Tailândia ou o capítulo da reabilitação no Jurassic Park

Amigos, amigas e fiéis leitores

Eis aqui mais uma dose do seu antídoto semanal para a escuridão da rotina e a solidão da vida moderna. Com esses textos você se sente melhor por 5 minutos ao perceber que existe alguém pior que você na Terra (eu). Mas cuidado, como qualquer coisa em excesso o consumo intenso do blog pode causar danos e levar a casos de diarréia crônica. Leia moderadamente.

Chega de enrolação. Como diria Gilberto Barros “Vaaaaai DJ”

No último relato eu e a intrépida Marina ainda estávamos no golfo da Tailândia, a parte leste da região sul do país. Nossa ideia era ir de Koh Tao até Railay Beach, lá do outro lado, na costa banhada pelo Andaman. Para isso fizemos uma pequena jornada que envolveu uma balsa noturna, uma van apertada e um Long Boat (aquele barquinho tradicional que você vê em 9 a cada 10 fotos da Tailândia). Começamos a viagem às 9 da noite na balsa, que balançava furiosamente e fez eu me arrepender de tentar jogar o Switch ali. Mais um episódio em que quase vomitei na viagem. Pelo menos era uma balsa leita, então a solução para não passar vergonha e derramar fluidos corporais nos outros passageiros foi dormir. Chegamos 5 da manhã no continente e aí foi a vez de ir suando na vanzinha do aperto por cerca de 3 horas. Ufa, aí sim finalmente estávamos em Krabi, do lado “certo” da Tailândia. Apesar de Railay ser no continente é uma região cercada por montanhas de calcário e um mangue traiçoeiro (não sei se é “traiçoeiro”, apenas quis adicionar emoção ao relato), por isso tivemos que pegar um Long boat para chegar até lá.

Chegando em mais um paraíso

Railay, mais um lugar incrível na Tailândia (já cansei de escrever a palavra “incrível” aqui no blog). Pense no lugar como que uma pequena península escondida no recorte litorâneo da Tailândia. Existem umas quatro praias na região de Railay, que é super pequena, mas apenas duas são interessantes: Raylay West e Phra Nang Beach. Railay tem uma aura selvagem, com grandes paredões de calcário se misturando com uma vegetação tropical densa, e um mangue fechado que corta as praias e parte da vilazinha que fica na área mais firme da pontinha de terra. Para seguir o padrão Tailândia a água lá era fantástica, não tão transparente quanto de outros locais e um pouco mais verde, até um pouco mais escura, mas ainda sensacional. Diversas formações rochosas que desafiam a lógica escapam com fúria do oceano para dar aquele toque especial no horizonte, como é de costume nessa parte do mundo. Se as outras ilhas lembravam constantemente filmes de pirata, Railay me lembrou um cenário que apareceria em alguma película do King Kong ou Jurassic Park. Na região ainda existem algumas cavernas interessantes de serem exploradas e os paredões são propícios para escalada, tudo para aumentar o nível de “selvageria” do lugar. Mas não se enganem, ainda é um local muito turístico, em boa parte do dia fica cheia de grupos de chineses que visitam praias lindas e não entram no mar não sei porque, mas normalmente as massas surgem em “one day trips” e nem todo mundo fica na vilazinha, ou seja, é um lugar mais calmo e bom pra descansar se comparado com outras praias e ilhas tailandesas, basta apenas saber onde ir e que horas ir.

Vista da caverna de Phra Nang

A vila de Railay merece um parágrafo a parte, pois lá é uma versão asiática da Jamaica. Sim, Railay é “legalize” e vi por ali uma coisa que não achei que existisse, tailandeses rasta. Vários bares e restaurantes interessantes e com temática reggae pipocam pelos cantos e pôsteres do Bob Marley dividem uma cerveja com os macacos selvagens que vira e mexe aparecem para dar um oi. Apesar disso Railay não ostenta o clima de festa desenfreada dos últimos locais que visitamos, graças a Deus, pois nós não aguentaríamos mais muita coisa. Claro, dá para se divertir e perder a dignidade, isso sempre é possível, mas é uma região mais suscetível ao “relax”.

Bob onipresente

Acho que já deu para sentir o clima do lugar né? Bom para relaxar, ler, contemplar, se aventurar um pouco e ainda para “buscar iluminação” (não disse como).

Essa foi uma parte importante da nossa viagem, acho que conseguimos descansar e ainda nos reconectarmos um pouco com as intenções iniciais da jornada. Não quero desvalorizar a parte da “festa”, que foi boa demais, mas tínhamos entrado em um modo “férias”, algo que não conseguiríamos manter a longo prazo. Pra começar precisávamos muito economizar, e em Railay unimos o útil ao (des)agradável e emagrecemos com a incrível técnica de passar fome. Isso mesmo, é simples e rápido, basta fazer apenas uma refeição por dia e ainda dividir ela com seu companheiro(a) e você verá resultado em seu corpo e no seu humor. Pelo menos funcionou para nosso bolso.

Claro que queríamos relaxar e economizar, mas tivemos uma recaída leve para nossos dias de farra e em certa noite consumimos mais álcool do que o necessário nas areias de Railay West. Não fomos para uma festa nem nada do tipo, éramos nós dois e algumas (várias) cervejas, o pôr do sol e..bem..o luar (a coisa se estendeu por mais tempo do que o previsto). Ok. Admito. Não foi uma recaída de leve, foi uma noite bem intensa de bebedeira, daquelas para acabar de vez com um ciclo, sabe? O importante foi que nos divertimos bastante.

Ficamos tanto tempo ali sentados que viramos aquela figura que existe em quase todas praias do mundo: o doidão da praia. Sabe aquela(s) pessoa(s) que fica o dia todo rolando no chão, gritando pro céu e é uma mistura triste de areia, suor e falta de prospecção na vida? Então, nós fomos essa figura por um dia. Acho que o clima hippie de Railay nos infectou. Foi divertido, mas assumir esse tipo de persona pode ser a droga de entrada para coisas mais pesadas, como por exemplo ser o maluco que faz parte de uma roda de violão a luz de fogueiras na praia. Deus me livre participar de rodinha de violão. Entendo que muita gente gosta, eu inclusive já fiz isso quando era mais novo e tenho amigos que ainda fazem, mas o excesso de Legião Urbana e Oásis que tive que aguentar acabaram com minha sanidade. Não desejo isso pra ninguém. Meus maiores medos, em ordem, são: ser chamado para o palco em uma peça de teatro interativa, participar de uma reunião de condomínio e ser o cara que canta em rodinhas de violão. Enfim, foi apenas uma noite de diversão em que a parte mais livre de nossos espíritos falou mais alto. Estou há 7 anos livre de rodinhas de violão, prometo.

Torrados na areia

Recuperados e purificados, curtimos Railay com mais calma e fizemos atividades mais saudáveis. Por exemplo, outro destaque da nossa estadia foi, no dia seguinte, ter alugado um caiaque e ter visto o pôr do sol no mar. Lá, diferente de Koh Tao e Phiphi, o pôr do sol era mais laranja, uma explosão no céu que sangrava em um degradê amarelado. Em outros locais a tela celeste era palco de uma briga entre um vermelho lavado e rosa, que era bonito também. Mas foi especial acompanhar os minutos finais da carruagem de Hélio do meio do oceano, perto de formações rochosas antiquíssimas e imponentes, onde tudo parecia perto e distante por um tempo. Um dos momentos para guardar com carinho dessa viagem.

Ainda sobre Railay, vale mencionar a Phra Nang Beach, a nossa favorita lá. A praia tem uma caverna sensacional, um rochedo com estalactites gigantes e uma ilhota que é a casa de um grande colosso de granito onde dá para chegar a pé (maré baixa) ou nadando. Visual estarrecedor, mas um lugar que fica bem cheio durante o dia.

Rolezinho tranquilo de caiaque

Nossos curto tempo de descompressão em Railay acabou e precisávamos seguir viagem. De lá fomos para Krabi. Um lugar que nenhum barqueiro queria nos levar pois não é necessariamente um ponto tão turístico, só uma cidade perto de vários lugares bacanas. Nossa ideia era pegar carona até uma ilha bem ao norte, e Krabi, uma cidade “grande”, era um bom ponto pra começar. Ficamos um dia por lá, em um hotel sujinho, mas bom (“sujinho mas bom” é o melhor combo de acomodação possível, sempre é barato porém super habitável), pois precisávamos planejar algumas coisas e foi lá o fatídico local onde despachei meu computador e parte do vídeo game pelo correio. Talvez uma das maiores cagadas da viagem, pois foi caro demais e obviamente que não obtive sucesso, mas é a vida. Mais um erro pro currículo.

No dia seguinte fomos até a rodoviária e decidimos subir um pouco mais a estrada antes de tentar pegar carona pro norte, por isso pegamos um ônibus de uma hora até Phang Nga, uma cidade bem pequena e sem nada notório pra falar. Quando chegamos andamos uma distancia nada saudável para a coluna com as mochilas, da rodoviária até a estrada principal que corta a cidadezinha. Tentamos pegar carona esse dia, mas não rolou. A chuva e a má vontade dos locais estragaram nossos planos. Comecei a desconfiar que minha cara de bad boy estava nos atrapalhando. Mais uma estadia em um hotelzinho “sujinho mas bom”.

Precisávamos planejar melhor todo esse processo de carona, afinal não tínhamos experiência nenhuma nisso. Coisa que fizemos, mas que vou contar com mais detalhes no próximo post. Spoiler: nossa carona foi com um grupo de rebeldes tailandeses que lutam contra o governo militar. Ou não. Você só vai descobrir se ler o próximo relato.

Beijos Quentes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s