Nepal ou o capítulo das andanças pelos Himalaias 3

Os últimos dias de trilha, a mais de 5.000 metros.

Olá companheiros dos fins dos tempos. Como estamos todo aguardando o inevitável colapso da sociedade, sugiro que você distraia-se com a leitura deste post. A essa altura você já viu todas séries possíveis mesmo, não custa nada dar uma chance para meu texto.

Esse é o derradeiro capítulo de nossa aventura Himalaia. No último post contei sobre como cruzamos vales gelados que ficam a mais de 5.000 metros de altura para chegar até Lobuche, a vila maldita. Um lugar sombrio, com clima denso, em que todos estão com cara fechada e apenas tentando sobreviver à aventura. 

Acho que o desanimo bateu em Lobuche porque estávamos pressentindo o que nos esperava, pois após uma noite fria no nosso quarto que mais parecia um cativeiro, que só conseguimos porque nossos amigos brasileiros (Daniel, Baia e Samir) cederam para nós, acordamos agraciados por uma bela tempestade de neve, daquelas que não deixam nem o sol atravessar as nuvens. Caso não tivéssemos conseguido um lugar para dormir estaríamos mais gelado que o Leo DiCaprio no fim de Titanic. Graças a deus pelo quarto/cativeiro. 

A temperatura caiu muito durante a noite, a neve tomou conta do cenário e o dia que se iniciava estava tomado por uma espécie de névoa desoladora. Começamos a trilha sem conseguir enxergar mais do que poucos palmos a nossa frente e o gelo que agora estava presente no solo causava os mais bizarros acidentes. Ver gente parando no meio da trilha para colocar grampos na bota não é uma visão muito acalentadora quando sua melhor e única ferramenta de caminhada é seu corpo meio surrado e acima do peso. De novo o clima “opressor” de Lobuche tomou conta de nossos corações, mas eis que após uma hora de caminhada a luz venceu, o dia se abriu e o sol tomou conta do céu. Nunca fui desses hippies que dão bom dia pro sol, inclusive julgo a turma que faz isso (se você faz, desculpe, já te julguei), mas nesse dia eu quis abraçar o astro rei com todas minhas forças, mesmo que isso fosse causar uma ou outra queimadura em meu corpinho. 

O caminho com a névoa – aí já estava até que bom

O cenário que até então era depressivo transformou-se em uma das paisagens mais lindas que já vi. Estávamos em uma parte plana do vale do Khumbu (situação rara), indo em direção a uma pequena cadeia de colinas rochosas que precisaríamos cruzar para chegar em Gorak Shep, a última vila antes do nosso objetivo final, o campo base do Everest. A nossa frente as já mencionadas colinas, ao lado direito o glaciar do Khumbu e montanhas como Lola, a esquerda mais montanhas que não sei o nome. Tudo branco, imaculado. Parte de uma outra dimensão. Não gosto de neve, mas deve admitir que o inferno branco deixou a paisagem muito mais linda – foi um passeio em um planeta desconhecido. Era complicado decidir entre andar ou apreciar o visual.

Foi um dos momentos em que tive certeza que aquela loucura e todas outras loucuras da viagem eram parte de decisão muito acertada em nossas vidas. Um daqueles raros momentos de epifania em que você se sente em paz com um caminho traçado e ou uma decisão tomada. Dessa vez a natureza empurrou essa epifania pela minha goela abaixo. Qualquer perrengue valeria a pena para viver aquilo e nem no Everest nós tínhamos chegado ainda. 

Rafael e Marina, exploradores interdimensionais presos em uma realidade feita de sal ou algo assim. Esse era o tipo de viagem que estava passando pela minha cabeça durante a ebriedade causada pelo momento de alegria, mas logo o frio, a fome e a sede fizeram questão de destruir o momento. Nada como a vida real martelando as durezas da realidade em nossos sonhos. Continuamos andando, era o que dava pra fazer. 

Marina olhando pelo vale que tínhamos atravessado

Atravessamos os amontoados de rocha que se colocaram de forma muito inconveniente no meio de nossa amada planície de neve e logo estávamos em Gorak Shep (5.164 metros) um triste amontoado de casas e resistência humana em um lugar horrível para se existir. Ainda desgosto mais de Lobuche, mas Gorak Shep foi um péssimo local para dormir. Lá é frio. É mais que frio, é muito frio. É gelado, glacial, muito além do sub-zero. Isso em uma época que não deveria ser tão fria, mas tivemos a “sorte” de pegar uma primavera atípica na região. Para melhorar ficamos em um lodge em que o quarto oferecia exatamente nenhuma proteção contra o frio. Para vocês terem ideia o telhado era vazado e praticamente nevava em nossas camas. A sala comum do lugar também não era tão quente quanto às outras que passamos, e todo mundo lá só tinha cara de triste e sofredor. Resumindo, não sei se deu para perceber mas não gostamos muito de dormir em Gorak Shep.

Desconhecido que entrou na minha foto.

Porém estou me adiantando na história, pois quando chegamos lá ainda estávamos animados, era dia, e só faltavam algumas horas para chegarmos ao basecamp. O itinerário era ir de uma vila para outra e até o campo base e voltar no mesmo dia. 

Almoçamos no lodge, esperamos nossos amigos brasileiros, chegarem a vila  e saímos todos juntos em direção ao tão esperado destino. Aliás eu só mencionei eles de forma superficial até agora, mas conhecemos esse grupo de brasileiros no nosso primeiro dia de trilha e apesar de não andarmos juntos, nos encontramos bastante pelo percurso. Pessoal bem do gente boa. 

O começo da caminhada até o acampamento base.

Já era de tarde e o dia tinha perdido seu brilho, e como acontecia na maioria das tardes naquela região, ficou cinza e nublado. O caminho até o acampamento base foi tranquilo e cheio de risadas. Para chegar lá de Gorak Shep foi necessário atravessar uma série de morros irregulares cheios de mini precipícios, com a companhia do glaciar ao nosso lado direito. Mais ou menos o que tínhamos enfrentado entre Lobuche e Gorak Shep. 

E quando as tendas amarelas das expedições que sobem o Everest já estavam bem próximas e visíveis começou uma bela de uma nevasca. Pisamos no acampamento base sendo castigados por um odioso amontoado de neve. Tudo ficou mais frio, mais cinza e mais escorregadio. Um momento que deveria ser de emoção e orgulho virou algo nas linhas de “vamos tirar uma foto ali com a plaquinha que prova que chegamos até aqui e ir embora deste inferno logo”. 

O acampamento base – a tempestade tinha acabado de começar. A montanha atrás NÃO é o Everest.

A neve deixou a volta muito mais emocionante e fomos nos equilibrando entre pequenos desfiladeiros e pedras soltas. Estava bem frio, estávamos molhados e cansados, mas mesmo assim foi nesse momento que a nossa ficha caiu, que percebemos o que tínhamos acabado de fazer. Chegamos no basecamp e ainda estávamos enfrentando uma nevasca, coisa que não é para qualquer um. Me senti como um antigo viking cruzando uma planície gelada com meus companheiros de exploração. Não tenho a menor ideia porque pensei nisso, afinal o que tem a ver um viking com os Himalaias? Mas eu sou a pessoa que às vezes pensa que montar em um avestruz é o mais próximo que podemos chegar de montar em um T-Rex, então perdoem a falta de coerência da minha mente. 

Foi sensacional, foi marcante e foi foda. Mas voltar para Gorak Shep foi horrível. Como eu já disse, nossas roupas estavam encharcadas e a vila é o inferno gelado na terra. Demoramos muito para nos aquecermos de novo e tivemos que ficar boa parte da noite em frente ao fogão/caldeira do lodge tentando secar as únicas roupas de frio que tínhamos. E aí na hora de dormir ainda tivemos que enfrentar um quarto com uma temperatura negativa. Eu tava quase colocando fogo no meu saco de dormir para me aquecer um pouco. Iria morrer? Sim. Provavelmente causaria uma tragédia? Sim. Mas com certeza eu iria desta para melhor bem quentinho e feliz. 

No acampamento base – não parece mas a tempestade estava bem forte.

Foi uma noite tenebrosa. Talvez mais pela minha ansiedade do que pelas dificuldades do clima. Não consegui pregar o olho. Talvez pelo de que teria que acordar às 5 da manhã para subir um pico próximo da vila chamado Kala Patthar. A Marina estava tranquila, já tinha pulado fora dessa. O Kala Patthar é o pico mais alto que alguém pode subir sem conhecimento técnico, basicamente uma ladeira gigante que te leva até quase 5.600 metros de altura. A ideia é subir bem cedo pois assim é possível ver o sol nascendo atrás do Everest e ainda dá tempo de voltar e fazer o dia render, afinal o plano era começar nossa descida de volta para Lukla no mesmo dia. Sei que minha insônia foi tanta que acordei nosso guia/porter umas da 4 da manhã e partimos mais cedo para a empreitada. 

Logo que saímos percebi que o céu estava muito claro, com as estrelas brilhando intensamente no firmamento. De longe dava para ver as lanternas dos trekkers que já tinham começado a subida ao cume. Não demorou e comecei a me arrepender da minha decisão. Talvez tenha sido efeito das roupas ainda semi molhadas ou só o clima que estava mais inclemente ainda, mas comecei a sentir um frio avassalador nos pés. Começamos a subida e eu dei um belo de um gás deixando muita gente pra trás. Também quase cuspi meu pulmão no processo e quando descobri que minha arrancada não serviu de nada, pois ainda tínhamos umas 2 horas de subida, quis chorar. O caminho estava tomado pela neve, algo incomum para essa época do ano, o que deixou a trilha mais cansativa e traiçoeira. Para melhorar tudo escorreguei, como faço sempre, pois acho que tenho algum gene que me faz escorregar mais do que o normal, e enfiei a mão sem luva na neve, o que foi um ótimo remédio para curar o frio que sentia no pé, porque aí eu percebi que dava pra ser muito pior. Lembrando que ainda era de madrugada e o sol não tinha aparecido ainda. Embora a vista do vale do Khumbu iluminado pelas estrelas tenha sido quase onírica, minha mão estava virando uma garra atrofiada de tanto frio. Eu só queria que o maldito sol surgisse logo por trás do Everest. 

Subida do Kala Patthar – o sol estava quase aparecendo.

A subida até o pico foi muito difícil, talvez o único momento na trilha toda em que eu me senti verdadeiramente cansado e sem ar. Não sei se fui em um ritmo muito apressado ou se sou mole mesmo, mas sei que quando cheguei lá só queria sentar e descansar. Só depois de alguns minutos que consegui tirar algumas fotos e apreciar a vista, uma visão realmente incrível de um vale gelado cercado pelas maiores montanhas do mundo. Uma demonstração de pura potência da natureza. Fantástico e surreal. Mas eu estava com muito frio e só queria sair dali, por isso logo comecei a descer. Encontrei dois amigos brasileiros chegando, até mais acabados do que eu, e ainda avistei um rapaz vomitando ao longo da trilha. Pelo menos não tinha sido difícil só pra mim. Na descida eu só queria me jogar na neve e ir rolando até lá embaixo, um jeito mais rápido, fácil e perigoso de cumprir o objetivo. Mas não, o nosso frágil corpo humano impede esses momentos de diversão, por isso tive que ir escorregando pela trilha, igual um bocó. Mas finalmente cheguei na base e voltei pro lodge, com uma carinha tão sadia quanto a de alguém que acabou de sobreviver a uma explosão atômica. Mal conseguia falar. Foi sensacional ter atingido o cume do Kala Patthar, poder dizer que já escalei algo nos Himalaias e cheguei a 5.600 metros de altitude, mas a melhor parte da experiência toda foi voltar. 

O sol quase aparecendo atrás do Everest (o pico do meio)

E o dia não acabou aí. Depois de toda provação nas alturas só tive tempo de tomar café e logo iniciamos nossa descida. Andamos cerca de mais 6 horas e passamos de 5.200 metros para 4.200. Passamos por precipícios escorregadios e lamacentos, ribanceiras trapaceiras e trilhas inundadas. Tudo culpa do amontoado de neve das nevascas recentes que começava a derreter. Claro que eu, que já levo mais tropeções que o ser humano médio e ainda estava em condições físicas horríveis pela subida feita mais cedo, quase me esborrachei no chão várias vezes. Me sentia uma casca de ser humano se arrastando pelo gelo. Até os trekkers mais idosos me ultrapassaram (e ainda deviam me xingar). Eu sei que esse tipo de trilha não é sobre competição com os outros, mas fica difícil se sentir bem quando até a velha surda da Praça é Nossa é mais rápida que você. E olha que sou acostumado a perder para a terceira idade, certa vez tentei acompanhar o ritmo do doutor Drauzio Varella, que encontrei correndo no Ibirapuera, e quase morri. Enfim, foi nesse ritmo modorrento que chegamos em Periche, uma cidade no outro lado do morro que cerca Dingboche. Lá conseguimos finalmente descansar com mais conforto e dormir bem. 

Vou resumir um pouco a volta, pois se não precisarei de umas três posts para contar tudo sobre a experiência. A única parte diferente do caminho de ida foi passar por Periche. Para chegar e sair de lá andamos pela porção baixa do que parecia ser um antigo leito de rio. Na ida tínhamos andado por cima do morro que acompanha esse leito e realmente a visão mudou. Uma mistura de alagado com deserto cinza tomou conta do cenário sempre vigiado ao fundo pelo Ama Dablam. Depois de cruzar uma ponte e andar por uma série de incríveis penhascos voltamos para o “caminho normal”. O retornar foi uma experiência nova, ângulos diferentes transformaram vistas teoricamente familiares em novidade. Voltar também foi cansativo, afinal para descer caminhamos em 3 dias o percurso que subimos em 8. Haja força no joelho para aguentar o tranco. 

O caminho da volta

No fim a vontade de terminar a experiência toma conta do espírito, não tem jeito. Sabe aquela sensação de “ok, já cumpri meu dever agora só quero relaxar”? Então, talvez isso também tenha nos deixados mais preguiçoso e dificultado um pouco o retorno. 

Foi também um alento sair do frio insuportável e chegar apenas no nível do frio meramente tolerável. Alegria maior ainda foi quando voltamos a ver árvores, florestas e bosques. 

E uma hora acabamos chegando em Lukla, de uma forma meio sonolenta e arrastada, mas chegamos. O único pico de emoção na volta foi causado pela notícia da morte de um companheiro de trilha, ele provavelmente escorregou em um dos trechos mais tranquilos do percurso, o que nos fez pensar em todos buracos, ravinas e desfiladeiros lamacentos e escorregadios que enfrentamos. A vida é estranha e quis o destino que dois seres humanos de pouca estatura e uma tendência para cair no chão conseguissem chegar são e salvos após essa aventura. Ainda bem. 

Mas os perigos da jornada ainda não estavam todos superamos. Nós chegamos em Lukla e pelo menos a andança tinha parado, mas no dia seguinte ainda precisaríamos enfrentar o maldito aeroporto daquele lugar. Eu já descrevi bem o nervoso que os aviões e a estrutura de Lukla e Ramechhap me causaram na ida, mas com certeza é pior sair do que chegar em Lukla. A porcaria do aeroporto fica na base de um penhasco e aquele avião bi-motor sem vergonha tem que acelerar com tudo e se jogar da montanha em um ato de fé que eu não estava preparado para cometer. Passei um nervoso ali que nem os desconfortos intestinais na Cidade Proibida tinham me causado. Um rapaz no nosso voo que até chorou. Foi intenso e agora, contando essa história, eu acho que é uma experiência válida e bacana.  Mas que na hora dá um baita medo, a isso dá. 

A desgraça da pista do aeroporto acaba ali mesmo. É um penhasco.

O importante foi que deu tudo certo, pousamos em Ramechhap e após mais uma van da morte de algumas boas horas (meu deus o Nepal poderia ser um pouquinho mais plano), chegamos em Katmandu. Estava terminada uma das experiências mais especiais da viagem. 

Marina e o Lola

Ainda ficamos alguns dias no Nepal e depois fizemos uma travessia insana para a Índia por terra, tópico do próximo post.

Beijos quentes.

Nepal ou o capítulo das andanças pelos Himalaias 1

vista comum durante a trilha

Olá fiéis seguidores desta estranha jornada pelo mundo e por minhas desventuras intestinais. Chegou o dia de vocês apreciarem mais um conto sobre a “viagem”. Quer saber por que eu usei aspas na palavra viagem? Porque na verdade fiquei 12 meses sem sair de um quarto escuro na casa da minha mãe, alternando entre o videogame e chorar em posição fetal. Essa história de volta ao mundo foi apenas uma fachada para vocês gostarem de mim. Brincadeira. Ou não. Ninguém nunca saberá a verdade. 

E agora vamos falar sobre o Nepal e o nosso trekking.

Saímos de Perth com um certo peso nas almas, uma mistura de receio com preguiça, afinal estávamos deixando um cantinho organizado e familiar para nos jogarmos no caos de sons e cores que é a Ásia. Adoramos nossos 7 meses asiáticos, mas eles nos cansaram bastante. Como seria nossa volta?

Após um atraso considerável no voo, umas voltas nervosas de avião por cima do aeroporto de Katmandu e um pouso inesperado em Calcutá, finalmente conseguimos chegar. Estávamos de volta para o rebuliço asiático. 

O Nepal já mostrou sua cara logo no aeroporto, nos deparamos com aquilo tudo que já tínhamos visto de uma maneira ou de outra por onde passamos: aglomerações ao invés de filas, taxistas abusivos, pessoas invadindo seu espaço pessoal para vender tours, multidões, buzinas, cores, poeira e tuktuks. O trânsito foi uma esperada confusão – mistura perigosa de falta de leis (ou fiscalização) com motoristas ousados demais. Katmandu não é grande e logo que saímos do aeroporto nos deparamos com vielas iluminadas por neon poderosos, construções tradicionais, templos e restaurantes em “buracos” na parede. E assim percebemos que estávamos é com saudades daquele caos todo. Foi uma volta da sensação de aventura, da dinâmica, do movimento e de viajar no “modo difícil”. Ter ido para Austrália foi incrível, inegável, mas o sentimento é outro ao chegar em cantos mais caóticos do mundo. 

A confusão de Katmandu

Katmandu é fascinante e peculiar, mas não dá para falar que é uma boa cidade. Tem muita história, alguns templos sensacionais, um bairro turístico muito interessante, mas é suja (não como a Índia), poeirenta e ainda muito destruída, consequência do terremoto de 2015. Triste ver como o dinheiro de ajudas internacionais e dos milhares de turistas que vão para lá todo ano praticamente não é revertido em benefício da população. 

Thamel, o canto onde ficam os turistas, é uma cidade a parte. Apesar de não refletir a realidade de Katmandu, é interessante. Conta com vários restaurantes bons, bares de origem suspeita, milhares de lojas de equipamento de caminhada e lojas de souvenir e tecidos, todos espremidos em vielas antigas e de arquitetura única. Parece um ponto de convergência de exploradores do mundo todo. 

Ficamos apenas dois dias lá antes de começarmos nossa própria aventura. Foram dois dias sem tempo nem para ir ao banheiro, pois cuidamos de todos preparativos para nossa trilha. Fechamos tudo com a agência e compramos equipamentos e suprimento que faltavam. Inclusive se você estiver precisando de casacos, jaquetas, calças ou qualquer coisa da North Face recomendo dar um pulo em Katmandu. Lá tem tudo o que você imaginar, só que muito mais barato. Claro, você pode acabar adquirindo produtos da Face North ou North Fade sem saber, mas mesmo assim vale a pena. Comprei vários produtos genéricos e todos aguentaram o tranco durante nossas andanças himalaias. 

Aliás, a trilha. Melhor explicar um pouco sobre ela antes de entrar em detalhes sobre os próximos dias. Bom, nosso grande objetivo ao ir para o Nepal era fazer um trekking até o acampamento base do Everest. Esse é um percurso que sai de um ponto com 2.800 metros de altitude e chega até outro com 5.400, ou seja, vai até bem alto, onde tem pouco oxigênio no ar. Falando de distância percorrida, são cerca de 130 quilômetros andados para ir e voltar. É bem frio também. São doze dias (ou mais) passando por pontes sacolejantes, beiradas traiçoeiras de precipícios, rios gelados e iaques com cara de poucos amigos. Mas assim, claro, não foi nada demais, coisa boba que fizemos por diversão sem nem perceber. 

Brincadeira, é uma baita aventura, com certeza. Mas isso não quer dizer que subimos o Everest. De novo, fomos “só” até o acampamento que todas expedições de alpinistas que realmente tentam alcançar o cume usam como base principal. Mas eu não vou ligar se vocês entenderem errado e dizerem por aí que estivemos no topo do mundo. Se não for muito trabalho podem falar também que eu encontrei um Yeti no caminho e obviamente ganhei dele em uma troca de socos amigável. E ele tava com uma faca. 

No dia 10 de abril, uma quarta feira, acordamos duas da manhã, pegamos uma van assassina de bem-estar (mais uma) que nos levou por encostas sinuosas e curvas malditas até Ramechhap, uma cidadezinha que fica a umas 5 horas da capital e tem um dos aeroportos mais tristes que já vi. Bom, nem é um aeroporto na verdade, é uma pista de pouso curta que tem uns casebres em volta onde o pessoal improvisou imigração, balcão de cia aérea e etc… Inclusive estou falando do aeroporto pois era esse nosso destino, foi lá pegamos um avião até Lukla, uma vila nas montanhas onde o trekking realmente começa. Chegar e sair de Lukla de avião é uma das experiências mais aterrorizantes que já tive, e olha que eu já fui chamado para subir no palco em uma daquelas peças interativas. Os aviões que chegam até lá são modelos pouco mais avançados do que o saudoso 14-bis e a pista de pouso de Lukla é mais emocionante que qualquer montanha-russa do Beto Carrero – ela é curta, extremamente curta para que qualquer coisa aconteça com segurança lá. De um lado termina em um morro e do outro em um desfiladeiro. Caso esteja duvidando de mim basta dar um Google em “Lukla Airport” e ver por você mesmo. 

A carroça voadora

Subimos em nossa carroça voadora, demos sorte pois não morremos, chegamos em Lukla, conhecemos o rapaz que iria nos ajudar com as mochilas e já começamos a andar. E sim, nós contratamos um porter, o Gopal (no último dia ele me disse que esse não era o nome dele, mas pedia para a gente chamar ele assim). É estranho e desconfortável olhar uma outra pessoa carregar a maior parte das suas coisas, mas conversamos com muitos viajantes que já tinham feito a trilha antes e todas disseram que em época de alta temporada é bom ter um porter ou guia, pois eles te ajudam a reservar lugar nos lodges (espécie de pousadas)  que ficam pelo caminho. Ir sozinho é correr o risco de chegar em vilas mais elevadas e inóspitas e ficar sem teto para dormir. E isso realmente acontece. Outro ponto – essa é a única profissão deles, muitos como o Gopal só trabalham durante temporada, então não sei o quanto isso é ajudar diretamente a economia local ou não. Talvez eu só esteja me enganando. Mas é perfeitamente possível fazer a trilha sem um guia ou algo do tipo, tudo é bem sinalizado, milhares de pessoas andam pela mesma região e daria sim para completar a caminhada com mais peso nas costas. No fim eu e minha fiel companheira fomos bem econômicos, juntamos todas nossas coisas em um mochila que ficou com 13 quilos (essa o porter levou), eu levei uma mochila com mais algumas coisas aleatórias e uns casacos (ficou com uns 7 quilos) e a Má levou um mini mochila com menos de 1 quilo. Estávamos bem leves. 

Outra coisa que esqueci de dizer e é bom explicar – em nenhum momento é necessário acampar durante o percurso, só se você quiser (para economizar) ou se ficar sem lugar pra dormir. Existem diversas vilas pelo caminho e sempre tínhamos onde parar para comer e para dormir. Ficávamos nos famosos lodges, hospedagens pequenas e simples espalhadas por todo canto nesse ponto do planeta. Certo, agora que tirei isso da frente posso prosseguir.

O aeroporto de Lukla

Começamos em Lukla, quase sem dormir, após rir na cara do perigo ao embarcar no famigerado ”avião” e com fome. Ainda bem que o primeiro dia foi curto e pouco cansativo. Mesmo assim já deu um gostinho do que viria pela frente. Lukla fica 2.800 metros acima do nível do mar, já é um local onde o frio se faz presente, mas ainda não se sente muito a altitude. Até Phakding, a vila onde dormimos, andamos por um verdejante vale dos Himalaias, sempre acompanhando um rio cor de jade num sobe e desce leve. Ao fundo montanhas cobertas de gelo salpicavam no horizonte, mas nenhuma dessas era ainda o Everest. O primeiro e o segundo dia de caminhada, em que a vegetação é mais densa, as vilas maiores e mais fartas e os arrozais visíveis me lembraram um pouco do nosso trekking pelo Vietnã, só que com muito mais stupas budistas pelo caminho. Um visual calmo, tranquilo e quase isolado, não fossem os cerca de 30 mil turistas que passam lá por ano. Uma coisa diferente entre o primeiro e o segundo dia foi o nível de esforço físico necessário para alcançar nossos destinos. Saímos de Phakding, a 2.600 metros e precisaríamos chegar em Namche Bazar, a 3.200. Foi um dia longo, de lindas paisagens e em que cruzamos a ponte mais famosa desse trekking todo, que inclusive aparece no filme Everest de 2015. O problema é que após ela tivemos que enfrentar uma subida contínua de quase 2 horas. A primeira “mega subida” da trilha toda. Isso em um caminho estreito, perigoso e que precisávamos dividir com outros caminhantes e burros de carga. No meio da subida passamos até por um lugar em que supostamente é possível ver o Everest de longe, mas o céu parece sempre estar encoberto perto dele, baita montanha tímida viu, nunca quer aparecer pros outros. 

Passando pelas vilas

O importante é que suados, cansados e talvez até um pouco assados finalmente chegamos em Namche Bazar, pra mim a vila mais impressionante do caminho todo. Foi um momento bem impressionante, pois só dá para ver Namche em sua totalidade ao passar por uma curva  fechada beirando um penhasco e aí depois do que parece ser o limite da cordilheira do nada lá está ela: uma cidade toda na montanha acobertada pela neblina.

Parece tranquilo, mas essa ponte se mexia um bocado

Mas é engraçado que ela não está no topo da montanha, ela parece acompanhar a encosta em forma de ferradura, como se estivesse na beira do precipício. Para mim Namche lembrou uma cidade em uma pequena baía marítima, só que essa baía está uns bons metros acima do mar. E na frente da vila o que tem? Montanhas, claro! Duas, bem grandes, brancas e imponentes, ali paradas, apenas exibindo seu topo tomado pela neve. Eu achei o lugar incrível e com uma vista incrível, realmente marcante. É uma vila mais desenvolvida que as outras, afinal é o último grande ponto antes de o caminho se enveredar por terrenos mais complicados, talvez por isso seja menos “autêntica”, mas ainda assim notável. Lembro de pensar duas coisas quando cheguei lá: se Shangri-la realmente existe fica em algum lugar naqueles vales perdidos dos Himalaias e talvez seja uma cidade parecida com Namche Bazar. 

Namche Bazar

Foram dois dias na vila, pois lá fizemos nossa primeira aclimatação. Mas isso eu vou detalhar mais no próximo post. Escrever sobre tanto esforço físico me cansou. 

Beijos Quentes

Austrália e o capítulo da exploração oeste – parte 3

Passamos por lugares isolados e pouco bonitos

Olá, sobreviventes. 

Pegue um café, chá ou de preferência algo que deixe seus neurônios um pouco mais entorpecidos. Mais um bocado de bobagens está prestes a ser despejado em você.

Esse é mais um capítulo sobre a Austrália e nossas aventuras rodoviárias por lá. E é o último, juro, depois deste o próximo relato será sobre o Nepal e as andanças pelos Himalaias. Muito mais frio e aventuroso.

No capítulo anterior estávamos em Perth, usufruindo de um Airbnb em um bairro asiático e prestes a começar uma nova viagem de carro. Foram poucos dias parados, pois nos despedimos do companheiro Paulo e logo na manhã seguinte fomos pegar nosso incrível veículo na locadora para começar uma nova aventura.

Faríamos uma road trip menor, de oito dias, por isso optamos por “estilo” invés de “funcionalidade”. Alugamos uma campervan, pois queríamos ter a experiência de “viver no nosso carro”, a epítome do espírito livre que é inerente às road trips. 

Mas não foi qualquer campervan. Não foi nem ao menos uma boa campervan. Eu não diria nem que era uma campervan “média”. Não. Foi um furgão Suzuki saído direto do Japão feudal, apenas levemente modificado e com uma pintura externa singular. Ele tinha compartimentos de madeira acoplados em sua parte traseira e alguns equipamentos, como colchonetes, fogareiro, panelas, pia, etc… tudo bem simples. Caso você busque por “van life” no YouTube vai achar diversos vídeos sobre carros incríveis e ajustados de forma magnífica, com modificações inteligentes que criam um senso de conforto e autonomia. Não era o nosso caso. Basicamente alugamos uma “rape van” com 140 mil kms rodados e com colchonetes velhos embutidos, mas foi divertido. Pelo preço esperávamos algo melhor, mas a vida nos fez de otários de novo. Ao menos fomos otários felizes por alguns dias (assim que aprendemos a lidar com os mosquitos). 

Importante lembrar – campervan são diferentes (e bem mais simples) do que motorhomes e trailers.

Um último ponto importante sobre nosso veículo, além de ele estar sempre na iminência de perder alguma peça vital na estrada, não conseguir ultrapassar 90km/h sem capotar e ter um cheiro peculiar – ele também não era nada discreto. Alugamos ele na Wicked Campers, uma empresa toda modernosa que serve a jovens “rebeldes” que ainda não sentem dores nas costas e gostam de ficar nus por aí (no escritório da empresa tem um monte de fotos de clientes nus perto dos carros, não entendi o porquê até agora). Os carros da Wicked Campers tem pinturas interessantes e engraçadas, como por exemplo um motorhome que é igual a van do Scooby-Doo. O nosso furgão tinha um trabalho estético mais peculiar, algo meio urbano e ameaçador, que não era nem bonito nem legal. Sabe aquele tipo de carro que você olha e pensa “olha lá o imbecil chegando”, então, esse era o nosso. Parecia um carro de gangue, mas ao invés de figuras amedrontadoras quem descia dele eram dois turistas desajeitados. Os observadores deviam imaginar que estávamos escapando do nosso cativeiro ou algo assim. 

Nosso veículo do amor

Pode parecer que eu não gostei do nosso furgãozinho, afinal foram dois parágrafos apenas criticando ele, mas eu gostei sim. Eu não adorei logo de cara e esperava algo muito mais legal, mas com o tempo criei um certo carinho por aquela coisa estranha. Acho que é mais ou menos assim que minha mãe deve se sentir em relação a mim. 

Nosso plano era explorar a parte sul da Austrália ocidental dessa vez, indo até Esperance e voltando por alguns locais interessantes ao longo da costa. Foi uma viagem curta em dias, mas quase tão longa quanto a anterior em distância, cerca de 2.100 kms rodados. 

Já adianto aqui, essa foi mais uma viagem incrível. Impossível não comparar o sul com o norte da costa oeste. Fomos de uma área praticamente deserta e isolada para locais mais verdes e mais populosos, na medida do possível, claro.

 Saímos de Perth e cortamos parte do interior para chegar direto à Esperance, no litoral. Foi um dia longo e em que atravessamos uma paisagem parecida com o meio oeste americano (ou pelo menos parecido com o que eu vejo nos filmes): cidades de uma rua só, imensos campos dourados se estendendo até o horizonte, poeira e árvores pequenas e retorcidas. Foi uma passagem por uma Austrália bem interiorana, até mais isolada que as minúsculas vilas que vimos ao norte. Como nosso carrinho não conseguia cobrir muita distância acabamos dormindo no meio do percurso, em uma cidadezinha esquecida pelo mundo chamada Lake King. 

Mais um foto de Esperance e eu ainda nem falei disso no texto

Claro, como qualquer lugar na Austrália que tenha mais do que três pessoas, Lake King tem um caravan park (camping). Para ficarmos lá precisávamos pagar a estadia na taverna local, que fica ao lado do camping. Vou falar, quando entrei na taverna me senti em um filme – sabe aquele tipo de cena em filmes de faroeste em que todos param de falar e encaram o forasteiro entrando no saloon? Foi isso que aconteceu. No momento em que todos no bar olharam pra mim me preparei para sair na mão com quem fosse necessário, mas eles foram todos bem gente boa e nada aconteceu, para sorte deles.

E foi nessa primeira noite que nos deparamos com um problema que seria uma dor de cabeça nos próximos entardeceres: os mosquitos. Dormíamos na parte de trás do carro e ele ficava um forno sem nenhuma abertura (sem falar que não é muito indicado dormir com as janelas fechadas), mas qualquer frestinha era um portal para uma horda sanguinolenta de mosquitos. Foi uma péssima noite de sono. Apenas dias depois, após algumas gambiarras mal feitas (inclusive usando papel de embrulhar presente), uma chacina de insetos e poucas horas descansadas que chegamos à conclusão definitiva para esse problema: como não achamos mosquiteiros próprios para carros improvisamos panos de cozinha, daqueles coloridos, presos nas janelas. Eles eram arejados na medida certa e uma bela rede de proteção contra os minúsculos arautos do inferno. Uma solução digna de MacGyver de dona Marina. 

Mas voltando à estrada – no dia seguinte seguimos cortando o interior e finalmente chegamos até Esperance. A vegetação ficou mais verde, até mais árvores apareceram, e de repente estávamos em uma costa com diversas praias de areia branca, mar azul, violento e frio. Esperance é uma cidade interessante, tem certa estrutura e praias lindas ao redor. Com certeza moraria lá por um tempo. É longe de tudo, mas de um jeito bom. 

Fizemos a Great Ocean Drive (não é Great Ocean Road), um passeio curto por inúmeros pontos locais, e paramos em uma praia belíssima e “nude friendly”. Não tinha ninguém pelado lá. Quer dizer, tinha sim, um tiozão que usava apenas um chapéu e parecia uma estátua sentado em umas rochas dentro do mar congelante. Ele realmente não se movia, estava comprometido com a nudez de um jeito transcendental, porque eu não teria aguentado dois minutos ali com os escrotos afundados em água congelante. O melhor de tudo é que ele ficava bem no limite da área “nude friendly” da praia, fazendo um contato visual estranho com todos que ousavam entrar em seus domínios. Era o guardião dos peladões. Passamos pelo olhar julgador do colosso nu e andamos mais para dentro da área onde era legal ficar nu, longe dos olhares do tio indiscreto e, bom, tiramos as roupas. Ou melhor, a Marina tirou tudo e ficou muito feliz. Foi uma baita experiência de libertação para ela, algo intenso e importante. Eu consegui ficar um total de dois minutos nu, mas aí minha neurose e repressão tomaram conta da mente e logo já estava de shorts novamente. Esse negócio de ficar pelado é pros bêbados e pros corajosos, e eu que nem alcoolizado ganho coragem já sei que isso não é pra mim. 

No dia seguinte continuamos em Esperance e visitamos o Cape Le Grand National Park, um parque nacional que fica pertinho da cidade e tem praias surreais. Passamos a maior parte do dia em Lucky Bay, um paraíso de água azul turquesa que os humanos dividem com cangurus. Lugar incrível. Ainda visitamos Thistle Cove, Hellfire Bay (que tem o nome mais legal do mundo) e o Frenchman Peak.

Lucky Bay

Depois de dois dias de gracejos estéticos demos adeus à Esperance e partimos em direção a área de Margaret River. Para isso cortamos de novo o interior da região sul, dessa vez em direção a oeste, e de novo nos enfiamos nos infinitos campos planos e poeirentos do “meio oeste” australiano. Nesse dia fomos em direção a uma poderosa tempestade, enfiamos o carro num mar de nuvens negras e raios intimidadores, me senti no filme Twister. Dormimos em uma cidadezinha bem interiorana chamada Kojonup. O povo de lá é daqueles com olhar desconfiado e eram mais reservados do que o australiano médio, algo típico de cidades menores e pouco visitadas. Ficamos em um caravan park sinistro, com diversos moradores “fixos”. Uma turma bem estranha que poderia ter sido parte do elenco do “Massacre da Serra Elétrica”. Eu não me surpreenderia se alguém nos atacasse durante a noite, mas como já disse na newsletter anterior, estou preparado para esse tipo de situação. 

Conforme nos aproximamos de Margaret River os povoados ficaram maiores e com mais estrutura. A paisagem mudou de novo, voltando a ficar mais verde e até mesmo mais “temperada”, com bosques de pinheiros mesclados ao bush australiano. Essa é uma região muito bonita e charmosa, e bem mais turística do que outros pontos que visitamos (até por ser próxima de Perth). É uma espécie de Campos do Jordão com praia – e eu sei que sempre uso Campos do Jordão como comparação, mas é que meu repertório de cidades é baixo, desculpe. 

Ali perto existem diversas vinícolas, fábricas de queijo, fábricas de chocolate e bons restaurantes. E também a alguns poucos quilômetros ficam praias lindas. É um canto bem feliz da Austrália. 

Aliás o que eu chamo aqui de Margaret River é uma região que engloba várias pequenas cidades e vilas, inclusive a própria cidade de Margaret River, como também Dunsborough e Yallingup (que visitamos). Passamos três dias por ali e: comemos sorvete, chocolate, degustamos vinho, fomos a uma feira de orgânicos, conhecemos praias absurdamente bonitas, escalamos rochas e nos divertimos muito.  Apesar de tudo já mencionado, diria que o ponto alto das atividades foi assistir a uma mulher que estava falando ao telefone e comendo pizza derrubar uma parte de sua pizza na calçada, parar, colocar a outra parte da pizza que ainda estava em condições de consumo também na calçada, pegar a parte que caiu e colocar em cima da parte que não caiu mas que agora também estava suja e continuar com sua vida e com sua conversa como se nada tivesse acontecido.

Se você reparar bem me verá ali em cima das rochas

O ponto baixo dessas andanças automotivas foi que durante essa terceira road trip foi quando sofremos nosso primeiro e único furto da viagem. Bem na Austrália. Nunca se sabe quando alguém vai precisar de um adaptador de tomada. Paciência. 

E assim foi nossa terceira e última road trip na Austrália. Todas foram incríveis e eu já escrevi sobre a mágica desse tipo de viagem. Essa foi especial pois acho que nunca tinha ficado tanto tempo na estrada (dirigindo) com apenas a Má. Até ao nosso carro nos apegamos, mas confesso que fiquei feliz de devolvê-lo e sair de trás do volante.

O bicho mais legal do planeta e um quokka

Voltamos para Perth no dia 25/03 e até o dia 06/04 ficamos em um Airbnb em um bairro um pouco afastado, só recarregando energias para enfrentar nossa próxima empreitada, um trekking no Nepal. 

Foram dias gostosos em que nós cozinhamos muito e estabelecemos uma rotina, algo raro na vida de viajante. Foram também dias importantes para aprendermos várias coisas, mas eles não foram dos mais emocionantes, por isso não vou me alongar aqui sobre esse período.

Um ponto de destaque porém: visitamos uma ilha belíssima que fica muito perto de Perth, a Rottnest Island. Lá é o lar de milhares de quokkas, o bicho mais figura que existe. Se você viu um quokka de perto já pode morrer feliz.

É isso aí

E assim acabam os relatos da Austrália, um lugar que com certeza eu gostaria de chamar de casa por um tempo.

Sim, isso quer dizer que o próximo relato já será sobre o Nepal e nossa trilha até o Everest. 

Aguarde. E fique bem até lá.

Beijos quentes.

Austrália e o capítulo da exploração oeste – parte 2

Mais um pôr do sol bacana – Gladstone

Olá, bravos sobreviventes do ano de 2020. Esse espaço virtual já estava abandonado, empoeirado e fadado ao esquecimento. Mas as circunstâncias peculiares da nossa realidade me levaram a reconsiderar as atualizações da nossa viagem, porque não é possível que ler estes textos seja pior que do ler as notícias. Divirta-se.

Em tempos mais felizes estávamos na Austrália, falando sobre uma road trip pelo deserto. Caso alguém queira relembrar basta clicar aqui.

Terminei o último texto com a promessa de comentar sobre duas experiências particularmente marcantes que aconteceram durante a tal da road trip. Agora, olhando com um certo distanciamento, talvez elas não sejam tão incríveis assim, Talvez você leia e pense “que merda hein”. Mas de alguma forma elas foram especiais para nós e por isso vou manter a promessa. 

A primeira das tais experiências aconteceu em Coral Bay, uma pequena cidade bem ao norte da costa oeste. E quando eu digo cidade pequena, acredite, era pequena. No máximo 4 ruas e 196 habitantes de acordo com um levantamento de 2006. 

Uma palinha de Coral Bay

A temporada de mergulhos com tubarões baleia tinha acabado de começar e resolvemos aproveitar (afinal tínhamos que fazer algo fora do carro). Nas Filipinas, por onde já tínhamos passado, existe um local em que também se pode nadar com o maior peixe do oceano, pagando muito menos inclusive, mas não nos interessou participar, pois lá os tubarões são alimentados todos os dias e são quase domesticados. Aliás são bem dos estranhos, como zumbis marinhos cercados por uma horda de humanos. Não nos pareceu algo agradável de fazer, nem para nós e nem para os tubarões baleia.

Na Austrália a história era diferente. O processo seria muito mais integrado com o ambiente e com a passagem do tubarão por aquelas águas, muito menos invasivo e muito, mas muito mais caro. Acho que essa é uma das poucas vezes que vou escrever isso na vida, mas fiquei feliz de ter pagado a mais.O esquema é muito profissional e as pessoas bem treinadas – um grupo pequeno de turistas pega o barco e faz snorkel enquanto um aviãozinho procura pelos tubarões e, assim que os avista, avisa a equipe no barco. Todo o processo é bem rápido e, na minha opinião, cheio de adrenalina. Nós, turistas, assim que o bicho é avistado, recebemos um  briefing rápido de como se portar na água, nos separamos em dois grupos e já ficamos a postos na parte traseira do barco para cair na água. Assim que o guia diz “vai” todos tem que pular no mar e nadar como se não houvesse amanhã, até que uma hora o bichão surge. 

Em todas as vezes que repetimos o processo o tubarão baleia passou por nós como se não fôssemos nada.  Um ser do tamanho de um micro-ônibus nadando com toda sua graciosidade e ignorando nós, os estranhos. Em alguns momentos conseguimos acompanhá-lo, e nadar ao seu lado foi incrível. Não dá para descrever a sensação de estar ali com um ser tão grande e majestoso, como se fôssemos colegas dando um passeio juntos. 

O tal do tubarão baleia

Para melhorar tudo e deixar a experiência mais graciosa, claro que eu passei uma vergonha, pois o processo contínuo de “caçar” o tubarão (pular no mar, subir no barco, se preparar de novo, ficar na parte traseira do barco esperando, pular no mar, subir no barco e etc…) me causou um sério enjoo, ainda mais porque ficávamos respirando aquele cheiro agradável de diesel do motor o tempo todo. Dessa vez fui eu quem acabei vomitando (e não a Marina), não uma, mas duas vezes. Pelo menos fiz tudo com a discrição de um lorde inglês. Um lorde inglês com restos de pão e manteiga pelo corpo, mas ainda um lorde inglês.

Talvez alguém tenha visto, não sei, mas foram regurgitadas consideráveis. Gosto de pensar que fiz minha parte para atrair o tubarão baleia para perto do barco. 

O esquema da lancha

E nesse dia, além disso tudo que já escrevi, ainda fizemos snorkel com tubarões “normais” e vimos tartarugas e baleias passando por nós. Nada mal para algumas horas no mar.  

A segunda experiência que gostaria de comentar foi quando resolvemos acampar no meio do nada em um camping perdido entre o mar e o deserto chamado Gladstone. O rastro de civilização mais perto do local era um pequeno posto de gasolina comandado por um casal de velhinhos a uns 18 km de distância. 

O lugar ficava bem à beira mar, em uma praia revolta com apenas um pontão quebrado que alguns malucos usam para pescaria. Chegamos no fim da tarde e estava praticamente vazio, apenas nós e mais uns dois ou três grupos de pessoas. Como a área de camping é vasta, ficamos bem isolados de todo mundo. Pelo terreno vimos alguns trailers antigos trancados, que pareciam abandonados. O deserto melancólico atrás de nós, o mar selvagem à frente e uns trailers misteriosos ali com a gente criaram um clima de filme de terror e eu estava crente que alguma hora uma família de caipiras canibais iria se esgueirar até nosso acampamento e tentar massacrar todo mundo (ou apenas tomar uma cerveja com a gente). Fico feliz que isso não tenha acontecido, mas digo também que estou preparado para esse tipo de cenário, então podem se acalmar os leitores mais aflitos, sei me virar pelos meandros da maluquice humana.

Mas estar longe de tudo foi bem bacana. Quer dizer, seria ideal caso fôssemos preparados e experientes nesse tipo de coisa, coisa que não éramos. Para começar nem fogareiro ou algo do tipo tínhamos, pois vimos pelo nosso celular que o camping  (supostamente) tinha churrasqueira, o que acabou sendo uma mentira. Tivemos que improvisar uma fogueira, algo que agora eu me dou conta que é ilegal fazer por aquelas bandas, e nem fósforo ou combustível havia por lá. Enquanto fui correndo até o posto ver o que dava para arranjar, o Paulo, nosso amigo que nos acompanhou nessa aventura, conseguiu usar a pederneira da minha faca e acender a fogueira com uns jornais velhos e madeira seca. Voltei e descobri ele comemorando o feito como um homem das cavernas que descobriu o fogo. Coletamos mais madeira seca dos arbustos em volta (mais um ato ilegal nosso) e improvisamos uma grelha com um pedaço sujo de ferro que achamos no chão. Tudo bem higiênico.

O Churrasco em Gladstone

Enquanto isso a Marina mostrou que já pode ser considerada australiana e montou as barracas em menos de 1 minuto. 

Foi uma noite de improvisos, churrasco com carne suja (caiu no carvão diversas vezes), cerveja quente e KLB no som. Deu tudo tão errado que deu certo, e sujos, suados e queimados nos divertimos muito. Lá foi também onde vimos o pôr do sol mais bonito da Austrália. Toda vez que estamos passando um perrengue um pôr do sol bonito aparece, acho que é um jeito do universo de apaziguar as coisas. 

E o melhor da noite foi na hora de dormir, em que descobrimos que nosso convidado Paulo não cabia na barraca em que compramos (e ele tinha uma só pra ele, eu e a Má estávamos compartilhando outra). Ele resmungava e se debatia lá dentro, como um animal bêbado e enjaulado. Eu não conseguia parar de rir ao ver os pés dele despontando para fora da tenda. Acho que se eu estivesse um pouco mais sóbrio sentiria pena. Aposto que ele ficou com saudades do hostel esquisito em que colocamos ele no começo da viagem.

Foi um dia estranho e diferente, mas especial a sua maneira. Hoje me dou conta que cometemos algumas ilegalidades, coisa que eu não faria de novo, mas na hora estávamos lutando pela nossa sobrevivência, então está valendo. Fico feliz de não ter começado um incêndio imenso. 

Caso alguém queira saber mais dessa nossa jornada recomendo o perfil da Marina: @sejogaai – lá dá para ver bem por tudo que passamos. Eu já cansei de escrever, então o capítulo está quase no fim. O que resta dizer é que voltamos para Perth e ficamos alguns dias em um Airbnb até o Paulo ir embora e até começarmos outra road trip, dessa vez só eu e a Marina. 

Em Perth fizemos o que fazemos de melhor, fomos à praia, fizemos churrasco e bebemos umas cervejas diferentes. Baita cidade legal. 

Fiquem bem e não caiam numa espiral de loucura e ódio. 2020 vai passar. 

Beijos Quentes.

Austrália e o capítulo de Melbourne e as pequenas alegrias

Foto bonito logo de cara mesmo

Olá exploradores do sinistro e do macabro, venho mais uma vez com a dose (agora) semanal de escuridão que tanto gostam. Espero que agora as coisas andem de vez nesse humilde espaço virtual. Pelo menos agora o texto é sobre outro país, chega de falar das Filipinas.

Como de praxe esse texto começa exatamente onde terminei o último relato, ou seja, estávamos prestes a começar (mais) uma maratona de deslocamentos para sair das Filipinas em direção a Melbourne, Austrália.

Farei um breve resumo dessa loucura movida a combustível fóssil, pois vocês não merecem mais uma descrição detalhada de voos e horários.

Acordamos cedo em Malapascua, uma ilha mágica perto de Cebu, e pegamos a balsa. Ao chegar no porto de Maia, já no continente, embarcamos em um ônibus (que tinha todos os últimos lançamentos do The Rock na sua televisão a bordo) para Cebu City. Cerca de 4 horas depois chegamos àquela triste desculpa para uma cidade. Gastamos tempo em um shopping e fomos para o aeroporto. E lá se foram 10 horas sentados no terminal 1 até nosso voo que partia apenas às 23h. Pelo menos terminamos de ver Russian Doll sentados nas duras cadeiras de um saguão esquecido pelo mundo. Voamos de Cebu para Manila, onde chegamos à 1 da madrugada. Demos aquela passeada pelo aeroporto até o check-in abrir, nosso avião para Melbourne partiria às 6 horas da manhã. E após longa espera embarcamos em um voo de 9 horas, SEM NENHUM LANCHE OU COMIDA, até a Austrália. Vou repetir aqui porque foi complicado – nem água eles serviam. Quer dizer, serviam, mas tinha que pagar. E era caro. E sim, eu posso ser muquirana além da conta, mas que sacanagem é essa de não oferecer um mísero copo da água em um voo intercontinental? Tenho uma relação de amor e ódio com essas cia aéreas low cost. Na verdade é só ódio mesmo, to pouco me lixando para conglomerados do transporte. 

Mas no fim do dia 23 de fevereiro chegamos. Ufa. E após mais um pequeno passeio pelos transportes australianos, onde já pudemos notar a diferença entre continentes, finalmente estávamos na casa de nossos amigos, nosso destino pela próxima semana. Dois dias batendo perna e passando sede por aí para sentar a bunda em um sofá. E valeu a pena.

Melbourne

Antes de falar do nosso tempo preguiça, apenas uma observação de que foi estranho sair da Ásia e chegar em um país sem asiáticos sendo a maioria no cotidiano. Não que isso seja bom ou ruim. Quis dizer que foi uma mudança súbita de parâmetros quando já estávamos acostumado com a Ásia e, principalmente, com o sudeste Asiático. Por exemplo, ver pessoas brancas trabalhando no “dia a dia” foi peculiar. Mudou o rosto da mão de obra, mudou tudo. Foi a primeira vez em nossa viagem, fora alguns dias na Rússia, que uma mudança tão grande de “ares” aconteceu. 

E agora uma pausa para agradecer com entusiasmo demasiado a Clarissa e o João, nossos anfitriões na cidade. Primeiro porque receberam dois cacos humanos com uma lasanha quase melhor que a da minha falecida avó (e ela era italiana, de verdade, do tipo que nasceu na Itália mesmo), segundo por nos fazerem sentir em casa.

Quase todo nosso tempo em Melbourne aconteceu no apartamento desse casal supimpa, que, como já disse, nos receberam muito bem. 

Enfim, Melbourne. Que cidade, que tempo bom. Uma cidade com outro ritmo, mas que funciona. E como funciona. Funciona bem demais. Para mim, que estou acostumado com enchente e leptospirose Melbourne é o exemplo do ótimo funcionamento.  É anos luz melhor que São Paulo (e que praticamente todas outras cidades do mundo, afinal é muitas vezes votada como melhor lugar para viver). Lá o povo aproveita as ruas e os espaços públicos. Lá tem transporte bom e ótima integração com a natureza. Que lugar, que lugar. Moraria ali tranquilamente. 

Melbourne 2

Adorei o Shrine of Remembrance (memorial de guerra) e a biblioteca municipal. Aliás “de filme” essa tal biblioteca, deu até vontade de sentar lá e estudar, escrever, ou quem sabe resolver um crime em que o serial killer faz referência ao livro Paraíso Perdido, de Milton, em seus assassinatos (esse é o enredo de Seven, mas tudo bem). Também visitamos o Victoria Market, um lugar com um clima hipster, porém acessível, que tem comidas do mundo todo. Aliás boa parte da Austrália tem um clima hipster acessível, menos os confins interioranos que fazem cosplay do pior que existe no meio-oeste americano. 

Outro ponto positivo da cidade é que a galera começa a encher o caneco bem cedo, não tem essa de trabalhar igual maluco (pelo menos não é uma doideira igual temos no Brasil). Demais.

Fora isso curtimos muito o sofá da Clarissa. O apartamento deles é muito aconchegante e nossa recepção foi estelar. Teve churrasco (louvado seja o Senhor), lasanha, cinema, pinguim na praia e jogo de buraco. Minha fase mal humorada já estava passando a essa altura da viagem, então posso falar, pessoas são legais sim. Algumas. Bem poucas. Mas elas existem. 

O mais engraçado foi que os dias que passamos aproveitando uma casinha e um sofá nos lembraram dessas pequenas alegrias rotineiras. Saímos do Brasil justamente para fugir de muito disso, mas sempre gostamos de ter um canto nosso e de criar nossa vida em um microcosmo inabalável de amor e carinho. Pena que trabalho, trânsito, estresse e mais um monte de outras coisas entram no meio desse microcosmo que no fim não é tão inabalável assim. Nós sempre demos valor para isso, a viagem só nos fez ter saudades de alguns aspectos de uma vida mais tranquila e consequentemente valorizar ainda mais esse tipo de coisa quando voltarmos. Isso é, até tudo virar rotina e o marasmo e o vazio existencial inerentes ao ser humano tomarem conta das nossas almas novamente.

Enfim, tema para outro post.

Voltando à Austrália.

Na Road Trip deu para pegar uma onda em bells beach

Por lá não ficamos só parados não, acredite. Com muito esforço (para sair do sofá) fizemos a nossa primeira road trip australiana.

Durante os dias 28 de fevereiro e 1 de março alugamos um carro e fizemos  o trajeto conhecido como Great Ocean Road. Olha, recomendo, foi gostoso demais. 

Apenas nós dois, desbravando a estrada e parando em pontos de interesse. Foi a volta daquele sentimento que tanto falo aqui e nunca consigo descrever direito. É um misto de liberdade com aventura. Uma sensação que senti muito durante as road trips que fizemos pela Austrália, mas calma, esse tipo mágico de viagem é assunto de próximos relatos.

Voltando a estrada, e que estrada, passamos por lugares lindos – praias amarelas, praias brancas, faróis e paredões gigantescos desafiando o mar. Aliás tudo relacionado ao oceano nessa parte do país parece feroz, o mar é bravo, a terra termina de forma abrupta como garras rochosas, e os dois se chocam em uma briga eterna, em que a terra sempre cede um pouco de cada vez. É violento e é lindo. Uma dança sem sutilezas. 

Tem lugar bonito demais por lá

A parte final da Great Ocean Road é a mais bonita, após o trecho pela “floresta”, ali na altura de Port Campbell. Os 12 apóstolos são realmente algo espetacular e ainda pegamos um fim de tarde com uma leve névoa cercando o lugar, parecia que alguma batalha épica estava prestes a acontecer, como se uma monstruosidade enorme fosse surgir do oceano a qualquer momento. Aliás ali por perto tem muitos pontos lindos, vale checar o Instagram da Má (@sejogaai) para ver todos, pois eu não vou ficar falando sobre um por um aqui. 

12 Apóstolos

Só vou falar que tudo valeu demais.

Depois disso voltamos para Melbourne apenas por um dia, nos despedimos de nossos amigos e partimos para Perth.

Essa foi um período especial em nossa viagem. Recarregamos energias, sentimos o gosto de ter uma casinha, mesmo que não fosse nossa, e ainda fomos bem tratados. Foi tudo que precisávamos para recuperar o gás que as maratonas de transporte asiático tinham roubado da gente. 

Beijos Quentes