 11 e 14 metros. Legal pra caramba. Acho que daqui a pouco alguém já começa a me chamar de “Homem-Aranha brasileiro”, quem sabe.

Moalboal foi ainda o lugar onde nossa turma brasileira cresceu exponencialmente. Encontramos amigos que já tínhamos visto na Tailândia, conhecemos gente nova e arrastamos o Ed e o Enzo para a galera. Foi uma bela de uma farofada lá na cachoeira. Como é bom fazer uma muvuca com nossos conterrâneos. Como eu disse, fora conhecer as Kawasan Falls esse não foi um ponto de muitas emoções, mas só de estar com pessoas bacanas valeu a pena. 

Brasileirada se locomovendo

Último ponto de destaque de Moalboal é que por lá alugamos uma motinho bem da fuleira, que nem chave tinha. Para andar só com ligação direta. Mas como foi bom ficar livre e poder explorar a região em um veículo digno de algum filme do Mad Max, foi mais um capítulo na minha recente história a lá Sons of Anarchy. 

Nossa motinho guerreira deu problema

E foi isso.

Esse foi um capítulo que cobriu muitos dias incríveis em que nós não estávamos com um humor tão incrível assim. Talvez até normal após quase 7 meses no caos da Ásia (gosto muito, mas cansa) e muitos dias com outros viajantes. É bem legal achar um grupo, é mesmo, mas eu já estava começando a sentir falta do nosso esquema mais ágil e privado em dupla – eu e Marina, os patetas, contra o mundo. 

Última fotinho para lembrar como o país é bonito

Nosso tempo nas Filipinas estava acabando, mas depois visitamos alguns lugares sobre qual vale escrever uma palavra ou duas, por isso tem mais texto pela frente. 

Beijos quentes

Filipinas ou o capítulo da exploração marítima (TAO)

O tipo de lugar em que dormimos nas Filipinas

Sejam bem-vindos meus queridos companheiros de sofrimento. Colegas de assento nesse ônibus desenfreado que é a vida. Enquanto nossa parada final não chega deixo vocês com mais um amontoado de palavras para entorpecer a alma e, com muita sorte, trazer um sorriso para esses belos rostos.

Terminei o último texto quando chegamos em El Nido, uma cidade bem turística ao norte da ilha de Palawan. Supostamente um lugar incrível, um dos mais bonitos do mundo e etc… Acho que exploramos a região de “forma errada”, pois não achei El Nido tudo isso. Calma lá, claro que é um lugar lindo, mas nosso parâmetro para coisas bonitas já estava bem alto (e ainda aumentaria depois de El Nido), mas não me surpreendi tanto e desconfio que a culpa disso caí no ombro das hordas de turistas que assombram o lugar. Para ser justo, tivemos um único dia bem gostoso por lá – foi quando alugamos uma scooter e deslizamos por estradinhas à beira-mar até praias afastadas. Estar na estrada em um dia de sol enquanto desbravando vilas locais e passando por trilhas de terra/areia foi incrível. Um daqueles momentos da viagem de uma pulsante sensação de liberdade. Talvez a perpetuação do espírito “motoqueiro” que surgiu em mim no Vietnã. Claro, vale lembrar que tudo isso foi feito a menos de 80 km/h em uma motinho com a potência de um secador de cabelo, mas até o Motoqueiro Fantasma começou de baixo, então está valendo. 

Vai, pode rir, mas que é legal explorar uns países do sudeste asiático de motinho, é sim. 

Nuli Beach

Aliás nesse dia visitamos três praias diferentes. Na primeira, Nuli Beach, populada por surfistas, tive um encontro com um filipino que surgiu como um fantasma de umas pedras com uma arma (que parecia um arpão) na mão. Foi uma verdadeira aparição, como se um fantasma do universo de Waterworld estivesse se comunicando comigo. Ele se teletransportou para um lado da praia que só tinha eu (o lugar estava bem vazio), fez o movimento universal de “joia”em minha direção e desapareceu novamente. Certeza que foi algum Deus local dando seu aval para minha nova fase motoqueira. Obrigado, nobre espírito. 

Em uma das outras praias que visitamos, Nacpan, a Marina tomou um caldo incrível que está registrado em vídeo, recomendo conferir o Instagram do @sejogaai. Essa era uma praia mais cheia, mais “da modinha”, com diversos turistas sendo servidos em seus guarda-sóis a todo momento por Jarbas filipinos desesperados por uns dólares. Tinha potencial para ser o local mais bonito que visitamos no dia, mas o excesso de europeus estragou um pouco a mágica do lugar. Mesmo assim valeu a pena a visita, principalmente para ver a Marina quase ser levada por Netuno (não que eu gostaria que ela fosse embora para as profundezas, pelo amor de deus, é que foi engraçado mesmo). 

E na última praia visitada, a mais perto da cidade e do nosso hotel, curtimos um pôr do sol maravilhoso. Olha, não foi nada mal para um segunda-feira. Oras, como eu sei que era segunda-feira? Porque eu me lembro claramente de olhar, com o vento na cara, o sol já cansado no horizonte enquanto passávamos por uma estrada lotada de coqueiros e pensar “coitado de quem nunca começou uma semana assim”.

Pôr do sol na praia que esqueci o nome

No nosso outro dia em El Nido fizemos um dos famosos tours que tem por lá. Eles dividem as atrações por tours chamados de A,B,C e D. Sei lá se tem o tour E. Sei que fizemos o tour C, um dos mais recomendados, e foi bem mais ou menos. Visitamos lugares espetaculares, mas que estavam sempre cheios. Não dava pra admirar a paisagem com 376363 turistas por todos os lados. Nesse dia vi mais turista que mar. Longe de mim dizer que foi um dia ruim, mas de novo, perto do que já tínhamos passado (e ainda passaríamos), não foi espetacular. 

Bangalôs da TAO

E nesse mesmo dia tivemos nosso encontro introdutório para a TAO. 

Mas o que é TAO? Uma unidade internacional de espionagem? Uma seita secreta de surfistas motoqueiros? Um festival de música focado apenas na marimba? 

Não. Nada disso. Calma, eu explico.

TAO Experience é uma expedição. Ou um “mega passeio”. Algo nesses moldes. O que acontece é: essa empresa, a TAO, faz um tour de barco entre Palawan e Coron (grandes ilhas Filipinas) de 5 dias. Nesse meio tempo essa expedição para em diversas ilhotas pelo caminho e os participantes conhecem e dormem em lugares paradisíacos e “desertos”. Resumindo, é um baita negócio legal. E a nossa expedição partiria no dia seguinte, mas antes precisávamos participar desse encontro para acertar detalhes pendentes, conhecer os outros membros e falar com a tripulação. É tudo muito bem organizado e explicado. Vale a pena.

O grupo do nosso barco era bem diverso. Cerca de 20 pessoas de várias idades e países diferentes. Alguns tiozões holandeses, jovens australianos, umas canadenses, uns senhores ingleses e, claro, os brasileiros. Nós éramos seis, eu, a Marina e o Edgar e o Enzo, que já sabíamos que encontraríamos lá, e de lambuja conhecemos mais dois, a Nat e o Pedro.  E brasileiro tem aquele negócio: é cheio das panelinhas. Nós, cansados de interagir só com gringos, abraçamos o “grupinho” com felicidade. Não que não conversássemos com outras pessoas, longe disso, mas é bom dar uma papeada em português de vez em quando.

Naufrágio

A expedição em si foi surreal, vou resumir um pouco toda a experiência. Foi uma sensação incrível de desbravar ilhas Filipinas, fazer snorkels inesquecíveis, conhecer praias de água cristalina e areia branca, fazer cliff jumps de 10 metros, nadar com navios afundados da segunda guerra e dormir (quase) sob o luar em paraísos perdidos. Foram tantos locais bonitos que ficamos até anestesiados. Sério, é triste isso, mas até praias lindas podem virar rotina e o espetacular virar normal. Talvez isso tenha sido um indicador que nossas vidas estavam legais demais e o “foda” estava sendo a média de nossas experiências. Ou talvez fosse um indicador que nós já estávamos mortos por dentro e nem o mais belo canto do nosso planeta poderia nos emocionar. Talvez eu seja mais compatível com a segunda opção, mas a Marina não tem essa alma negra, então não sei qual a resposta correta.

Pôr do sol em uma ilha deserta

No fim a TAO é uma experiência rústica, mas sem ter são rústica. Você passa perrengues como dormir em cabaninhas de bambu ao relento, tomar banho de canequinha, ficar o dia no barco, estar sempre molhado e ter pouca roupa disponível. Mas, ao mesmo tempo, tem toda uma tripulação trabalhando para você, base camps com o mínimo de estrutura possível e comida e bebidas a quase toda hora (pelo menos bebidas). Vale a pena. Vale ainda mais se acontecer de você passar seu aniversário em uma praia surreal e com um naufrágio japonês ali perto, esperando para ser visitado. Foi o que aconteceu comigo e foi foda, mas não sei se é tão foda quanto aquele churrasco que termina com o choro de um velho amigo e o vômito de outro. Amizades realmente importam, veja só.

Deixo aqui a dúvida no ar e algum outro caro companheiro que passar o aniversário nas Filipinas pode responder de uma vez por todas o que é melhor: ilha perdida ou churrasco com Crystal?

Todos os brasileiros, menos eu, passaram mal antes ou durante a expedição (a Má passou logo no primeiro dia, mas melhorou), então nosso grupo estava sempre cambaleante durante curtição. Salientei esse ponto apenas reforçar que não sou chamado de “Wolverine brasileiro” à toa. Juro, muitas pessoas me chamam assim.

Puxei esse assunto relacionado à comida e as nossas sensibilidades gastro-intestinais pois esse foi um tópico que, principalmente durante a TAO, foi razão de um pico de ufanismo e saudades do Brasil. Acho que o excesso de peixe e vegetais, fora certo desgaste normal da viagem, me fizeram sentir saudades de qualquer comida do Brasil. Churrasco, coxinha, requeijão, brigadeiro, pão na chapa. Até aquele bife duro do quilo mais barato perto do trabalho, tudo deu saudades. Aliás, acho que você, senhor privilegiado por poder comer um arroz com feijão e farofa a hora que quiser, deveria valorizar mais a comida brasileira no geral. Durante meus tempos de reflexão marítima tentei tecer uma teoria do porquê nossa culinária é a melhor do mundo, mas percebi que não tenho argumentos suficientes para provar com fatos o que eu sei que é verdade dentro do meu coração. Meu único argumento é: confia em mim que eu sei do que estou falando. Comida brasileira é foda.

E digo mais, podem me oferecer qualquer café da manhã gringo do mundo, sei que tem muito leitor aqui que é fã de um bacon com ovos ou um “english breakfast”, mas vocês me desculpem, nada é melhor que o velho pão na chapa e o misto da padaria, daqueles que já carregam o gosto de tudo que passou na chapa durante a semana. Isso mais um Nescau gelado ou um pingado é imbatível. Estou aberto a embates públicos com qualquer um que queira me refutar. Embates físicos e/ou orais, que fique claro

Outro ponto onde o ufanismo apertou o calo durante nossa expedição foi em relação a comunicação com europeus no geral.

Peguei um certo ranço dos gringos durante esse período, sempre se maravilhando por tudo, com uma ingenuidade e humor um pouco “bobos”. Sei que isso é tolice e provavelmente um reflexo de como precisávamos de um descanso, afinal conseguir se maravilhar é algo legal e que deve ser valorizado. Mas, como estávamos com nosso humor mais sombrio, preferimos o cinismo e a inigualável capacidade brasileira de criticar tudo. Juro que isso está curado agora.

Galera da TAO!

E, para completar as observações sobre a TAO, ficam os dois últimos destaques: o lechon mal cozinhado que quase nos matou e Brett, o explorer. O lechon nada mais era que um porco no rolete que a tripulação resolveu fazer como surpresa pros membros da expedição, mas deixaram apenas duas horas em uma brasa baixa e o bicho estava completamente cru. Foi bem no último dia e nosso desejo por carne foi apenas iludido por esse leitão maldito. Quanta decepção. Brett, por sua vez, era um australiano ímpar com um sotaque mais ímpar ainda. Um homem de meia idade, corpulento e meio gordinho, que se vestia como um explorador. Ele gostava de se envolver nas atividades da tripulação (tipo ajudar eles a cozinhar, o que é bem legal da parte dele) e ficava de forma bizarra sempre pelos cantos, nunca realmente interagia com o resto do pessoal. Na noite que fizemos uma fogueira, por exemplo, estava lá um grupo trocando ideia perto do fogo numa boa, do nada uma luz se acendeu na escuridão, todos nos assustamos com uma intervenção tão impactante vinda das sombras. Era o Brett, sentado sozinho. Ele resolveu ligar sua lanterna, ir até o fogo, revirar uns pauzinhos para atiçar as chamas e aí o que? Invés de ficar com a galera conversando ele voltou pro seu canto escuro, sentou e apagou as luzes. Foi dramático e foi lindo, quase como o Batman sendo abraçado pelas trevas. Brett, seu doce príncipe, nunca mude. 

Nossa fiel embarcação durante esses dias

Foram 5 dias inesquecíveis com a TAO. A aventura de uma vida, mesmo. Meu único arrependimento é saber que fizemos uma coisa tão incrível com um humor não tão incrível assim. Estávamos um pouco cansados e abalados por experiências recentes, com a mente a mil por hora e a alma um pouco envenenada. Mesmo assim foi incrível, mas eu explico melhor essa nossa condição “estranha” no próximo post.

Beijos Quentes

Tailândia ou a ilha mágica

Esse relato cobre eventos de 06/11/2018 a 11/11/2018

Sejam bem-vindos amigos e amigas. Sobre o túmulo do bom-senso erguemo-nos em mais um dia de existência sem sentido. Para aumentar o nível do absurdo vivencial, eis aqui mais um capítulo do blog.

Saca só esse lugar. E o dia ainda estava “feio”

Os mais agraciados com memória se lembrarão que na última parte da aventura estávamos prestes a chegar em Surin.

Surin é um conjunto de ilhas e também um parque nacional na Tailândia. O acesso é restrito e a infraestrutura não é nem de perto a encontrada em outras ilhas do país. Não existem hotéis, resorts e restaurantes, apenas dois acampamentos em pontos distintos de uma das ilhas (a única em que se pode ficar). Nesses acampamentos existem banheiros e uma cantina. Para dormir os visitantes podem escolher entre tendas (acampar) ou uns poucos chalés que são bem caros. Para acampar é possível levar a própria barraca e só pagar a entrada do parque ou alugar as barracas que eles tem lá, muito mais acessível que os chalés, mas não é a coisa mais barata do mundo não. Além disso o parque nacional de Surin não é aberto para pernoites o ano todo, apenas em uma janela restrita entre outubro e maio. Todos esses fatores fazem o lugar ser um dos mais selvagens e sem turistas da Tailândia. E também um dos mais lindos.

Já da lancha que faz o transporte do porto de Khura Buri ficamos boquiabertos. Que mar. Que mar. Eu sei sou repetitivo e vou continuar sendo, sempre falando da cor do mar e etc… mas esses países da Ásia não pararam de me surpreender com suas belezas aquáticas. E olha que vínhamos de lugares lindos, como Phi Phi. Mas o azul de Surin… ah como o azul de Surin não tem igual. É forte e hipnotizante. Único. Deveria existir uma cor chamada “Azul de Surin”. Foi esse pedaço mágico de oceano que nos recebeu na ilha.

Ao chegar pagamos a entrada do parque (que dá direito de uma estadia de 5 dias, mas pode ser renovada) e fomos direcionados para nossa barraca, que ficava na areia bem em frente uma das praias. Aliás, ficava na praia. Se eu tropeçasse ao sair dela (algo muito provável de acontecer) já caía no mar. Olha, não tem hotel que se equipare com a vista da nossa “sacada” em Surin.

Garota local brincando na praia da cantina

A tenda era espaçosa e confortável, mas virava um forno durante o dia, mesmo a sob a sombra das árvores. O que, se você pensar bem, era um ponto positivo, pois assim a barraca fazia às vezes de acomodação e sauna, muito chique.

Mas sério, não dava para reclamar. A praia era linda e o mar estava ali disponível para nos refrescar quando desse na cuca. Aliás ficamos no acampamento 1, o único que estava aberto no nosso período de visita. Na nossa área podíamos curtir a praia em frente ao acampamento, a praia da chegada dos barcos e, com algum esforço, outras praias que ficavam na espécie de baía que a ilha forma, mas era necessário nadar pra chegar até elas. O acampamento 2 ficava na mesma ilha, mas na outra ponta da baía e em sua parte exterior, ou seja, dava pro mar aberto. Em teoria seria possível fazer uma trilha pela mata e visitar o acampamento, mas os cuidadores do parque fecharam o caminho devido ao alto número de cobras na floresta. Sim, Surin é bem selvagem. Mas não se aflija, amigo leitor, nós conseguimos chegar no outro acampamento. Já conto mais sobre isso.

Nossa parte da ilha contava ainda com uma cantina (única “fonte” de comida da ilha), que servia refeições simples, e banheiros com chuveiros. Ficar lá não era nenhum hotel 5 estrelas, mas estava longe de ser um acampamento cheio de perrengues. Tinha alguns, claro, mas eles só deixaram tudo mais divertido.

Um dos principais “problemas” enfrentados foi a areia. Aquela linda e convidativa areia branca também conseguia ser cruel e teimosa. Era impossível não levar areia pra barraca e, bem, dormir com ela raspando no colchão fuleira que tínhamos era o mesmo que dormir em uma lixa. Ótimo para uma esfoliação de corpo inteiro.

Outro desafio apresentado por Surin foram as formigas. Isso mesmo, formigas. Eu não sei o que tinha mais lá na praia, se era areia ou formiga. Era impossível ficar deitado tranquilo curtindo o sol sem sentir algumas persistentes guerreiras te escalando. Tínhamos formiga em tudo quanto é lugar, desde os cabelos até os buracos mais escuros de nossos corpos. Elas nem picavam, mas enchia o saco tentar relaxar enquanto uns insetos subiam em nós. Eu só aprendi a masterizar a convivência com as formigas no nosso penúltimo dia lá.

Aliás não eram só essas pequenas trabalhadoras que visitavam o acampamento. Alguns turistas desavisados deixavam comida a mostra em suas barracas. E aí vinham os macacos. E os macacos de lá são ousados, e olha que macaco já é um bicho ousado por natureza. Eles entravam nas barracas, roubavam coisas, brigavam com humanos e tocavam o terror pelo acampamento. Era engraçado de ver, mas confesso que uma vez fiquei apreensivo, pois o macaco (grande) entrou na barraca de uma coreana com ela lá dentro, fiquei com medo dela se machucar, mas nada aconteceu. Ainda bem que nenhum deles veio se engraçar comigo, sou amante dos animais e fiquei temeroso da possibilidade de sair na mão com um símio enfurecido. Todo mundo sabe que macaco luta bem.

O pilantra

E a bicharada não parava por aí: era rato, cobra e mais algumas coisas peculiares com várias patas que visitavam nossas barracas. Foram dias emocionantes.

Aliás, falando em emoção, uma das coisas mais legais que fizemos por lá, fora relaxar torrando sob o sol, foi aproveitar a maré baixa e nadar/andar pelas pedras até o outro lado da baía, em direção ao acampamento 2. Passamos por duas praias desertas no processo (algo muito raro na Tailândia). Foi um momento incrível, uma junção da paz que a natureza traz com a adrenalina da nossa trilha aquática. E o visual não era nada mal. Ao chegar ao lado oposto da baía atravessamos um curto trecho de mata achamos o tal do acampamento 2. Como ainda não era temporada, lá só tinham alguns cuidadores arrumando tudo para a eminente onda de visitantes. A praia desse acampamento era bem maior e mais isolada, mas achei nosso cantinho mais aconchegante. E após essa visita fizemos o quê? Oras, nadamos tudo de volta. Pelo menos fomos presenteados com um pôr do sol incrível no caminho. Essa foi nossa mini aventura dentro da grande aventura de Surin, só faltou um embate subaquático com um tubarão para ela ser melhor ainda.

Falando em coisas embaixo da água, esse era um dos pontos fortes do local, a visibilidade e a vida presente no mar. Surin é, segundo muitos nos disseram, o melhor ponto de snorkel da Tailândia. No acampamento era possível fazer dois passeios diários de snorkel por um preço camarada, e eu participei de duas saídas em dias diferentes. Realmente a vida e os corais lá eram incríveis, só vi coisas mais legais em lugares remotos das Filipinas, mas a história mais interessante relacionada a snorkel aconteceu quando voltando de um desses passeios, em que fui sozinho, me deparo com a Marina sendo massageada por um coreano sarado que também estava acampando por lá. Eu cheguei perto com agressividade, sem dizer nada mas com uma linguagem corporal para impor respeito, mas logo o rapaz me envolveu no ritual dele que era um misto de medicina coreana, chinesa e artes marciais e quando eu vi ele estava mexendo no meu peito. Mas não era de uma forma gostosa. Antes fosse. Ele primeiro deu umas espécies de tapas lentos, mas poderosos, que quase já expurgaram todo meu ar. Depois ele começou a fazer uns movimentos circulares com as pontas dos dedos e eu tinha certeza que ele ia arrancar meu coração do peito igual o vilão (que esqueci o nome) faz no Indiana Jones e o Templo da Perdição. Foi aí que percebi que a Marina não estava sendo massageada, mas sim torturada. De qualquer jeito eu salvei o dia e fui um herói. E sim, meu peitoral ficou dolorido por uma semana. Isso aconteceu logo em um dia que tudo tinha começado tão bem e eu tinha até visto golfinhos. Enfim, coisas de Surin.

Achamos que nossos dias lá seriam apenas pautados por longas esticadas na areia e mergulhos em águas incríveis, mas nós nos aventuramos na nossa própria trilha (como já relatado acima), fizemos yoga com uns tailandeses simpáticos, jogamos frisbee com outros tailandeses simpáticos, jogamos papo fora com o tal do coreano (que mal falava inglês) e com um francês que adorava nos dizer como ele nadava bem e ainda visitamos uma vila de “ciganos do mar”, uma antiga tribo de pessoas que já foram nômades aquáticos, mas hoje estão estabelecidos em uma comunidade dentro do parque nacional. Olha, foi uma estadia movimentada.

A tribo de ciganos do mar

Uma coisa muito bacana da ilha eram as pessoas que estavam no local. Não os visitantes das day trips que passavam lá vindo de outras cidades próximas, mas sim os membros do acampamento. Pareciam viajantes diferentes do que tínhamos visto até aquele momento – interessados, curiosos e levemente desajustados. Aquele tipo de pessoa “raiz” que quer apenas devorar o mundo. Para se ter uma ideia, ao voltarmos do parque nacional passamos de novo pelo hotel do Tom e da Ann e lá encontramos com um francês, um velho amigo deles que estava indo para Surin. Ele visitava o lugar todo ano há quase 3 décadas e a primeira vez descobriu o local apenas seguindo “um boato de viajantes”. Imagina ter a coragem de desbravar um país apenas por causa de um boato? Era esse o tipo de maluco que achamos por lá.

E outra coisa muito bacana, Surin foi o primeiro lugar da Tailândia onde achamos turistas tailandeses

Um mergulho rápido e várias cores

Olha, foi uma estadia quase perfeita: relaxamos, lemos, nadamos e nos aventuramos. Conhecemos e dividimos. Enfrentamos sol, calor e também chuvas torrenciais (e nossa barraca aguentou, ainda bem). Tudo isso em um dos lugares mais lindos que já vimos.

Com certeza Surin foi o canto mais especial que achamos na Tailândia.

Mas depois de 5 dias precisávamos ir embora e então voltamos para Khura Buri prontos para seguir mais ao norte ainda, dessa vez em direção à abafada Bangcoc.

E isso será o tema do próximo post.

Beijos quentes.

Tailândia ou o capítulo da reabilitação no Jurassic Park

Amigos, amigas e fiéis leitores

Eis aqui mais uma dose do seu antídoto semanal para a escuridão da rotina e a solidão da vida moderna. Com esses textos você se sente melhor por 5 minutos ao perceber que existe alguém pior que você na Terra (eu). Mas cuidado, como qualquer coisa em excesso o consumo intenso do blog pode causar danos e levar a casos de diarréia crônica. Leia moderadamente.

Chega de enrolação. Como diria Gilberto Barros “Vaaaaai DJ”

No último relato eu e a intrépida Marina ainda estávamos no golfo da Tailândia, a parte leste da região sul do país. Nossa ideia era ir de Koh Tao até Railay Beach, lá do outro lado, na costa banhada pelo Andaman. Para isso fizemos uma pequena jornada que envolveu uma balsa noturna, uma van apertada e um Long Boat (aquele barquinho tradicional que você vê em 9 a cada 10 fotos da Tailândia). Começamos a viagem às 9 da noite na balsa, que balançava furiosamente e fez eu me arrepender de tentar jogar o Switch ali. Mais um episódio em que quase vomitei na viagem. Pelo menos era uma balsa leita, então a solução para não passar vergonha e derramar fluidos corporais nos outros passageiros foi dormir. Chegamos 5 da manhã no continente e aí foi a vez de ir suando na vanzinha do aperto por cerca de 3 horas. Ufa, aí sim finalmente estávamos em Krabi, do lado “certo” da Tailândia. Apesar de Railay ser no continente é uma região cercada por montanhas de calcário e um mangue traiçoeiro (não sei se é “traiçoeiro”, apenas quis adicionar emoção ao relato), por isso tivemos que pegar um Long boat para chegar até lá.

Chegando em mais um paraíso

Railay, mais um lugar incrível na Tailândia (já cansei de escrever a palavra “incrível” aqui no blog). Pense no lugar como que uma pequena península escondida no recorte litorâneo da Tailândia. Existem umas quatro praias na região de Railay, que é super pequena, mas apenas duas são interessantes: Raylay West e Phra Nang Beach. Railay tem uma aura selvagem, com grandes paredões de calcário se misturando com uma vegetação tropical densa, e um mangue fechado que corta as praias e parte da vilazinha que fica na área mais firme da pontinha de terra. Para seguir o padrão Tailândia a água lá era fantástica, não tão transparente quanto de outros locais e um pouco mais verde, até um pouco mais escura, mas ainda sensacional. Diversas formações rochosas que desafiam a lógica escapam com fúria do oceano para dar aquele toque especial no horizonte, como é de costume nessa parte do mundo. Se as outras ilhas lembravam constantemente filmes de pirata, Railay me lembrou um cenário que apareceria em alguma película do King Kong ou Jurassic Park. Na região ainda existem algumas cavernas interessantes de serem exploradas e os paredões são propícios para escalada, tudo para aumentar o nível de “selvageria” do lugar. Mas não se enganem, ainda é um local muito turístico, em boa parte do dia fica cheia de grupos de chineses que visitam praias lindas e não entram no mar não sei porque, mas normalmente as massas surgem em “one day trips” e nem todo mundo fica na vilazinha, ou seja, é um lugar mais calmo e bom pra descansar se comparado com outras praias e ilhas tailandesas, basta apenas saber onde ir e que horas ir.

Vista da caverna de Phra Nang

A vila de Railay merece um parágrafo a parte, pois lá é uma versão asiática da Jamaica. Sim, Railay é “legalize” e vi por ali uma coisa que não achei que existisse, tailandeses rasta. Vários bares e restaurantes interessantes e com temática reggae pipocam pelos cantos e pôsteres do Bob Marley dividem uma cerveja com os macacos selvagens que vira e mexe aparecem para dar um oi. Apesar disso Railay não ostenta o clima de festa desenfreada dos últimos locais que visitamos, graças a Deus, pois nós não aguentaríamos mais muita coisa. Claro, dá para se divertir e perder a dignidade, isso sempre é possível, mas é uma região mais suscetível ao “relax”.

Bob onipresente

Acho que já deu para sentir o clima do lugar né? Bom para relaxar, ler, contemplar, se aventurar um pouco e ainda para “buscar iluminação” (não disse como).

Essa foi uma parte importante da nossa viagem, acho que conseguimos descansar e ainda nos reconectarmos um pouco com as intenções iniciais da jornada. Não quero desvalorizar a parte da “festa”, que foi boa demais, mas tínhamos entrado em um modo “férias”, algo que não conseguiríamos manter a longo prazo. Pra começar precisávamos muito economizar, e em Railay unimos o útil ao (des)agradável e emagrecemos com a incrível técnica de passar fome. Isso mesmo, é simples e rápido, basta fazer apenas uma refeição por dia e ainda dividir ela com seu companheiro(a) e você verá resultado em seu corpo e no seu humor. Pelo menos funcionou para nosso bolso.

Claro que queríamos relaxar e economizar, mas tivemos uma recaída leve para nossos dias de farra e em certa noite consumimos mais álcool do que o necessário nas areias de Railay West. Não fomos para uma festa nem nada do tipo, éramos nós dois e algumas (várias) cervejas, o pôr do sol e..bem..o luar (a coisa se estendeu por mais tempo do que o previsto). Ok. Admito. Não foi uma recaída de leve, foi uma noite bem intensa de bebedeira, daquelas para acabar de vez com um ciclo, sabe? O importante foi que nos divertimos bastante.

Ficamos tanto tempo ali sentados que viramos aquela figura que existe em quase todas praias do mundo: o doidão da praia. Sabe aquela(s) pessoa(s) que fica o dia todo rolando no chão, gritando pro céu e é uma mistura triste de areia, suor e falta de prospecção na vida? Então, nós fomos essa figura por um dia. Acho que o clima hippie de Railay nos infectou. Foi divertido, mas assumir esse tipo de persona pode ser a droga de entrada para coisas mais pesadas, como por exemplo ser o maluco que faz parte de uma roda de violão a luz de fogueiras na praia. Deus me livre participar de rodinha de violão. Entendo que muita gente gosta, eu inclusive já fiz isso quando era mais novo e tenho amigos que ainda fazem, mas o excesso de Legião Urbana e Oásis que tive que aguentar acabaram com minha sanidade. Não desejo isso pra ninguém. Meus maiores medos, em ordem, são: ser chamado para o palco em uma peça de teatro interativa, participar de uma reunião de condomínio e ser o cara que canta em rodinhas de violão. Enfim, foi apenas uma noite de diversão em que a parte mais livre de nossos espíritos falou mais alto. Estou há 7 anos livre de rodinhas de violão, prometo.

Torrados na areia

Recuperados e purificados, curtimos Railay com mais calma e fizemos atividades mais saudáveis. Por exemplo, outro destaque da nossa estadia foi, no dia seguinte, ter alugado um caiaque e ter visto o pôr do sol no mar. Lá, diferente de Koh Tao e Phiphi, o pôr do sol era mais laranja, uma explosão no céu que sangrava em um degradê amarelado. Em outros locais a tela celeste era palco de uma briga entre um vermelho lavado e rosa, que era bonito também. Mas foi especial acompanhar os minutos finais da carruagem de Hélio do meio do oceano, perto de formações rochosas antiquíssimas e imponentes, onde tudo parecia perto e distante por um tempo. Um dos momentos para guardar com carinho dessa viagem.

Ainda sobre Railay, vale mencionar a Phra Nang Beach, a nossa favorita lá. A praia tem uma caverna sensacional, um rochedo com estalactites gigantes e uma ilhota que é a casa de um grande colosso de granito onde dá para chegar a pé (maré baixa) ou nadando. Visual estarrecedor, mas um lugar que fica bem cheio durante o dia.

Rolezinho tranquilo de caiaque

Nossos curto tempo de descompressão em Railay acabou e precisávamos seguir viagem. De lá fomos para Krabi. Um lugar que nenhum barqueiro queria nos levar pois não é necessariamente um ponto tão turístico, só uma cidade perto de vários lugares bacanas. Nossa ideia era pegar carona até uma ilha bem ao norte, e Krabi, uma cidade “grande”, era um bom ponto pra começar. Ficamos um dia por lá, em um hotel sujinho, mas bom (“sujinho mas bom” é o melhor combo de acomodação possível, sempre é barato porém super habitável), pois precisávamos planejar algumas coisas e foi lá o fatídico local onde despachei meu computador e parte do vídeo game pelo correio. Talvez uma das maiores cagadas da viagem, pois foi caro demais e obviamente que não obtive sucesso, mas é a vida. Mais um erro pro currículo.

No dia seguinte fomos até a rodoviária e decidimos subir um pouco mais a estrada antes de tentar pegar carona pro norte, por isso pegamos um ônibus de uma hora até Phang Nga, uma cidade bem pequena e sem nada notório pra falar. Quando chegamos andamos uma distancia nada saudável para a coluna com as mochilas, da rodoviária até a estrada principal que corta a cidadezinha. Tentamos pegar carona esse dia, mas não rolou. A chuva e a má vontade dos locais estragaram nossos planos. Comecei a desconfiar que minha cara de bad boy estava nos atrapalhando. Mais uma estadia em um hotelzinho “sujinho mas bom”.

Precisávamos planejar melhor todo esse processo de carona, afinal não tínhamos experiência nenhuma nisso. Coisa que fizemos, mas que vou contar com mais detalhes no próximo post. Spoiler: nossa carona foi com um grupo de rebeldes tailandeses que lutam contra o governo militar. Ou não. Você só vai descobrir se ler o próximo relato.

Beijos Quentes