Tailândia ou o capítulo da arte de pegar carona e dormir no pântano

Olá, compatriotas do tártaro e das sombras. Chegou o momento da semana que até os círculos mais profundos da deep web temem, a atualização desse querido blog.

No último relato tínhamos acabado de chegar em Phang Nga, uma cidadezinha interiorana do sul da Tailândia, para tentar a sorte com uma carona. O primeiro dia na missão foi uma falha completa – andamos muito, fomos a atração ambulante ao passarmos em frente a uma escola em horário de saída, tomamos chuva e nenhum motorista sequer olhou para nossas tristes caras.

Para mudar essa situação resolvemos nos preparar melhor para a manhã seguinte. Quando a chuva deu uma trégua nos aventuramos na noite da cidade. Passamos por uma feirinha local, um shopping decadente e algumas lojinhas de rua. Depois de adquirir o material que necessitávamos (que eram apenas pedaços de papelão), fizemos o mapeamento da região para achar um lugar mais propício à bondade dos veículos passantes. Por sorte Phang Nga é uma cidade de praticamente uma avenida só e nosso hotel ficava quase na sua saída. Achamos um posto de gasolina na boca da estrada que seria perfeito para nossos objetivos.

De volta ao nosso quarto fizemos um trabalho de artesanato digno de ensino fundamental e escrevemos em tailandês e inglês o nome do nosso destino e a palavra “obrigado”.

Caronando

Pode parecer bobagem, mas estávamos um pouco nervosos. Seria a primeira vez pegando carona em uma viagem e, claro, em um país que não o Brasil. Oras, acho que até no Brasil nós não pegávamos carona com estranhos, afinal nossa cidade natal é pequena e praticamente toda carona (quando necessária) é com algum conhecido e se na grande São Paulo alguém estranho nos oferecesse carona eu sairia correndo, pois ainda não estou pronto para perder meus órgãos. E a Marina, você indaga? Eu largaria ela à mercê de um desconhecido? Oras, ela corre mais rápido que eu, a menina já estaria na lua quando eu começasse a me movimentar. E não, ainda não aprendi a confiar na boa vontade do paulistano.

Enfim, seria uma carona rápida, estávamos nos dirigindo para Khura Buri, umas duas horas ao norte de onde estávamos. De lá pegaríamos um barco para o parque nacional de Surin. Mesmo assim estávamos ansiosos.

E quando o dia seguinte chegou fomos até nosso local de combate, colocamos um sorriso no rosto (isso foi especialmente difícil para mim, pois a Marina diz que não sei sorrir direito) e balançamos nossas plaquinhas para os carros que passavam. Uma dica que li na internet e comecei a aplicar foi: estabelecer contato visual com o motorista. É uma boa dica, por um momento é criado aquele vínculo de estranheza que acontece quando você está encarando uma pessoa e ela percebe repentinamente. Mas é difícil manter esse vínculo, pois ele é pautado em uma situação desconfortável, tipo quando você está na sala junto com a sua tia e ela começa a se acabar em beijos molhados com o Clóvis, o novo namorado dela. Por isso eu senti que alguns motoristas quase pararam após estabelecida essa ponte de olhares, mas desistiram no minuto final. Tudo bem, continuei ali sorrindo meu melhor sorriso falso.

Depois de uma meia hora plantados no ponto insisti para que a Marina aplicasse a técnica do contato visual e logo um casal em uma Hilux parou e nos ofereceu carona. Acho que a Marina estabelece vínculos visuais melhores que os meus. Talvez toda aquela história de estranheza e desconforto seja exclusivo a minha triste pessoa, quem sabe. O importante é que conseguimos uma carona após eu incomodar alguns motoristas.

Os anjos da carona

Foi uma viagem apertada e silenciosa. Tentamos contato, mas nenhum dos dois falava inglês. Agradecemos muito eles pararem e seguimos quietos então. Algumas tentativas de papo logo morreram naquele silêncio ensurdecedor do incômodo com o alheio. Tenho quase certeza que os dois eram colegas de trabalho e não um casal com algum tipo de relacionamento, tanto pelas roupas quanto pela bagagem deles. Talvez fossem espiões de alguma nação vizinha e tinham acabado de roubar planos dos militares tailandeses, quem sabe, mas por mais que eu queira florear essa história o momento mais “emocionante” da carona toda foi quando o homem abriu a janela e jogou um papel de bala pra fora. A Marina quase pulou no pescoço dele.

E foi assim a história de como chegamos em Khura Buri, outra cidadezinha de “uma rua só” perdida no litoral da Tailândia. Khura Buri é um lugar quente, abafado, úmido e tropical. É uma cidade simples cortada por um rio que parece ser a casa de muitos crocodilos (não é). Apelidamos Khura Buri de “nosso pântano favorito”.

Khura Buri – aqueles NÃO eram nossos chalés

Logo que pulamos do carro de nossos amigos “espiões” seguimos a placa de um hotelzinho que vimos da estrada. Nossa plano era dormir uma noite lá e no dia seguinte ir para Surin, mas não tínhamos nada marcado.

Após seguir por uma estradinha lamacenta que acompanhava de lado um rio e do outra a mata fechada, demos de cara com uma clareira em que ficavam uns chalés rudimentares. Por sorte pegamos a dona dos chalés por lá, a Am (caso contrário teríamos que andar até a cidade de novo). Ela logo nos liberou uma das casinhas simples e disse para pagarmos depois, no escritório dela que ficava na (única) avenida da cidade. Ela avisou que também trabalhava com transportes para Surin, por isso a ideia era já matar tudo com uma cajadada só.

Aproveitamos para relaxar um pouco no nosso novo abrigo, feito de madeira e muita oração para ficar em pé. Foi lá que o apelido de “pântano” surgiu para Khura Buri, pois tínhamos a sensação que qualquer momento ou o chalé iria se enterrar no solo molhado do lugar ou algum réptil gigante iria nos atacar. Mas brincadeiras a parte, foi uma boa estadia. O lugar era limpo e confortável, apesar do banho ser frio e de caneca. Foi também uma das acomodações mais baratas que pagamos na Tailândia e, apesar da simplicidade e do local isolado, com um dos melhores sinais de internet da viagem toda. “Nossa, mas não é bom se desconectar quando assim na natureza?” – pergunta você, leitor mais inconveniente. Claro, é sim, mas se eu estiver morrendo devorado por um crocodilo uma internet boa é imprescindível para que eu conte o que está acontecendo para o mundo.

Enfim, nos adoramos o “pântano”.

Durante a tarde fomos para a cidade, almoçamos e fechamos tudo com a Am e o marido dela, o Tom. Eles são um casal batalhador e gente boa que além do hotel e da agência, ainda gerenciam um reggae bar no mesmo local do escritório, que também é a casa deles. Eles nos convidaram para voltar à noite e conferir mais essa faceta empreendedora deles, e foi o que fizemos. Mas antes de irmos tomar umas com nossos novos amigos locais paramos para jantar. E foi um jantar bizarro. Khura Buri não tinha muitas opções de restaurantes então fomos para o mesmo lugar em que almoçamos. Mas claro que o lugar era também a casa de uma família e acho que a dona só resolveu nos atender porque não poderia desperdiçar uns trocados. Comemos enquanto a família dela assistia tv. Quer dizer, enquanto o marido dela resmungava algumas coisas do sofá, o filho pelado (e o garoto não era novinho não) desfilava sua nudez pra lá e pra cá e uma novela muito peculiar, de vampiros tailandeses, passava na televisão. Foi um momento estranho.

Depois desse pulo na mente de um David Lynch asiático nos dirigimos pro bar. Os únicos clientes éramos nós e mais dois casais que também iam para Surin com os serviços do Tom e da Am. Foi divertido. Bebemos com os dois, conhecemos seus filhos e parte de seus amigos e comemos uma pimenta local que quase acabou com a minha boca. Estava tudo pronto para irmos pra Surin e ainda sairíamos de Khura Buri de forma “perfeita”.

Am e Tom

Mas claro que não foi isso que aconteceu.

O dia acordou chuvoso e feio, mais cinza que São Paulo em seus melhores (piores) momentos. Por isso resolvemos ficar mais uma noite na cidade. Dessa vez nos abastecemos de salgados e porcarias do seven eleven local (toda cidade na Tailândia tem um, por menor que seja) e evitamos as estranhezas dos restaurantes da região. A tarde o Tom levou a gente e um casal de alemães (que também adiaram em um dia a viagem deles) para uma cachoeira local. Não era nada demais, o que ele chamou de cachoeira era na verdade uma correnteza com pedras, mas demos uma nadada nas águas geladas do rio e foi gostoso. A caminhonete do Tom quebrou bem ali no meio do mato e ficamos mais de uma hora empurrando ela pra lá e pra cá tentando fazer pegar no tranco. Não deu.

Repara na minha chinela

O passeio foi interessante para vermos os entornos da cidade e perceber como a mata é fechada e tropical naquela parte da Tailândia. Khura Buri ainda é bem ao sul de Bangcoc, mas lá já dava pra sentir a mesma asfixia úmida que a capital propicia. Quase um gostinho de Brasil e suas florestas.

E esse foi nosso dia extra na cidade. Com comida ruim pra saúde mas boa pra alma, passeio meia boca e exercícios forçados. Continuamos gostando muito de Khura Buri, apesar de não ter nada de especial por lá.

E finalmente no dia seguinte conseguimos ir para Surin. Eu sei que não expliquei muito o que é Surin ainda, mas esse será o assunto do próximo post. Só vou adiantar que é um conjunto de ilhas e parque nacional que só abre em determinada época do ano, tem número limitado de visitantes e infraestrutura simples, por isso tivemos que acampar por lá. Foi nosso lugar favorito na Tailândia (um país que amamos) e onde peguei a Marina recebendo massagem de um coreano bem à beira mar (talvez por isso ela tenha gostado tanto). Mas como já disse, Surin será o tema do próximo post.

Beijos Quentes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s